Pular para o conteúdo principal

Caminhos da posteridade.


Estava já há algum tempo em minha mochila um exemplar deste jornal, onde em janeiro passado, escrevi sobre os 100 anos do Corínthians driblando a condição.
A madrugada do pronto socorro onde trabalho é digna de documentário, principalmente quando aportam derepente por lá alguns andarilhos.
Lá pelas tantas, num estagio vazio da madrugada, entra pela porta automática do lugar um desses mendigos. Me disse que só ia usar o banheiro e que já sairia.
Mas na metade do caminho ele voltou e me preguntou se eu não tinha nenhuma folha de jornal para ceder. Num instante rápido, abri minha mochila e lhe entrguei o exemplar do Comunicação Regional que ali estava dizendo: “Só tenho este. Aproveita e leia na página dois um texto que eu escrevi”...
“Ah ,tu é escritor?”, perguntou-me ele.
“Quem me dera... Eu só tento imprimir um pouco dessa realidade que vivo para merecer a parte da posteridade que me cabe depois”.
Sem muitas delongas ele seguiu seu destino até o banheiro tentando afastar das minhas narinas seu cheiro sem culpa. Dez minutos depois, quebrado o silêncio pelo som da descarga, ele chegou até a mim e disse: “Eu não sou Corinthiano não, mas me enquadro perfeitamente nessa sua crônica. Vou tentando driblar minha condição já faz algum tempo. Mas às vezes me sinto fraco. Parece que meu destino me leva à um exílio sem precedentes. Mesmo assim, em outros tempos da minha cabeça, tento me agarrar à vida. Por pior que possa parecer ela ainda me pertence. Hoje meu dia foi diferente e isso me coloca esperançoso. Pra terminar a madrugada, li sua crônica e me enchi de razões para continuar. Em outros tempos, talvez você me responderia que não tinha nenhuma folha de jornal, mas que lá no banheiro teria papel higiênico. Não que muitos jornalecos por aí não mereçam de nós apenas as defecações do dia a dia, pois só imprimem o que se paga. O côcô ia até ilustrar com mais nitidez as vilezas das páginas. Mas por que talvez eu não poderia aparentar à você o meu interesse em ler. E você me pareceu um pouco poeta também, sabia?”...
Já se preparando para seu desterro dali, ele ainda falou em tom de desânimo:
“Eu também por muitas vezes escrevo poesia. Mas elas se perdem pelos caminhos que ando. Muitas delas eu nem chego a escrever pois não encontro uma caneta ou lápis para colocá-las num papel. E a inspiração é isso. Ela nos coloca fora por alguns instantes deste mundo real que a gente se encontra e nasce uma poesia, um poema ou crônica. Se cochilar, já era. Fica tudo fazendo parte do nosso esquecimento. Daí, como você bem disse, a gente acaba não fazendo nada pra merecer um pouquinho que seja dessa posteridade. Eu posso levar seu jornal?”
“Claro que pode”, respondi.
“Fica com Deus então. Obrigado por elevar minha crença em dias melhores”...
Certas pessoas são obrigadas a se tornarem cronistas, escritores ou poetas pelas circunstâncias e muitas vezes nem percebem. Metem as mãos na realidade que vivem não tanto para celebrá-la, mas para desmontá-la.
É por isso que não devemos ter tanta fé na vida real. Ela é apenas um cenário. O que se esconde dentro das pessoas é o que realmente vale.
Eu nunca mais vi o camarada andarilho nas imediações do pronto socorro. Inconsciente, talvez ele nem percebeu. Mas alguma coisa dele ainda ficou por ali, escrevendo com minha despretensiosa ajuda, uma parcela daquela posteridade em questão.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O chifre

Por conta de minha filha Larissa estar tendo febre há uns três dias, uma tia de minha esposa, em conversa por telefone, foi sucinta em seu comentário: “Essa menina está assustada ou aguada por alguma coisa”... De fato, em duas idas ao pronto socorro, os pediatras não conseguiram detectar nenhum problema mais grave. Não era garganta, ouvido ou algum dentinho nascendo, o que estava causando estranheza pela febre decorrente. Além de dar o “diagnóstico”, a tia foi logo dizendo o “antídoto” para a cura: chá de hortelã com raspas de chifre de carneiro. Vivi entre as crendices populares típicas de cidades do interior. Convivi com todos os meus avós e minha mãe, nos arautos dos seus 78 anos, ainda prega essa cultura popular de usar plantas e métodos pouco convencionais para curar algum mal. Assim sendo, mesmo cético para algumas coisas na vida, lá fui eu tentar encontrar o tal chifre... Não me aventurei em outro lugar sem antes passar pelo mercadão de Guaratinguetá. A minha intuição estava a…

A Padroeira do Brasil, Nossa Senhora Aparecida

Segundo o relato daquelas humildes pessoas, foram tantos peixes logo conseguido, depois de “aparecida” a imagem, que a canoa ficou cheia. Até ameaçava afundar. Alegraram-se muito com o ocorrido e foram levar o pescado à Câmara Municipal de Santo Antonio de Guaratinguetá, mas primeiro passaram pela casa de Felipe Pedroso e deixaram a preciosa encomenda confiada aos cuidados de Silvana da Rocha, mãe de João, esposa de Domingos e irmã de Felipe. Puseram-na dentro de um baú, enrolada em panos, separada uma parte da outra.
A casa de Silvana foi o primeiro oratório que teve aquela imagem e ficou com ela cerca de nove anos, até 1726, data provável de seu falecimento. Assim tornou-se herdeiro da imagem seu irmão, Felipe Pedroso, o único sobrevivente da milagrosa pescaria.
Sua casa foi o segundo oratório, por seis anos, perto da Ponte do Ribeirão do Sá (proximidade da atual Estação Ferroviária) e também o terceiro, por mais sete anos, na Ponte Alta, para onde se mudara. Em 1739, Felipe Pedroso …

“Heart and Soul”, homenagem ao Nicolau Samahá.

Mesmo mais de trinta anos após sua morte, sempre ouvimos falar de que “Elvis não morreu”. Contudo, Elvis é ainda “o morto que mais vende discos em todo mundo” até hoje. O branco que tinha voz de negro. Elvis deixou este plano no dia 16 de agosto de 1977.
Quando criança, todo dia eu subia à Praça da Igreja Velha pra levar almoço pro meu irmão Roberto Dias que trabalhava no Foto JK. Subia distraído e ficava encantado com os brinquedos dependurados nas portas das muitas lojas que supriam o caminho que levava até à praça. Mas era uma loja em especial que me fazia chegar atrasado ao meu destino: a Loja do Nicolau Samahá. O dia inteiro o ele ficava tocando na vitrola as músicas inesquecíveis do Elvis Presley que me deixavam encantado. Fora isso, as paredes de sua loja eram forradas com pôsteres gigantes do Rei do Rock por todos os cantos. Ele também se fazia parecer muito com o ídolo: Alto, cabelos com topete e costeletas enormes. Camisas chamativas e de golas altas. Parecia o próprio Rei do…