Pular para o conteúdo principal

“Bons de papo”.

Uma boa conversa muitas vezes é fundamental para se resolver uma situação.
Em Aparecida, desde que o comercio religioso se desenvolveu após o encontro da imagem da Santa no Rio Paraíba, todos que dependem disso para ganhar o sustento da família ficam conhecidos como os “reis da lábia”.
As transações no comercio da cidade têm numa boa conversa com o romeiro uma ação imprescindível para se concretizar a venda de qualquer mercadoria ou prestação de algum serviço. A disputa pelo “cliente” vai depender muito de quem for melhor na conversa, já que a concorrência é muito grande devido à numerosa quantidade de ambulantes e lojistas na cidade.
É fundamental ter objetividade e ser um tanto sucinto, pois o fluxo de pessoas é grande. A idéia é “laçar” o maior numero possível de freguês em espaços curtos de tempo.
Além do comercio estabelecido e do ambulante existem ainda os eternos “vendedores de fitinhas” e os “agenciadores” de restaurantes que, de uma forma peculiar e impressionante, acabam convencendo o romeiro a deixar seu suado dinheiro ali, ou adentrar determinado restaurante para comer. A conversa chega ao ponto de informar que “as fitinhas dão sorte porque foram ‘benzidas’ pelo Pe. Vítor”. É só amarrar no pulso e fazer três pedidos.
Ninguém tem ainda a noção exata do dinheiro que circula entre esses informais.
Noutra particularidade, devido aos riscos de se viajar para o Paraguai em busca de mercadorias, muitos “ressuscitaram as famosas “fabriquetas”de fundo de quintal. Com certo bom gosto, colando um espelhinho, um vidro colorido junto de uma estampa ou pequena réplica da imagem da Santa, criam uma mercadoria que circula por toda cidade. Uns usam ainda até garrafas plásticas de refrigerantes e acabam inventando uma curiosa lembrança para o romeiro levar. Algumas mercadorias vendem mesmo, não precisam de tanta propaganda.
Quando é tempo de quaresma, tem que ser esperto e ter uma boa conversa pra ganhar um extra na cidade. Nós, que sempre tivemos fama de bons de briga desde a época da emancipação, acabamos por necessidade desenvolvendo também essa fama de bons de papo. Por isso, o aparecidense de raiz, sempre consegue dar um jeito na situação com muito arrojo e criatividade, onde as fronteiras da boa conversa acabaram se estendendo para a informalidade do dia a dia, ultrapassando as necessidades do comércio.
Uma vez, um conhecido nosso lá da Santa Rita, sempre que atravessava a madrugada na “gandaia”, pela manhã, tinha o costume de adentrar o quintal dos vizinhos para “surrupiar” o pão e o leite, que naquela época eram entregues em casa, deixados aos pés da porta do freguês.
Numa dessas aventuras, com a barriga roncando de fome, nosso amigo pulou o portão de uma casa da Travessa Carlos Wendling e foi logo pegando o pão e o leite do chão. No mesmo instante em que ele se levantou, o dono da casa abriu de repente a porta e deu de cara com o “ladrão” que levou o maior susto, mas que instantaneamente disse:
-Olha o pão, olha o leite! Acabou de chegar, tá fresquinho! Bom dia!
O espertinho entregou a mercadoria pro dono sem nem olhar pra trás e deu no pé.
Povo bom de conversa é esse povo d’Aparecida do Norte “sô”...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O chifre

Por conta de minha filha Larissa estar tendo febre há uns três dias, uma tia de minha esposa, em conversa por telefone, foi sucinta em seu comentário: “Essa menina está assustada ou aguada por alguma coisa”... De fato, em duas idas ao pronto socorro, os pediatras não conseguiram detectar nenhum problema mais grave. Não era garganta, ouvido ou algum dentinho nascendo, o que estava causando estranheza pela febre decorrente. Além de dar o “diagnóstico”, a tia foi logo dizendo o “antídoto” para a cura: chá de hortelã com raspas de chifre de carneiro. Vivi entre as crendices populares típicas de cidades do interior. Convivi com todos os meus avós e minha mãe, nos arautos dos seus 78 anos, ainda prega essa cultura popular de usar plantas e métodos pouco convencionais para curar algum mal. Assim sendo, mesmo cético para algumas coisas na vida, lá fui eu tentar encontrar o tal chifre... Não me aventurei em outro lugar sem antes passar pelo mercadão de Guaratinguetá. A minha intuição estava a…

A Padroeira do Brasil, Nossa Senhora Aparecida

Segundo o relato daquelas humildes pessoas, foram tantos peixes logo conseguido, depois de “aparecida” a imagem, que a canoa ficou cheia. Até ameaçava afundar. Alegraram-se muito com o ocorrido e foram levar o pescado à Câmara Municipal de Santo Antonio de Guaratinguetá, mas primeiro passaram pela casa de Felipe Pedroso e deixaram a preciosa encomenda confiada aos cuidados de Silvana da Rocha, mãe de João, esposa de Domingos e irmã de Felipe. Puseram-na dentro de um baú, enrolada em panos, separada uma parte da outra.
A casa de Silvana foi o primeiro oratório que teve aquela imagem e ficou com ela cerca de nove anos, até 1726, data provável de seu falecimento. Assim tornou-se herdeiro da imagem seu irmão, Felipe Pedroso, o único sobrevivente da milagrosa pescaria.
Sua casa foi o segundo oratório, por seis anos, perto da Ponte do Ribeirão do Sá (proximidade da atual Estação Ferroviária) e também o terceiro, por mais sete anos, na Ponte Alta, para onde se mudara. Em 1739, Felipe Pedroso …

“Heart and Soul”, homenagem ao Nicolau Samahá.

Mesmo mais de trinta anos após sua morte, sempre ouvimos falar de que “Elvis não morreu”. Contudo, Elvis é ainda “o morto que mais vende discos em todo mundo” até hoje. O branco que tinha voz de negro. Elvis deixou este plano no dia 16 de agosto de 1977.
Quando criança, todo dia eu subia à Praça da Igreja Velha pra levar almoço pro meu irmão Roberto Dias que trabalhava no Foto JK. Subia distraído e ficava encantado com os brinquedos dependurados nas portas das muitas lojas que supriam o caminho que levava até à praça. Mas era uma loja em especial que me fazia chegar atrasado ao meu destino: a Loja do Nicolau Samahá. O dia inteiro o ele ficava tocando na vitrola as músicas inesquecíveis do Elvis Presley que me deixavam encantado. Fora isso, as paredes de sua loja eram forradas com pôsteres gigantes do Rei do Rock por todos os cantos. Ele também se fazia parecer muito com o ídolo: Alto, cabelos com topete e costeletas enormes. Camisas chamativas e de golas altas. Parecia o próprio Rei do…