Pular para o conteúdo principal

Decifrando sonhos.


De tempos em tempos, a fissura que a gente tem de “jogar no bicho”, nos toma de forma imprevista. Quando a gente menos espera está lá, olhando as placas dos carros ou números em algum filme ou na televisão. Contra isso, hoje o “banqueiro” não paga mais números em destaque pra evitar a “quebra” da banca, pois geralmente, a milhar dá.
Contam que o jogo de bicho surgiu no Rio de Janeiro. Funcionários do zoológico, vendo o fluxo de visitantes diminuir no parque, passaram a sortear brindes para atrair o público, que escolhiam um entre os mais variados bichos enjaulados. Alguém muito mais esperto levou a idéia mais a diante, fazendo dessa contravensão algo delicioso. Mas muito mais que isso, o jogo do bicho já faz parte da cultura popular do brasileiro. O papel do jogo muitas vezes age como um “emprasto” para sanar a dor da falta de grana.
Os sonhos são as formas mais influentes nos palpites de quem joga. Existem pessoas que ganham quase sempre. Dizem de uma forma toda distinta que é preciso saber “decifrar” o sonho e encontrar assim o bicho que vai dar entre as cinco mihares do rateio.
Eu só me lembro de ter acertado o bicho uma vez, ganhando alguns Cruzeiros. Meu amigo Loro, criado nesse meio, onde sua mãe Dona Vicentina fez jogo de bicho por mais de trinta anos, me convenceu a jogar no cavalo num dia da Festa de São Benedito, alegando que “devido a cavalaria”, o cavalo viria. Jogamos e ganhamos, dividindo o prêmio. Mas éramos tão crianças naquele tempo que o dinheiro nem tinha muito valor e durou pouco em nossas mãos. Ainda bem.
“Bater a trave” é o que sempre acontece quando o vício de jogar me ocorre. Devido a este azar, fico muito tempo sem arriscar um palpite. E eu tenho tanto azar pro jogo que quando eu e meu Tio João Dias jogávamos juntos, dava sempre o dele, nunca o meu.
Numa madrugada, eu e meu amigo Gil Landim, estávamos de plantão no Pronto Socorro e de repente, chega um Fusca e pára bem ao nosso lado. A centena final da placa do Fusquinha era “883”. Coincidentemente, a placa da ambulância estacionada ali também era de final “883”. O Gil ainda comentou:
“Olha lá Lúcio, que centena boa pra jogar amanhã. Duas placas com final 883”...
Concordei e prometemos jogar no dia seguinte. Só que eu saí às 7 horas da manhã do meu plantão, cheguei em casa moído, dormi até às 5 da tarde e nem lembrei de jogar. Mesmo com a correria do dia, ele jogou uma quantia boa na centena. Mas sem prestar muita atenção, ou não se recordando direito do número, acabou jogando “833”. A frustração ao pegar o resultado do jogo quase o faz ter um infarto: “1º prêmio, 883 na cabeça”. Meu amigo Gil Landim perdeu simplesmente de ganhar 6 mil Reais por um detalhe.
Decifrar os sonhos é imprescindível. Um outro amigo meu sempre leva os seus sonhos de encontro à algum bicho que possa lhe clarear o palpite para apostar. Certa vez ele sonhou que havia alguns gatos em cima do telhado da sua casa e um somente um gato, todo torto, no chão. Sua conclusão foi categórica: jogou 10 Reais num passe de dois bichos, gato e burro. Na hora da aposta, ele ainda contou pro cara da banca o seu sonho. Mas o bicheiro não entendeu de onde ele foi tirar o burro da aposta. A dedução do meu amigo foi simples:
“O gato que estava todo torto no chão, com certeza havia caído do telhado. E gato que cai do telhado, só pode ser burro meu amigo”...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O chifre

Por conta de minha filha Larissa estar tendo febre há uns três dias, uma tia de minha esposa, em conversa por telefone, foi sucinta em seu comentário: “Essa menina está assustada ou aguada por alguma coisa”... De fato, em duas idas ao pronto socorro, os pediatras não conseguiram detectar nenhum problema mais grave. Não era garganta, ouvido ou algum dentinho nascendo, o que estava causando estranheza pela febre decorrente. Além de dar o “diagnóstico”, a tia foi logo dizendo o “antídoto” para a cura: chá de hortelã com raspas de chifre de carneiro. Vivi entre as crendices populares típicas de cidades do interior. Convivi com todos os meus avós e minha mãe, nos arautos dos seus 78 anos, ainda prega essa cultura popular de usar plantas e métodos pouco convencionais para curar algum mal. Assim sendo, mesmo cético para algumas coisas na vida, lá fui eu tentar encontrar o tal chifre... Não me aventurei em outro lugar sem antes passar pelo mercadão de Guaratinguetá. A minha intuição estava a…

A Padroeira do Brasil, Nossa Senhora Aparecida

Segundo o relato daquelas humildes pessoas, foram tantos peixes logo conseguido, depois de “aparecida” a imagem, que a canoa ficou cheia. Até ameaçava afundar. Alegraram-se muito com o ocorrido e foram levar o pescado à Câmara Municipal de Santo Antonio de Guaratinguetá, mas primeiro passaram pela casa de Felipe Pedroso e deixaram a preciosa encomenda confiada aos cuidados de Silvana da Rocha, mãe de João, esposa de Domingos e irmã de Felipe. Puseram-na dentro de um baú, enrolada em panos, separada uma parte da outra.
A casa de Silvana foi o primeiro oratório que teve aquela imagem e ficou com ela cerca de nove anos, até 1726, data provável de seu falecimento. Assim tornou-se herdeiro da imagem seu irmão, Felipe Pedroso, o único sobrevivente da milagrosa pescaria.
Sua casa foi o segundo oratório, por seis anos, perto da Ponte do Ribeirão do Sá (proximidade da atual Estação Ferroviária) e também o terceiro, por mais sete anos, na Ponte Alta, para onde se mudara. Em 1739, Felipe Pedroso …

“Heart and Soul”, homenagem ao Nicolau Samahá.

Mesmo mais de trinta anos após sua morte, sempre ouvimos falar de que “Elvis não morreu”. Contudo, Elvis é ainda “o morto que mais vende discos em todo mundo” até hoje. O branco que tinha voz de negro. Elvis deixou este plano no dia 16 de agosto de 1977.
Quando criança, todo dia eu subia à Praça da Igreja Velha pra levar almoço pro meu irmão Roberto Dias que trabalhava no Foto JK. Subia distraído e ficava encantado com os brinquedos dependurados nas portas das muitas lojas que supriam o caminho que levava até à praça. Mas era uma loja em especial que me fazia chegar atrasado ao meu destino: a Loja do Nicolau Samahá. O dia inteiro o ele ficava tocando na vitrola as músicas inesquecíveis do Elvis Presley que me deixavam encantado. Fora isso, as paredes de sua loja eram forradas com pôsteres gigantes do Rei do Rock por todos os cantos. Ele também se fazia parecer muito com o ídolo: Alto, cabelos com topete e costeletas enormes. Camisas chamativas e de golas altas. Parecia o próprio Rei do…