Homens extintos


Houve um tempo em que na cidade de Aparecida existiam pessoas com mais ideais a defender. Nesse tempo, a chamada esquerda ainda não estava no poder querendo endireitar o país.
E dentro de um sonho democrático, essas pessoas investiam em suas propostas e marchavam rumo aos grandes centros do país tentando mudar o sistema.
Nessa revolta se uniam aqui, como no restante do Brasil, as cabeças mais pensantes que contribuíam com suas ideologias na tentativa de uma reforma geral, tanto política quanto econômica. Essas grandes manifestações de outrora acabaram influenciando no lado cultural e até mesmo antropológico da sociedade para a consolidação da democracia no país.
Essas pessoas, com o passar do tempo, foram perdendo suas verdadeiras essências políticas e suas razões ideológicas, fazendo o pensamento socialista dar espaço a uma série de vaidades pessoais, deixando em evidência a verdadeira personalidade de alguns.
Toda luta dava então inicio ao revés de uma garantida estrutura partidária onde muitos deixaram de se lembrar da humildade que os induziram e conduziram á aqueles velhos ideais de antes. Cargos públicos, altos salários, carros zero. E eles então se perderam dentro de suas próprias cabeças, apagando suas identidades.
Outros sumiram perante essa inconstância da política municipal sem se lembrarem de que toda idéia revolucionária socialista um dia acaba sendo derrotada pelo próprio desuso da participação.
Hoje o país tem em seus partidos políticos uma forma descomunal de demagogia, onde servem apenas de trampolim para tomar o poder e para enriquecimento ilícito. Há quem diga que se partido político fosse bom não chamaria partido chamaria “inteiro”.
Partidos que trocam de siglas a todo ano. Políticos que trocam de partido como se trocassem de cueca. Tudo planejado nos subterrâneos de seus gabinetes pra confundir o povo, iludido por um sistema político falido e sem perspectivas que possam ao menos sanar problemas básicos dentro da sociedade como um todo, sem gerar beneficio apenas à elite.
Na nossa cidade quase nada foi diferente nesse sentido.
Os ideais perderam-se com o tempo onde grupos traíram-se diante de suas próprias vaidades tornando-se comuns.
Assim, por conseqüência, seus partidos acabaram entrando num rumo sem tanto futuro.
O exemplo do partido do Presidente da República é simples e fatídico:
Traduz para nós o mau exemplo nacional dentro de uma incapacidade do antigo diretório de Aparecida, que por vaidades, ficou de fora do legislativo nas últimas eleições municipais mesmo tendo candidatos bem mais votados do que alguns que foram eleitos. Pessoas de gabarito e aptas a representar com mais disciplina e responsabilidade o partido e a vontade do povo que é soberana nas cadeiras de uma câmara que pareceu “seqüestrada” financeiramente de seu verdadeiro papel.
Ninguém enxergou as falhas desse amadorismo por que não quis, ou, não interessava, vendendo-se de última hora por míseros cabos eleitorais e camisetas de propaganda. Mais tarde, por outros cargos públicos. Tudo isso é lamentável.
O pensamento é inútil e a busca de alguns é extremamente pobre.
Creio que os ideais permaneceriam por mais tempo nas cabeças se a estrutura do pensar fosse capaz de dar sempre prioridade ao humilde, mas constante inconformismo social do homem moderno que tende sempre carregar dentro de si mesmo antigas revoltas e vontades de mudança, aliadas a uma noção básica de cooperação que é o ingrediente fundamental na concepção de uma grande realização coletiva.
Mas, já não se fazem mais homens como antigamente. Infelizmente.
Os ideais são todos vendidos de uma maneira idiota a cada quatro anos.
E foi assim que eles então esqueceram de seus ideais e perderam aquela velha coragem de lutar, extinguindo-se por si.

Informativo do Bairro Jd Alvorada de Potim, março de 2009

Comentários