Pular para o conteúdo principal

100 Anos da Festa de São Benedito

Foi explorando as paredes da memória que as emoções encontraram maneiras sutis para descrever a Centenária Festa de São Benedito que acontece aqui em Aparecida. Acendendo as lembranças, isso abriu os olhos para a grandiosidade do Santo Negro que se fez numa fonte inspiradora. Símbolos coloridos estampam surpresas diferentes a cada ano. A tradição se faz a sustentabilidade proposta pela arquitetura do tempo que inova. Explorar o ritmo da festa é tornar silêncios ineficazes. Eles dizem muito, traduzem tanto.Em forma de arte, tambores dão ordens de luz, apresentando-se belos. O som vai conquistando seu espaço surtindo um efeito tão positivo que as vontades transcendem de nós parecendo superar os obstáculos cotidianos. Permite variações que encantam fortemente embutidas dentro do peito. Feito sagrado, um tanto profano. Dentro de todas essas memórias, vai compondo a história. Tudo reflete as emoções do que se pode descobrir ali numa espécie de admiração pelo desenho do acontecimento, onde a igreja, fincada num chão sagrado, faz lembrar os antigos e seus esforços que culminam nesse centenário. A festa, com suas cores, e sons, arquitetura e tudo é a tradução interior de quem se emociona com ela. Consumir esse colorido fortemente é festejar de forma singular coisas que os olhos captam de maneira ampla interagindo com a habilidade das reminiscências.
Faço dessa Festa, ás vezes perdido num deserto de versos, um oásis onde abasteço minhas emoções e lembranças:
“Os estilinguinhos furando as bexigas, os estalinhos, o medo do João Paulino e da Maria Angú, os pingentes de néon, o retratista Joaquim Dias, o Vickvaporube nos olhos dos outros, a epidemia de conjuntivite, a turma da Rua Floriano Peixoto aplaudindo a alvorada, a congada do Capitão Bento descendo a Rua 1º de maio, a cerveja de garrafa, o GHD comandando a praça, a Banda Fênix do Felipe Português, o comando e voz forte do seu Célio, a ressaca, a calabresa do Barba Papa, a paquera das romeirinhas, a gorjeta do Zé Siqueira, U2 no telão, a morte da Fabiana, o Bar do Chopp, as brigas, as fichas perdidas, o pastel surrupiado da barraca do japonês, os papos cabeça do haxixe, o show do 14 bis, o black out, a bandeja de cachorro quente esquecida que virou banquete, a cerveja fiada na barraca do Jef, o G.G. na gincana de motos, Zé Samahá na cavalaria, o preparo do espírito na Cervejaria do Nêno, Loro e Adriana, Dona Ana no café das congadas, a barraca do Tio Batata, o Bar do Ponto, Jair Socó e Casquinha tirando fotos, o lado dos ricos e o lado dos pobres, o violão urbano do Léo, Zé Rã fazendo graça, o Beto Leite com amnésia, o adeus do Zezé da Barateira, a fila do doce dando volta no quarteirão, São Benedito buscando Santa Rita “...
Por um instante, mesmo com o chumbo de velhos pensamentos, pareci voar...
Era outra congada que passava por mim e de certa forma me levava junto também.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O chifre

Por conta de minha filha Larissa estar tendo febre há uns três dias, uma tia de minha esposa, em conversa por telefone, foi sucinta em seu comentário: “Essa menina está assustada ou aguada por alguma coisa”... De fato, em duas idas ao pronto socorro, os pediatras não conseguiram detectar nenhum problema mais grave. Não era garganta, ouvido ou algum dentinho nascendo, o que estava causando estranheza pela febre decorrente. Além de dar o “diagnóstico”, a tia foi logo dizendo o “antídoto” para a cura: chá de hortelã com raspas de chifre de carneiro. Vivi entre as crendices populares típicas de cidades do interior. Convivi com todos os meus avós e minha mãe, nos arautos dos seus 78 anos, ainda prega essa cultura popular de usar plantas e métodos pouco convencionais para curar algum mal. Assim sendo, mesmo cético para algumas coisas na vida, lá fui eu tentar encontrar o tal chifre... Não me aventurei em outro lugar sem antes passar pelo mercadão de Guaratinguetá. A minha intuição estava a…

A Padroeira do Brasil, Nossa Senhora Aparecida

Segundo o relato daquelas humildes pessoas, foram tantos peixes logo conseguido, depois de “aparecida” a imagem, que a canoa ficou cheia. Até ameaçava afundar. Alegraram-se muito com o ocorrido e foram levar o pescado à Câmara Municipal de Santo Antonio de Guaratinguetá, mas primeiro passaram pela casa de Felipe Pedroso e deixaram a preciosa encomenda confiada aos cuidados de Silvana da Rocha, mãe de João, esposa de Domingos e irmã de Felipe. Puseram-na dentro de um baú, enrolada em panos, separada uma parte da outra.
A casa de Silvana foi o primeiro oratório que teve aquela imagem e ficou com ela cerca de nove anos, até 1726, data provável de seu falecimento. Assim tornou-se herdeiro da imagem seu irmão, Felipe Pedroso, o único sobrevivente da milagrosa pescaria.
Sua casa foi o segundo oratório, por seis anos, perto da Ponte do Ribeirão do Sá (proximidade da atual Estação Ferroviária) e também o terceiro, por mais sete anos, na Ponte Alta, para onde se mudara. Em 1739, Felipe Pedroso …

“Heart and Soul”, homenagem ao Nicolau Samahá.

Mesmo mais de trinta anos após sua morte, sempre ouvimos falar de que “Elvis não morreu”. Contudo, Elvis é ainda “o morto que mais vende discos em todo mundo” até hoje. O branco que tinha voz de negro. Elvis deixou este plano no dia 16 de agosto de 1977.
Quando criança, todo dia eu subia à Praça da Igreja Velha pra levar almoço pro meu irmão Roberto Dias que trabalhava no Foto JK. Subia distraído e ficava encantado com os brinquedos dependurados nas portas das muitas lojas que supriam o caminho que levava até à praça. Mas era uma loja em especial que me fazia chegar atrasado ao meu destino: a Loja do Nicolau Samahá. O dia inteiro o ele ficava tocando na vitrola as músicas inesquecíveis do Elvis Presley que me deixavam encantado. Fora isso, as paredes de sua loja eram forradas com pôsteres gigantes do Rei do Rock por todos os cantos. Ele também se fazia parecer muito com o ídolo: Alto, cabelos com topete e costeletas enormes. Camisas chamativas e de golas altas. Parecia o próprio Rei do…