Pular para o conteúdo principal

Os lapsos e a capacidade de lembrar.

Nunca é fácil falar de épocas onde a gente não viveu.
Para este aprendiz, é importante estar sempre com os ouvidos bem atentos e com a curiosidade sempre pronta para não perder detalhes nessa ação literária de resgatar fatos e nomes que fazem parte de um passado.
Na crônica em homenagem aos garçons, foram esquecidos alguns nomes que marcaram a época da transição do lendário Bar do Nenê aos tempos do badalado Choppão, na Praça de São Benedito. Mas esse meu lapso acabou tendo a função de mexer com a memória de muita gente.
Em dois anos de Tranca e Gamela aquele texto foi talvez o mais indagado que já tive. Tanto por lembrar destes personagens que pareciam fadados ao esquecimento, mas também pela ausência de outros nomes que marcaram aquele tempo.
Foi assim que pude saber do folclórico Dito Futi, do Bar do Peixe, que ficava assoviando as canções no salão e fazia do seu pano de limpar as mesas uma espécie de bandolim.
No Choppão, o Gaúcho foi uma espécie de guardião da sede dos freqüentadores do lugar.
Teve ainda o Evaristo que fazia dupla com o Cabide no Bar do Nenê. O Corinthiano Régis, falecido em 1993, que trabalhou por muito tempo no Bar Ouro Fino. O Ari, do Hotel Wenceslau, um dos mais dedicados garçons em atividade. O Ricardo, trabalhando a muitos anos no Forró Mangueirão. O Joaquim que trabalhou algum tempo no Prata Fina e que, infelizmente, desencarnou quando foi atropelado na estrada velha de Roseira. O Freitas, que sempre chamava a atenção quando passava pela rua carregando sempre uma gaiola nas mãos á caminho do serviço, creio que, no antigo Bar Aparecida. O Plínio, que trabalhou no Recreio e o falecido Gagú da 1º de Maio. O grande e velho Ercílio.
Sem falar nos inúmeros donos de bar que agiam e agem com maestria em servir uma cerveja bem gelada transcendendo nosso maior momento:
O meu amigo Ditão, João Siri, Márcio da Pe. Gebardo (in memoriam), Careca, Celsão (in memoriam), meu primo Luisão, Chico do Zé Maria, o próprio e saudoso Zé Maria, o Ananias na Santa Rita com seu famoso churrasquinho no pão e o Silvaston do antigo Ce ki Sab. O saudoso seu Flávio, seu Luizinho, pai do prefeito Zé louquinho e a nossa querida Zizi Macedo. A Tia Binda, meu primo Valdir, Bom-Bom, Celsinho na 1º de Maio, o Nêno da Cervejaria, todos do Phumbika e do Augusto Pizzaria. Jurandir do Charlô, Jane, Ruth, Fernando e Maria do Fliperama, seu João Daló, Tatu, meu amigo Jaime, agora lá em Cunha e muitos outros caídos no esquecimento, mas sem nenhum intuito providencial.
Que Deus possa nos salvar dos lapsos escuros da memória e que as épocas e as pessoas esquecidas no tempo possam se exaltar divinamente também na capacidade de lembrança dos nossos leitores. É assim que iremos sempre resgatar parte da memória aparecidense.

Postagens mais visitadas deste blog

O chifre

Por conta de minha filha Larissa estar tendo febre há uns três dias, uma tia de minha esposa, em conversa por telefone, foi sucinta em seu comentário: “Essa menina está assustada ou aguada por alguma coisa”... De fato, em duas idas ao pronto socorro, os pediatras não conseguiram detectar nenhum problema mais grave. Não era garganta, ouvido ou algum dentinho nascendo, o que estava causando estranheza pela febre decorrente. Além de dar o “diagnóstico”, a tia foi logo dizendo o “antídoto” para a cura: chá de hortelã com raspas de chifre de carneiro. Vivi entre as crendices populares típicas de cidades do interior. Convivi com todos os meus avós e minha mãe, nos arautos dos seus 78 anos, ainda prega essa cultura popular de usar plantas e métodos pouco convencionais para curar algum mal. Assim sendo, mesmo cético para algumas coisas na vida, lá fui eu tentar encontrar o tal chifre... Não me aventurei em outro lugar sem antes passar pelo mercadão de Guaratinguetá. A minha intuição estava a…

A Padroeira do Brasil, Nossa Senhora Aparecida

Segundo o relato daquelas humildes pessoas, foram tantos peixes logo conseguido, depois de “aparecida” a imagem, que a canoa ficou cheia. Até ameaçava afundar. Alegraram-se muito com o ocorrido e foram levar o pescado à Câmara Municipal de Santo Antonio de Guaratinguetá, mas primeiro passaram pela casa de Felipe Pedroso e deixaram a preciosa encomenda confiada aos cuidados de Silvana da Rocha, mãe de João, esposa de Domingos e irmã de Felipe. Puseram-na dentro de um baú, enrolada em panos, separada uma parte da outra.
A casa de Silvana foi o primeiro oratório que teve aquela imagem e ficou com ela cerca de nove anos, até 1726, data provável de seu falecimento. Assim tornou-se herdeiro da imagem seu irmão, Felipe Pedroso, o único sobrevivente da milagrosa pescaria.
Sua casa foi o segundo oratório, por seis anos, perto da Ponte do Ribeirão do Sá (proximidade da atual Estação Ferroviária) e também o terceiro, por mais sete anos, na Ponte Alta, para onde se mudara. Em 1739, Felipe Pedroso …

“Heart and Soul”, homenagem ao Nicolau Samahá.

Mesmo mais de trinta anos após sua morte, sempre ouvimos falar de que “Elvis não morreu”. Contudo, Elvis é ainda “o morto que mais vende discos em todo mundo” até hoje. O branco que tinha voz de negro. Elvis deixou este plano no dia 16 de agosto de 1977.
Quando criança, todo dia eu subia à Praça da Igreja Velha pra levar almoço pro meu irmão Roberto Dias que trabalhava no Foto JK. Subia distraído e ficava encantado com os brinquedos dependurados nas portas das muitas lojas que supriam o caminho que levava até à praça. Mas era uma loja em especial que me fazia chegar atrasado ao meu destino: a Loja do Nicolau Samahá. O dia inteiro o ele ficava tocando na vitrola as músicas inesquecíveis do Elvis Presley que me deixavam encantado. Fora isso, as paredes de sua loja eram forradas com pôsteres gigantes do Rei do Rock por todos os cantos. Ele também se fazia parecer muito com o ídolo: Alto, cabelos com topete e costeletas enormes. Camisas chamativas e de golas altas. Parecia o próprio Rei do…