Pular para o conteúdo principal

A fama dos imortais.

Acoplando estórias esparsas nesse papel, passo a recordar de um tempo único quando acontecia os “saraus” no Bar da Cristina, ali na Avenida Getúlio Vargas, que durou pouco tempo devido a federalização daquela avenida e posteriormente a proibição de bebidas alcoólicas. Era o mesmo lugar onde tempos atrás funcionou o “Sobrado 767 do Claudinho”.
O lugar tinha o dom se aguçar o imaginário, a começar pelo belo piano num canto e um violão sempre à espera de algum artista que pertencia à madrugada. Uma penumbra extasiante e quadros na parede. Um espaço que cheirava a poesia. Sempre tinha algum amigo da Cristina que se levantava de repente da mesa e começava a recitar versos. Era sensacional.
Lá pelas tantas, com o bar já meio vazio, a Cris tomava seu acervo de livretes e esparramava-os sobre a mesa, fazendo a gente escolher um deles e abrir suas páginas aleatoriamente. Depois, cada um escolhia um poema ou fragmento pra ler. Era só gente imortal, desde Fernando Pessoa e Camões até Drummond e Bandeira. Nada pagava o amigo Piriquito lendo versos de Fernando Pessoa entre a fumaça do cigarro e com a cortina balançando com a brisa da madrugada lá atrás.
Quando chegava a minha vez, com a sobriedade um tanto defasada que já não ajudava a ler aquelas letras miúdas dos livros, eu começava a recitar versos de improviso. Olhava para o livro e soltava versos inventados. Era muito divertido, pois sempre tinha um entendido que dizia “essa do Drummond eu não conhecia” ou “esse Manoel Bandeira é o melhor de todos”...
Era quando os imortais da liteatura se enchiam ainda mais de glórias. E eu, pobre mortal, continuava ali, preso naquela clandestinidade, sem se fazer dono daquele rasgo poético abrupto. Alguém que eles também já foram um dia.
Mas era onde a inspiração egoísta do poeta se transformava na chave que abria as portas da sensibilidade coletiva.
Regadas a muita MPB e cerveja, muita coisa se perdeu na poeira do esquecimento. Alguns livretes da Cristina ainda guardam relíquias que escrevi quando tomava uma cerveja num canto qualquer do bar. Fragmentos tão esplêndidos quanto improvisados.
Certa vez, meu amigo Tavinho Piza já estava cansado de mostrar seus versos a um amigo, onde o camarada sempre vinha com a mesma crítica:
“Você é capaz de escrever melhor”. “Isto está uma bela porcaria”.
Resolveu então o baluarte fazer um último poema e entregar ao “expert”.
Só que, ao invés de assinar seu nome, escreveu em baixo com uma bela caligrafia o nome “Vinícius de Moares”. O amigo “entendido” do assunto, ao ler o poema, foi categórico:
“Isso sim que é poesia. É assim que você deveria escrever”. Coube ao baluarte ter que desferir alguns sopapos no amigo que a partir daquele dia se recolheu à sua insignificância, deixando o Otávio ser para a poesia um dos seus grandes expoentes.
O encanto de alguns versos muitas vezes fluem tão naturalmente e de forma tão bela que é possível duvidar da procedência poética da frase. Mas creia. Creia piamente na pureza das palavras, pois é exatamente assim que você reconhece um poeta...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O chifre

Por conta de minha filha Larissa estar tendo febre há uns três dias, uma tia de minha esposa, em conversa por telefone, foi sucinta em seu comentário: “Essa menina está assustada ou aguada por alguma coisa”... De fato, em duas idas ao pronto socorro, os pediatras não conseguiram detectar nenhum problema mais grave. Não era garganta, ouvido ou algum dentinho nascendo, o que estava causando estranheza pela febre decorrente. Além de dar o “diagnóstico”, a tia foi logo dizendo o “antídoto” para a cura: chá de hortelã com raspas de chifre de carneiro. Vivi entre as crendices populares típicas de cidades do interior. Convivi com todos os meus avós e minha mãe, nos arautos dos seus 78 anos, ainda prega essa cultura popular de usar plantas e métodos pouco convencionais para curar algum mal. Assim sendo, mesmo cético para algumas coisas na vida, lá fui eu tentar encontrar o tal chifre... Não me aventurei em outro lugar sem antes passar pelo mercadão de Guaratinguetá. A minha intuição estava a…

A Padroeira do Brasil, Nossa Senhora Aparecida

Segundo o relato daquelas humildes pessoas, foram tantos peixes logo conseguido, depois de “aparecida” a imagem, que a canoa ficou cheia. Até ameaçava afundar. Alegraram-se muito com o ocorrido e foram levar o pescado à Câmara Municipal de Santo Antonio de Guaratinguetá, mas primeiro passaram pela casa de Felipe Pedroso e deixaram a preciosa encomenda confiada aos cuidados de Silvana da Rocha, mãe de João, esposa de Domingos e irmã de Felipe. Puseram-na dentro de um baú, enrolada em panos, separada uma parte da outra.
A casa de Silvana foi o primeiro oratório que teve aquela imagem e ficou com ela cerca de nove anos, até 1726, data provável de seu falecimento. Assim tornou-se herdeiro da imagem seu irmão, Felipe Pedroso, o único sobrevivente da milagrosa pescaria.
Sua casa foi o segundo oratório, por seis anos, perto da Ponte do Ribeirão do Sá (proximidade da atual Estação Ferroviária) e também o terceiro, por mais sete anos, na Ponte Alta, para onde se mudara. Em 1739, Felipe Pedroso …

“Heart and Soul”, homenagem ao Nicolau Samahá.

Mesmo mais de trinta anos após sua morte, sempre ouvimos falar de que “Elvis não morreu”. Contudo, Elvis é ainda “o morto que mais vende discos em todo mundo” até hoje. O branco que tinha voz de negro. Elvis deixou este plano no dia 16 de agosto de 1977.
Quando criança, todo dia eu subia à Praça da Igreja Velha pra levar almoço pro meu irmão Roberto Dias que trabalhava no Foto JK. Subia distraído e ficava encantado com os brinquedos dependurados nas portas das muitas lojas que supriam o caminho que levava até à praça. Mas era uma loja em especial que me fazia chegar atrasado ao meu destino: a Loja do Nicolau Samahá. O dia inteiro o ele ficava tocando na vitrola as músicas inesquecíveis do Elvis Presley que me deixavam encantado. Fora isso, as paredes de sua loja eram forradas com pôsteres gigantes do Rei do Rock por todos os cantos. Ele também se fazia parecer muito com o ídolo: Alto, cabelos com topete e costeletas enormes. Camisas chamativas e de golas altas. Parecia o próprio Rei do…