Pular para o conteúdo principal

Essa tal “independência”.


Nos meus áureos tempos na Escola Solon Pereira o “sete de setembro” caía sempre no dia 7 de setembro. A gente ficava algumas semanas ensaiando na quadra da nossa escola pra fazer bonito na Avenida Monumental onde o desfile do Dia da Independência acontecia.
Nossa escola era modesta. Havia poucos e velhos instrumentos que na semana da pátria o saudoso Seu Machado ia dando um lustre com “Kaol” pra ficar mais bonito. Deles, a turma se desdobrava, e tirava um som que compunha o ritmo cadenciado da nossa marcha. Num contexto e mais ainda pela emoção patriota do instante, tudo até que ficava harmonioso. Mas era bem diferente de outras escolas que tinham fanfarras uniformizadas e brilhantes, tocando instrumentos luzentes por si só e que faziam o coração disparar a cada batida compassada.
A mais marcante foi sem duvida alguma a Banda Marcial do Colégio La Salle. Não tinha quem não se arrepiasse quando ela passava impoluta pelas ruas da cidade com seu uniforme vermelho, azul e branco. Todo garoto da minha época quis fazer parte daquele sonho que foi a Banda Marcial do La Salle.
A nossa escola, esteticamente, tinha uniformes distintos e bem simples. E era assim que a gente ia pra Monumental. Uns usavam camiseta branca com a sigla PSP e calça Jeans. Outros, pela situação financeira de seus pais, iam de guarda-pó mesmo. Mas até essa irrelevante diferença era corrigida com a disciplina dos posicionamentos.
Era nos detalhes que se via a nossa diferença. Alguma coisa que faltava, com muita vontade, a gente buscava na perfeição dos passos, alinhamentos e distância. A nossa vaidade era apenas estar participando daquele dia importante.
Nessa época havia na minha escola um diretor muito disciplinador. O Senhor Roberto mais parecia um general tamanha a altivez e autoridade que ele passava para os alunos. Lembrando bem hoje, ele me botava mais medo e respeito do que meu próprio pai. Eram outros tempos.
Num desses feriados de 7 de setembro o dia amanheceu chuvoso. Mesmo com o tempo ruim tive que acordar cedo, colocar meu uniforme e ir para a escola onde ás oito horas da manhã sairíamos em marcha para a Avenida Monumental.
Ansiosos pelo fim da chuva ficamos aguardando no pátio pela hora do desfile. Foi exatamente nesse momento em que o “Seu” Roberto saiu da sua sala cercado de alguns secretários e professores e subiu num patamar mais alto do lugar para dizer o que ninguém esperava. O barulho que era intenso calou-se. Era sempre assim com ele.
O silêncio foi ensurdecedor. Sua presença bastava para isso acontecer.
Logo após um bom dia ele nos falou com voz pausada e firme:
-Por causa da chuva dessa manhã infelizmente o desfile da nossa escola está sendo cancelado. Vocês estão dispensados. Só peço a gentileza que o representante de cada classe recolha as cadernetas de presença de cada colega e entregue-as na secretaria. Bom dia a todos. Bom feriado de independência.
Aquilo caiu sobre nós como uma bomba. Não poderia ser verdade.
O silêncio durou alguns segundos quando não sei quem no meio dos alunos gritou:
-E os dias de ensaio, como ficam?
Os ensaios durante a semana contavam pontos positivos e ás vezes eram realizados depois do horário das aulas, por isso talvez a certa revolta do colega. Mas não era só isso. Aquelas semanas de ensaio foram de extrema superação e entrega. Queríamos levar o nome da escola pra avenida e mostrar a nossa gana apesar da simplicidade. A última coisa que queríamos era não desfilar por conta de uma simples garoa.
Alguns alunos já tinham saído dali. Mas um grupo não se conformou com a ordem dada pelo diretor. Foi então que num consenso começamos a gritar já do lado de fora da escola:
-Queremos desfilar! Queremos desfilar!
Os que já estavam distantes vieram correndo e o coro ficou ainda mais intenso. Nessa hora a chuva já tinha cessado e todos os alunos estavam parados em frente à escola gritando sem parar. Em poucos minutos, o semblante sério e impetuoso do diretor começou a tomar uma outra forma. Alguns secretários ao seu redor lhe falavam alguma coisa ao pé do ouvido. Foi então que ele desceu a escadaria da secretaria e veio em nossa direção. Diante de nosso silêncio que se formou de repente com sua presença ele disse em voz alta:
-Todos em forma!
Lembro com toda exatidão de cada rosto. Foi um momento histórico. Em poucos minutos a nossa humilde fanfarra ditava o ritmo da nossa marcha. Entre os eucaliptos fincados no Morro do Cruzeiro vi o sol esboçar raios de luzes. O dia aos poucos foi ficando magnífico.
Fomos pra avenida e fizemos o nosso melhor. Mesmo ofuscados pelo brilho de fanfarras consagradas como as do Pires do Rio, Chagas Pereira e Escola MAE, fomos ovacionados.
Depois do feriado, voltando ás aulas, ainda foi possível conferir uma nota do nosso diretor no mural nos parabenizando pelo feito memorável daquele dia 7 de setembro.
Hoje essa data foi ficando descaracterizada devido a obstruções mercantilistas na Avenida Monumental. O sentido patriota de antes foi perdendo seu verdadeiro valor devido a ausência de motivos que nos levem a comemorar realmente a tal independência desse gigante adormecido chamado Brasil...

