Pular para o conteúdo principal

O fim do filme.


Um dos programas que mais nos entusiasmava em finais de semana quando se tinha um dinheirinho sobrando era ir ao Cine Ópera. O cinema, único na cidade, era sinônimo de paquera. A gente ficava na Praça de São Benedito tentando “arrastar” uma romeirinha pra assistir um filme e dar uns belos amassos na garota sentados naquelas poltronas confortáveis. Muita romeirinha nem sabia o que era cinema por serem de cidades pequenas, principalmente de Minas Gerais. E isso era o nosso principal argumento no “xaveco” da noite. Raramente dava errado.
Assistir o filme lá do “puma” era o auge. Mas quase nunca dava pra pagar aquele conforto. O jeito era se contentar com os lugares de baixo mesmo.
O cheiro da pipoca fazia a sala flutuar. Não havia como escapar daquela delícia que aos poucos ia invadindo o lugar com um cheirinho irresistível. Só quem sentiu sabe e lembra. Depois, era de lei comprar um Hall’s cereja pra poder caprichar no beijo. Eu já gostava do Hall’s Extra forte. Ele fazia a garota ficar com olhos “ardidos” quando a gente falava de perto e, neste vacilo, era mais fácil roubar um beijo da menina que estava meio desconfiada e tímida diante daquela tela gigante.
O “lanterninha” na época era o amigo Dito do cinema. Autoridade que detestava bagunça durante o filme e que vez ou outra vinha atrapalhar nossos beijos naquela escuridão, apontando a luz bem na nossa cara. Quando o casalzinho parecia estar ultrapassando o sinal, lá vinha o Dito do cinema com a lanterna estragar a festinha.
Por isso, muitas vezes, a gente ficava planejando uma espécie de “vingança”que nunca dava certo. Vingança presa na inocência daquela distante puberdade.
Uma vez, um amigo meu teve a idéia de construir uma “bomba-relógio” pra detonar dentro do cinema bem na hora em que o filme estivesse na parte mais interessante. O artefato explosivo consistia em uma pequena bombinha que era vendida na Loja do seu Arnaldo, lá na Santa Rita, com uma “bita” de cigarro sem o filtro na ponta.
Feito isso, lá fomos no sábado assistir o filme que para nós ia chamar “A noite da vingança”.
Adentramos o cinema e fomos direto ao banheiro. Um ficou do lado de fora para dar a cobertura necessária na estratégia. Tudo pensado nos mínimos detalhes pra não dar errado e ninguém desconfiar da movimentação no banheiro. Com um maço de papel higiênico enxugamos o chão atrás do vaso sanitário, acendemos a ponta do cigarro, colocamos a bombinha atrás da privada e fomos nos acomodar numa poltrona bem longe dali. O lanterninha nem imaginava o que estava por vir naquela sessão.
E começa o filme. Cinema lotado. Mesmo aquela vontade de comprar pipocas não nos fazia arredar o pé do lugar. Tudo para presenciar o nosso “pequeno e inocente terrorismo” que se formava dentro do banheiro. O tempo foi passando, foi passando e nada da bombinha explodir. Começamos a achar que a água da privada havia vazado e molhado todo o mecanismo desen-volvido minuciosamente.
-“Quem vai lá conferir?”. Ninguém queria se arriscar.
Mas de repente, quando a gente se preparava pra ir conferir, o susto. A EXPLOSÃO!
Um barulho que se fez enorme devido as pequenas dimensões do banheiro fazendo o filme parar e serem acesas todas as luzes do cinema. O maior tumulto. As meninas aprontaram a maior gritaria enquanto os garotos ficaram com cara de bobo sem saber o que estava acontecendo.
De longe a gente viu a fumaça que saía do banheiro e caiu na risada. O Dito ainda deu um olhar desconfiado em todas as direções antes de correr pro banheiro e conferir a “desordem”. Mas, nada foi provado contra a gente. Um “crime” perfeito.
Depois, com toda calma do mundo, a gente saiu de lá com a leve impressão da missão de “vingança” cumprida e certo alívio por não ter assustado ninguém com mais gravidade nem causar danos maiores ao patrimônio dos “Marotas”.
No bar do seu Carlos Português, entre “Caçulinhas, Cocas e Ginis”, ficamos ainda por alguns intermináveis minutos comentando o feito “memorável” da noite. Tudo à surdina pra evitar complicações. Muito tempo depois, conversando com o Dito do Cinema, ele ainda relembrou outras explosões que aconteceram por lá e pareceram mais perigosas. Em tempos de internet, onde filmes consagrados podem ser salvos ou até mesmo a onda dos DVDs piratas que rondam toda e qualquer esquina da cidade, velo o Cine òpera virando passado. Com isso, parte do filme de nossas vidas, infelizmente, chegou ao fim. Bem diferente daquele outro filme que um dia, por causa da nossa “bombinha”, não chegou a terminar...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O chifre

