Pular para o conteúdo principal

Sexo, drop’s e Rock in Roll.


A metade final dos anos 80 foi o auge da nossa liberdade pelos bailes da cidade. Sexta e sábado era dia de ir ao Phemafraze. No domingo o “vôrti” era na Casa da Amizade. Alguns dos nossos iam ainda curtir uma dança na GR 2000 no Potim e no D.A. em Guaratinguetá.
Mas o esquema maior era quando tinha baile no Umuarama. Baile no UCA era sinônimo de mulher bonita. Baile de bacana. Baile feito pra sonhar olhando o quadro da Garota Umuarama dependurado na parede da bilheteria enquanto se comprava o ingresso de entrada.
Entradas geralmente muito caras, difícil para nós da “periferia” custear aquela nobre diversão entre a “elite”.
Noite de Umuarama era dia de tomar “revertério” no Ce Ki Sab, assistindo clipes na antiga Telefunken do bar, pra poder chegar “ligado” no baile e xavecar as patricinhas. Quem não se lembra do “Baile da Goreti”, do Halloween que durou por 20 anos? Do Baile do Cow boy, das Domingueiras?
Nos bolsos, além de alguns míseros cruzados, sempre havia um hall’s de cereja e preserva-tivos. A camisinha era a nova proteção naquela época onde o termo “aids” começava a modificar a liberdade sexual no mundo.
A nossa meta era arranjar uma garota pra das uns beijos nos cantos do salão ouvindo U2, The Cure, Legião e outras bandas da época. Pra aquem curtia, era muito difícil arranjar um insignificante “baseado” e ninguém saía dos bailes quebrando tudo que se via pela frente como fazem hoje. Eram com certeza outros tempos.
Houve um dia de baile no UCA que coincidiu com uma semana que eu estava quebrado, sem nenhum tostão furado no bolso. E era um desses bailes imperdíveis da nossa adolescência.
Eu descia a rua do cemitério desanimado, sem achar nenhuma solução para aquele meu drama, quando encontrei na esquina meu amigo Loro teve uma brilhante idéia:
- Na entrada do clube, eu teria que dar minha carteira para alguém que estava entrando no baile entregar na portaria dizendo que “achou” no meio do salão.
Essa parte foi fácil.
Logo depois de uns quinze minutos mais ou menos, eu teria que chegar com tudo na roleta e ir entrando no clube. E foi o que eu fiz. Com toda lógica do mundo o porteiro me barrou perguntando:
-Você está maluco moleque, onde pensa que vai?
-Maluco nada. Eu saí aquela hora pra ver se encontrava a minha carteira que eu perdi. Não sei se foi aqui fora ou lá dentro...
No mesmo instante o porteiro pegou minha carteira em cima da mesa e meio desconfiado disse:
-Qual seu nome moleque, por acaso é essa carteira aqui?
-Meu Deus, nem acredito! É essa mesmo. Posso “voltar” pro baile?
O silêncio do porteiro durou uma eternidade até que ele respondeu;
-Como assim voltar pro baile, você acha que eu sou bobo? E se você deu a carteira pra alguém entregar aqui?
Instantaneamente eu gelei. Achei que o golpe da carteira era antigo. O baile imperdível tinha ido “pras cucúias”. Mas no mesmo instante, o Nelsinho, que estava ouvindo a conversa interferiu no assunto e gritou:
-Deixa ele entrar. Eu conheço o menino, ele trabalha na fábrica do seu Célio e não ia fazer uma coisa dessas. Eu quase dei um beijo no Nelsinho que de longe fez um sinal de positivo.
Naquela época o nosso único compromisso era coma diversão. Não havia Funk maltratando os ouvidos e provocando o confronto. Era só música boa. Havia sempre uma sessão de lenta para poder formar novos pares a cada noite. Muita gente se casou depois de dançar naquelas sessões de músicas lentas da Casa da Amizade e do “Phema”. Coisa que não existe mais. Levar a garota pro corredor de fora da Casa da Amizade era o ápice da conquista que em algumas raras vezes aportava em desejos juvenis num quarto úmido e barato da Pensão São Benedito na Rua João Matuck. A gente usava nossa inteligência para resolver situações que não inferissem na nossa liberdade. Uma juventude com propósitos que enfrentava algumas limitações com criatividade, sem nenhum tipo de confusão. Tempo muito diferente dessa época entorpecida e violenta de hoje em dia...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O chifre