Comentários

Concordo com você. Também tocava em uma fanfarra aqui em Caçapava, e a preocupação que nos rondava era: e se chovesse no dia????, seria frustrante e foi por algumas vezes.Também admirava a Fanfarra La Salles de Aparecida, tanto que minha paixão for Bandas E Fanfarras me faz até hoje,nos dias de folga acompanhar campeonatos aqui no estado de São Paulo.Abraços

Postagens mais visitadas deste blog

O chifre

Por conta de minha filha Larissa estar tendo febre há uns três dias, uma tia de minha esposa, em conversa por telefone, foi sucinta em seu comentário: “Essa menina está assustada ou aguada por alguma coisa”... De fato, em duas idas ao pronto socorro, os pediatras não conseguiram detectar nenhum problema mais grave. Não era garganta, ouvido ou algum dentinho nascendo, o que estava causando estranheza pela febre decorrente. Além de dar o “diagnóstico”, a tia foi logo dizendo o “antídoto” para a cura: chá de hortelã com raspas de chifre de carneiro. Vivi entre as crendices populares típicas de cidades do interior. Convivi com todos os meus avós e minha mãe, nos arautos dos seus 78 anos, ainda prega essa cultura popular de usar plantas e métodos pouco convencionais para curar algum mal. Assim sendo, mesmo cético para algumas coisas na vida, lá fui eu tentar encontrar o tal chifre... Não me aventurei em outro lugar sem antes passar pelo mercadão de Guaratinguetá. A minha intuição estava a…

A Padroeira do Brasil, Nossa Senhora Aparecida

Segundo o relato daquelas humildes pessoas, foram tantos peixes logo conseguido, depois de “aparecida” a imagem, que a canoa ficou cheia. Até ameaçava afundar. Alegraram-se muito com o ocorrido e foram levar o pescado à Câmara Municipal de Santo Antonio de Guaratinguetá, mas primeiro passaram pela casa de Felipe Pedroso e deixaram a preciosa encomenda confiada aos cuidados de Silvana da Rocha, mãe de João, esposa de Domingos e irmã de Felipe. Puseram-na dentro de um baú, enrolada em panos, separada uma parte da outra.
A casa de Silvana foi o primeiro oratório que teve aquela imagem e ficou com ela cerca de nove anos, até 1726, data provável de seu falecimento. Assim tornou-se herdeiro da imagem seu irmão, Felipe Pedroso, o único sobrevivente da milagrosa pescaria.
Sua casa foi o segundo oratório, por seis anos, perto da Ponte do Ribeirão do Sá (proximidade da atual Estação Ferroviária) e também o terceiro, por mais sete anos, na Ponte Alta, para onde se mudara. Em 1739, Felipe Pedroso …

“Heart and Soul”, homenagem ao Nicolau Samahá.

Mesmo mais de trinta anos após sua morte, sempre ouvimos falar de que “Elvis não morreu”. Contudo, Elvis é ainda “o morto que mais vende discos em todo mundo” até hoje. O branco que tinha voz de negro. Elvis deixou este plano no dia 16 de agosto de 1977.
Quando criança, todo dia eu subia à Praça da Igreja Velha pra levar almoço pro meu irmão Roberto Dias que trabalhava no Foto JK. Subia distraído e ficava encantado com os brinquedos dependurados nas portas das muitas lojas que supriam o caminho que levava até à praça. Mas era uma loja em especial que me fazia chegar atrasado ao meu destino: a Loja do Nicolau Samahá. O dia inteiro o ele ficava tocando na vitrola as músicas inesquecíveis do Elvis Presley que me deixavam encantado. Fora isso, as paredes de sua loja eram forradas com pôsteres gigantes do Rei do Rock por todos os cantos. Ele também se fazia parecer muito com o ídolo: Alto, cabelos com topete e costeletas enormes. Camisas chamativas e de golas altas. Parecia o próprio Rei do…