Postagens

Mostrando postagens de 2010

A esperança no palhaço

Imagem
Heitor já andava estressado com tudo. Também pudera: com os exames do mês passado, descobriu que seu filho caçula estava com um tipo raro de câncer.
Na empresa, Heitor sempre foi simpático com todos. Tudo mudara com a doença do filho, inclusive sua relação com a esposa. Ela via o casamento ruir aos poucos. Projetava algo que pudesse mudar aquela silenciosa relação mas a forma “seca” de Heitor botava tudo a perder. Há muito ele sequer esboçava um sorriso.
Num dia, Heitor aguardava numa sala da empresa junto de outros colegas o presidente daquele império que convocara aquela reunião em carater emergencial. Na televisão passava o horário político, onde um candidato chamou a atenção de todos. Um “palhaço” pedia que votassem nele dizendo que “pior que estava, não ia ficar”.
“Este ainda está arriscado a ganhar”, disse um. “ e seus votos vão puxar aquele outro que estava envolvido no mensalão”. Diante daquilo, Heitor deu um sorriso irônico, dizendo que “se o palhaço fosse eleito, o circo esta…

Aparecida, 82 anos de Emancipação Política/Administrativa 1928-2010

Imagem
O movimento pró-emancipação de Aparecida remonta ao século XIX, com uma frustrada tentativa de criação do Município de Aparecida. Em 1895 foi apresentado à câmara de Guaratinguetá um projeto para a criação do municipio. Em setembro deste ano a câmara recebeu um ofício da Secretaria de Estado dos Negócios do Interior pedindo informações e minuciosos esclarecimentos do povoado em vista a solicitação dos respectivos habitantes. Houve ainda um outro movimento frustrado em 1898. Na ata de 16 de dezembro de 1895 da câmara de Guaratinguetá consta: “Considerando as condições topográficas, a inexistência de prédio para a cadeia e casa da câmara e além da proximidade que se encontra a povoação de Aparecida a cidade de Guaratinguetá e que há toda facilidade de comunicação pela estrada de ferro e já pela estrada de rodagem em que sua extensão não excede a 3 quilômetros, não há nenhuma conveniência na criação do municíupio de Aparecida”. O processo de emancipação 1924/1928 é uma continuidade dos m…

Glória, o Anjo.

Imagem
O que dignifica a existência de uma pessoa passa sempre pela hombridade de seus gestos. Sua história vai além de sua existência, onde seu tempo parece se instalar numa espécie de pacto com os dias.

...Foi na tarde daquele mesmo dia de agosto, que depois escureceu de repente, que a busquei entre as páginas de um livro que me deste de presente no início da primavera passada: “Vintém de cobre”, de Cora Coralina. Livro com valor de moeda de ouro. Poesia das mais diretas que tenho lido e amado. Poética simples daquela feiticeira dos versos enraizada lá no doce e distante Goiás Velho.
Remetido àquele nosso tempo, onde ensinava minhas lições primárias usando frases de efeito, salpiquei de lembranças férteis minha saudade. Era sabedoria alinhavada com amor. E eu a visualizava como a pessoa mais importante, que entretanto, não carecia de posses. Era assim rica apenas de coração.
Resistiu como uma verdadeira heroína às batalhas contra os preconceitos, onde as cicatrizes se arrastaram como testemu…

Amigas secretas.

Imagem
Elas se demoraram num primeiro olhar tentando tirar da boca da outra fiapos grudados entre os dentes de mangas surrupiadas no quintal de uma casa da rua onde moravam. Aquilo foi uma espécie de sinal.
Entre tanta coisa ensinada naquela comunidade, menina não podia beijar outra menina na boca. E elas nunca usavam como arumento o fato de sempre ter visto os moleques escondidos num frenético “troca-troca” juvenil. O sentimento entre as duas era um segredo inviolável.
Foi na escada da igreja numa noite de chuva forte que se beijaram pela primeira vez. Todo mundo desconfiava em vê-las sempre juntas pra cima e pra baixo. Estilo masculino de uma. Nem tanto da outra.
Foram aprender com a vida que o homossexualismo era uma ilha cercada de ignorantes preconceituosos por todos os lados.
Viajavam sempre que podiam e se hospedavam na mesma pousada de Bertioga. Foi lá, regado o consciente de muito vinho, que assumiram um compromisso mútuo que durariam pra sempre.
Aquele Natal Suelen passaria na casa da t…

Eternamente juntos.