Por conta de minha filha Larissa estar tendo febre há uns três dias, uma tia de minha esposa, em conversa por telefone, foi sucinta em seu comentário: “Essa menina está assustada ou aguada por alguma coisa”... De fato, em duas idas ao pronto socorro, os pediatras não conseguiram detectar nenhum problema mais grave. Não era garganta, ouvido ou algum dentinho nascendo, o que estava causando estranheza pela febre decorrente. Além de dar o “diagnóstico”, a tia foi logo dizendo o “antídoto” para a cura: chá de hortelã com raspas de chifre de carneiro. Vivi entre as crendices populares típicas de cidades do interior. Convivi com todos os meus avós e minha mãe, nos arautos dos seus 78 anos, ainda prega essa cultura popular de usar plantas e métodos pouco convencionais para curar algum mal. Assim sendo, mesmo cético para algumas coisas na vida, lá fui eu tentar encontrar o tal chifre... Não me aventurei em outro lugar sem antes passar pelo mercadão de Guaratinguetá. A minha intuição estava a…

A Padroeira do Brasil, Nossa Senhora Aparecida

Segundo o relato daquelas humildes pessoas, foram tantos peixes logo conseguido, depois de “aparecida” a imagem, que a canoa ficou cheia. Até ameaçava afundar. Alegraram-se muito com o ocorrido e foram levar o pescado à Câmara Municipal de Santo Antonio de Guaratinguetá, mas primeiro passaram pela casa de Felipe Pedroso e deixaram a preciosa encomenda confiada aos cuidados de Silvana da Rocha, mãe de João, esposa de Domingos e irmã de Felipe. Puseram-na dentro de um baú, enrolada em panos, separada uma parte da outra.
A casa de Silvana foi o primeiro oratório que teve aquela imagem e ficou com ela cerca de nove anos, até 1726, data provável de seu falecimento. Assim tornou-se herdeiro da imagem seu irmão, Felipe Pedroso, o único sobrevivente da milagrosa pescaria.
Sua casa foi o segundo oratório, por seis anos, perto da Ponte do Ribeirão do Sá (proximidade da atual Estação Ferroviária) e também o terceiro, por mais sete anos, na Ponte Alta, para onde se mudara. Em 1739, Felipe Pedroso …

“Heart and Soul”, homenagem ao Nicolau Samahá.

Mesmo mais de trinta anos após sua morte, sempre ouvimos falar de que “Elvis não morreu”. Contudo, Elvis é ainda “o morto que mais vende discos em todo mundo” até hoje. O branco que tinha voz de negro. Elvis deixou este plano no dia 16 de agosto de 1977.
Quando criança, todo dia eu subia à Praça da Igreja Velha pra levar almoço pro meu irmão Roberto Dias que trabalhava no Foto JK. Subia distraído e ficava encantado com os brinquedos dependurados nas portas das muitas lojas que supriam o caminho que levava até à praça. Mas era uma loja em especial que me fazia chegar atrasado ao meu destino: a Loja do Nicolau Samahá. O dia inteiro o ele ficava tocando na vitrola as músicas inesquecíveis do Elvis Presley que me deixavam encantado. Fora isso, as paredes de sua loja eram forradas com pôsteres gigantes do Rei do Rock por todos os cantos. Ele também se fazia parecer muito com o ídolo: Alto, cabelos com topete e costeletas enormes. Camisas chamativas e de golas altas. Parecia o próprio Rei do…