Por conta de minha filha Larissa estar tendo febre há uns três dias, uma tia de minha esposa, em conversa por telefone, foi sucinta em seu comentário: “Essa menina está assustada ou aguada por alguma coisa”... De fato, em duas idas ao pronto socorro, os pediatras não conseguiram detectar nenhum problema mais grave. Não era garganta, ouvido ou algum dentinho nascendo, o que estava causando estranheza pela febre decorrente. Além de dar o “diagnóstico”, a tia foi logo dizendo o “antídoto” para a cura: chá de hortelã com raspas de chifre de carneiro. Vivi entre as crendices populares típicas de cidades do interior. Convivi com todos os meus avós e minha mãe, nos arautos dos seus 78 anos, ainda prega essa cultura popular de usar plantas e métodos pouco convencionais para curar algum mal. Assim sendo, mesmo cético para algumas coisas na vida, lá fui eu tentar encontrar o tal chifre... Não me aventurei em outro lugar sem antes passar pelo mercadão de Guaratinguetá. A minha intuição estava a…

A Padroeira do Brasil, Nossa Senhora Aparecida

Segundo o relato daquelas humildes pessoas, foram tantos peixes logo conseguido, depois de “aparecida” a imagem, que a canoa ficou cheia. Até ameaçava afundar. Alegraram-se muito com o ocorrido e foram levar o pescado à Câmara Municipal de Santo Antonio de Guaratinguetá, mas primeiro passaram pela casa de Felipe Pedroso e deixaram a preciosa encomenda confiada aos cuidados de Silvana da Rocha, mãe de João, esposa de Domingos e irmã de Felipe. Puseram-na dentro de um baú, enrolada em panos, separada uma parte da outra.
A casa de Silvana foi o primeiro oratório que teve aquela imagem e ficou com ela cerca de nove anos, até 1726, data provável de seu falecimento. Assim tornou-se herdeiro da imagem seu irmão, Felipe Pedroso, o único sobrevivente da milagrosa pescaria.
Sua casa foi o segundo oratório, por seis anos, perto da Ponte do Ribeirão do Sá (proximidade da atual Estação Ferroviária) e também o terceiro, por mais sete anos, na Ponte Alta, para onde se mudara. Em 1739, Felipe Pedroso …

“Heart and Soul”, homenagem ao Nicolau Samahá.

Mesmo mais de trinta anos após sua morte, sempre ouvimos falar de que “Elvis não morreu”. Contudo, Elvis é ainda “o morto que mais vende discos em todo mundo” até hoje. O branco que tinha voz de negro. Elvis deixou este plano no dia 16 de agosto de 1977.
Quando criança, todo dia eu subia à Praça da Igreja Velha pra levar almoço pro meu irmão Roberto Dias que trabalhava no Foto JK. Subia distraído e ficava encantado com os brinquedos dependurados nas portas das muitas lojas que supriam o caminho que levava até à praça. Mas era uma loja em especial que me fazia chegar atrasado ao meu destino: a Loja do Nicolau Samahá. O dia inteiro o ele ficava tocando na vitrola as músicas inesquecíveis do Elvis Presley que me deixavam encantado. Fora isso, as paredes de sua loja eram forradas com pôsteres gigantes do Rei do Rock por todos os cantos. Ele também se fazia parecer muito com o ídolo: Alto, cabelos com topete e costeletas enormes. Camisas chamativas e de golas altas. Parecia o próprio Rei do…