Imagem
Estou parado em frente a Banca de Jornal do Júlio em busca de alguma notícia interessante nos jornais dependurados. Naquela manhã de sábado, tento me aproximar de uma pessoa cujo escritos me chamavam a atenção pela forma de como ele era fiel às suas lembranças e mantinha um respeito visceral aos seus velhos amigos. Vejo que o fato de sermos “colegas” nas páginas deste jornal e de outros em tempos passados, poderia naturalmente nos aproximar. Isso foi o suficiente para sustentar meu cumprimento diante daquele “mito” do jornalismo e da política aparecidense. A distância estava superada.
Depois da saudação, falamos de coisas banais até o momento em que nossa literatura nos uniu como nas páginas. Eu era um aprendiz. Ele, muito mais experiente, convidava-me a olhar tudo com outros olhos. Dizia que “para se obter algum sucesso, é preciso falar das pessoas”. “Escrever sobre polêmicas deixa no caminho muitas pedras a se remover e isso, aliado a certas vaidades, só fazem do escritor um outro ti…

Entrega o jogo!

Imagem
O clima e o “cheiro” do Natal já percorria as narinas mais sensíveis à época.
Tonho não podia comer carne de porco porque tinha gota. Só que naquele Natal ia fazer diferente: fazia tempo que não comia uma leitoa assada e nem se esbaldava mais bebendo vinho e cerveja. A culpa era da gota. Além do mais, estava apreensivo com o final do campeonato que poderia render ao coringão mais uma taça. Tinha esperança que tudo pudesse dar certo nos últimos jogos.
Tonho estava com palpite e decidiu então encomendar com Seu Jorge do açougue ¼ de leitoa para a ceia daquele natal que se aproximava.
Todo mundo sabia, inclusive a polícia, que a um quarteirão do açougue do Seu Jorge, num cortiço, Seu Arlindo, um palmeirense fanático e já meio caduco, fazia jogo de bicho. Era seu ganha pão pra compensar a defasada aposentadoria.
Tonho foi de carro então junto de seu filho encomendar a leitoa que já rondava o pensamento e enchia-lhe a boca de água.
Passando em frente ao cortiço do Seu Arlindo,Tonho paro…

Melhor idade

Imagem
Ele era uma festa. Cabelos grisalhos, verdadeiro galã.
Nos bailes da terceira idade ninguém fazia mais sucesso.
Todas, sem exceção, queriam dançar com o maior “pé de valsa”.
E ele não deixava nenhuma delas sem dar uma volta pelo salão,
flutuando pelo poder de sua dança.
Um dia, por força do destino
ou mais pelo infarto do peito cansado,
subiu aos céus.
Em seu velório, por ser muito querido e conhecido,
muitas coroas de flores de um lado
esperando pelo murcho tempo da história.
Do lado oposto, outras coroas desoladas,
já sentindo saudades dos seus passos no salão vazio...

Volta da luz.

Imagem
A parede caiada, novelada com teias aracnídeas, já não sutentam seu retrato. Ele perdeu-se na imensidão vazia da casa sem deixar vestígio que pudesse mapear um encontro pelos cômodos.
Seu retrato perdeu-se.
Pela manhã, quando pássaros imprimem a liberdade pelo céu, contesto esse desterro. Seu retrato em preto e branco era pregado por punho forte de martelo pesado, não ia se desprender assim.
As voltas dos ponteiros do relógio que ficou vai trazendo o dia e clareando o escuro. Mofos de estranhas lembranças precisam lamber o sol. A janela se livra da proteção da velha tramela carunchada. Os raios vão penetrando nesse abismo e tocam a parede à altura do prego fincado, sangrando um sangue imaginário.
Essa luz me faz atento pensando que de repente, por ironia de Deus, que também é gente, que seu retrato voltou à parede...

Noções de eternidade

Imagem
Uma fita k7 com minha voz
recitando poesias do caderno.
Meus livretes na estante.
Um desenho meu num quadro na parede.
A árvore que plantei dando sombra no quintal.
Um filho germinando no ventre do amor maior.
Você comigo no pensamento.
Não. Morrer não é o fim.
Meus retratos em branco e preto
colorem a nítida impressão deste sempre...

San Tomé.

Imagem
Verbo
ver.
Enxergar
para
crer.

Extinta

Imagem
Lápide
apagada.
Escrita
a lápis
não durou
nada.

Longo velório

Imagem
Funesto
de um dia.
O carro
da funerária
foi para a
funilaria.

Sedução

Imagem
O baton
na borda
da taça
transborda
esse tom
de ameaça.

Lembrança.

Imagem
Uma saudade
dura.
Teu retrato
na moldura.

Tecnologia

Imagem
A fita
breve
nada
deve
ao
dvd.

Amputação

Imagem
Se movendo
sem um membro
depois do
onze de setembro.

Incompleto

Imagem
O aborto
é um declíve.
Um sentido morto
de quem ainda vive.

100 anos de glórias mil.

Imagem
A ausência "daquela" taça
em meio ao calendário
não ofuscou a nobre raça
do grande Time Centenário...

Futebol moleque

Imagem
Chuta a bola
de primeira.
A bola
ro
o
o
o
o
o
o
o
ola na ladeira...

Dois lados.

Imagem
No vai e vem do estilingue,
o pensamento me embaça.
Nada ainda me distingue.
Não sou pedra, nem vidraça.

