Prejuízo.


Quem frequentou antigamente o Bairro de Santa Rita deve se lembrar bem do Bar do Ananias.
O estabelecimento ficava na esquina da Rua Floriano Peixoto com a Rua Santa Rita. Anos depois ele se mudou para um barzinho menor ao lado da atual Loja da Geni. Antes de fechar seu bar na décad de 90 ele também ficou por muito tempo funcionando num ponto embaixo da prefeitura.
Desde sempre o famoso “churrasquinho de lombo” era o que fazia o dinheiro girar no bar. Como ele ficava com as portas abertas até de madrugada, o lugar era a salvação para matar a fome dos boêmios de antigamente.
O “Nanias” às vezes, ou quse sempre, ao falar, guaguejava e fazia sempre a mesma pergunta ao freguês que pedia aquele lanche: “você que...quer...ma...ma...magro ou gordo? Com gordura ou sem. Ao gosto da freguesia, lá ia ele fritar o bife de pernil na velha e preta frigideira. Naquela panela que parecia não ver água há muito tempo é que estava o segredo.
Sempre que encontrava comigo nas calçadas da Santa Rita, não perdia sua forma simples e repetitiva me perguntando: “Vo...vo...você é fi..filho do João Di...Di...Dias ou do Antonio Dias?
-Nem um nem outro Nanias, sou filho do Joaquim Dias, respondia já esperando ele contar as mesmas histórias de sempre. Algumas delas com teores de veracidade um tanto quanto suspeitos.
Certa vez ele me contou que quando seu bar ficava na esquina da Floriano Peixoto, surgiu um papo na cidade de que “quem comesse carne de porco estava ficando com a voz fina”. Ou seja, o camarada que comesse a carne ia ficar com voz parecida com voz de mulher.
O assunto se espalhou rapidamente por todo o bairro. As vendas do churrasquinho então foram despencando e causaram um grande prejuízo pra ele, já que tinha comprado uma quantidade considerável de pernil que foi ficando encalhado na geladeira.
Ele se desdobrava tentando desmentir o fato, mas não estava convencendo ninguém. Até ele terminar de falar a frase por causa da gagueira, o freguês já tinha ido embora.
A carne já temperada ia estragar na geladeira e ele decidiu então jogar tudo fora na calçada do muro do cemitério para que os vira-latas de plantão pudessem encher o bucho.
Aí eu perguntei: “E o que aconteceu depois disso Nanias?”
Num tom bem sério ele respondeu: “Vo...você acredita que a ca...ca...cachorrada saiu la...la...latindo fino que nem mi...mi...miado de gato Angorá?”...
Hoje podemos notar que quem realmente ficou no prejuízo foram os fregueses e boêmios que infelizmente não puderam mais contar com aquela deliciosa iguaria depois que ele se aposentou. E vê se ele foi capaz de comer um churrasquinho de lombo pra fazer um teste com a voz?
De bobo ele não tinha era nada.

(Meu amigo Ananias Clemente desencarnou em 08 de maio de 2009)

Comentários