Tempo.

Imagem
Sem sentido a hora passa
num instante de ameaça.
Estampido de um momento
que o ponteiro acha graça.

Mulher impossível.

Imagem
Madrugada escura que me prende.
Cabelos negros que se soltam.
Escuridão que surpeende.
Sonhos idos que não voltam...

Ressaca poética.

Imagem
De dia,
a queimação do sol.
De noite,
a azia da lua vazia.
De repente,
o céu vomita estrelas...

Luta pelo breu.

Imagem
A estrela brilha
cheia de ciúme
do pisca pisca incessante
do solitário vaga lume.

Cardíaco.

Imagem
Coronária vertente,
sem safena nem estética.
Ainda vai sofrer um infarto inspirado
essa minha veia poética.

Expediente.

Imagem
Folhas amarelecidas
voavam na calçada em frente,
suavizando o sono do velho gari desatento,
que disputava com a vassoura quem era o mais dormente,
enquanto os ponteiros davam voltas pelo tempo.

Poeta inseto.

Imagem
Na madrugada
o pensamento voa atrás de inspiração
sem precisar de asa.
Diferente das baratas em silêncio
procurando migalhas na escuridão da casa.

Pequena coragem.

Imagem
Por sua teia invisível
a aranha lentamente desce
sem ter medo do perigo
do vasto chão que desconhece.

Amor secreto.

Imagem
Aquilo que suponho,
muita vezes a mente esquece.
Te quero presa num sonho.
Sonho nunca envelhece.

Crepúsculo.

Imagem
Quando o sol cai lentamente
por detrás do muro,
a inspiração clareia as palavras
no solitário quarto escuro.

Desterro.

Imagem
Parte de mim desceu a rua
e com a enxurrada foi embora.
Entra logo minha saudade
que outra chuva não demora.

Indiscutível.

Imagem
A ação do óbvio
é o que mais intriga
e torna tudo verdadeiro.
Assim como sempre
vai haver uma formiga
passeando ao lado
do açucareiro.

Via Dutra.

Imagem
O barulho que trafega
pela estrada do meu sono
é o mesmo que alegra
minha noite de abandono.

Bem e mal.

Imagem
Em defesa desta plenitude que verseja,
Deus imprime a vida
neste sol fantástico que se agiganta
rachando mamonas da perseguição
às minhas costas enquanto escrevo.
A noite, enquanto dormi,
Ele bailava entre estrelas
e assinava em segredo
meus sonhos inspirados da inconsciência.
Ele se apossa desta proteção
fazendo-me amassar o pão
que o diabo comeu dando socos em seu estômago.
Sua maior angústia é fazer crer que não existe.
Ao contrário de Deus que dá provas
a todo instante de que está em tudo
e muitos não crêem nele.
Mesmo assim ele não pára,
se reinventando no ar que nunca se vê.
Tenta imitá-lo a persistência do diabo
que ainda chora de dor depois de vomitar
parte de sua maldade enraizada.

Peru.

Imagem
Gorjeia a ave presa
inconsciente do final
onde vai ser a realeza
de uma ceia de natal.

Papai.

Imagem
Os pilares
que sustentam minha saudade
somente sua imagem
é capaz de derrubar.

Escravo.

Imagem
Como um subalterno,
viro refém de palavras
guardadas a sete chaves
nas linhas de um caderno.

Sem verso.

Imagem
Latifúndios
de palavras improdutivas
esperando que pela poética
sejam invadidas.

Angra 3

Imagem
A nação
assiste
atônita
a construção
da estação
atômica.

Ladrão.

Imagem
Se apanhar
vai ser bonito.
Não está apto
para empunhar
o apito.

Hálito.

Imagem
Frag
mento
lyptus:
Meu drops
caiu ao chão.

D'outro lado.

Imagem
A morte é fria.
Pálida paisagem
que guia
à outra margem.

Aves da manhã.

Imagem
Cai num vôo
em rodopio.
Sem nem um pio,
pula do galho,
pra num desafio,
bicar o milho
sem acordar
o espantalho.

Pedido.

Imagem
Destino cego
nos leva e não avisa.
Ilumine Senhor o chão
por onde minh’alma pisa.

Três formas.

Imagem
O presente obscuro
já se desenha cansado
conscinete que no futuro
não será mais que passado.

Andanças.

Imagem
Amor caminheiro
instalou-se no coração.
Correu pelo pensamento
andou as linhas da mão.

Abrigo.

Imagem
A chuva molha
o pensamento
como um todo.
Escapa ilesa
a lembrança
sob um toldo.

Contínua ação.

Imagem
Indícios
da mesma
trama:
Obama
caçando
Osama.

Apelo.

Imagem
Estrelas:
algemas que prendem
os olhos na noite.
Desprendam de mim
essa saudade açoite.

Visita.

Imagem
Na noite escura,
a janela aberta pra rua,
deixa entrar o clarão da lua.