Pular para o conteúdo principal

Histórias de um sagrado manto


A camisa do Corinthians virou uma vitrine mundial para se colocar uma propaganda. Mesmo assim, a razão de vestir este manto, vai muito além que uma mera jogada de marketing.
A partir da década de 1980, a publicidade estava liberada nas camisas de futebol, mas o Corinthians não conseguia encontrar patrocinadores. Era o período da Democracia Corintiana, e a camisa estampou nas costas a frase "Dia 15, vote!", embalado pelas eleições diretas para governador em 1982. A frase causou um “frisson” na sociedade, já que o Corínthians é um time historicamente de esquerda devido a sua fundação por parte de operários.
Naquele mesmo ano, a empresa de material esportivo Topper exibia o seu logo no lado direito da camisa e, na final do Campeonato Paulista, contra o São Paulo, exibiu nas costas - como exigia a legislação da época - o patrocínio da Bombril. Assim, o Corinthians foi o primeiro clube brasileiro a estampar um patrocínio em seu uniforme de jogo.

Em 1983, a Cofap foi a primeira marca a ocupar também a frente da camisa, a partir do Campeonato Paulista.

Em 1984, para renovar o contrato do ídolo Sócrates, o clube contou com ajuda de uma empresa Corona, que assim conseguiu mantê-lo, mas, em troca, pintou um chuveiro na parte frontal da camisa.
A partir de 1985, passou a ser patrocinado pela Kalunga, em acordo que perdurou até 1994.

O detalhe da época da Democracia Corinthiana é que as camisas estampavam em 1982 a frase “A caminho do Bi”, o que acabou ocorrendo em 1983. Mas as que estamparam “A caminho do Tri” não deu certo, pois o Timão acabou sendo derrotado em 1984 pelo Santos. Dizem aque essas camisas não foram usadas em jogos oficiais.

Campeão paulista em 1988, centenário da abolição, o Corínthians ostentou no ano de 89um “escudeto” que trazia o desenho da taça conquistada em 88 e a inscrição “Campeão Paulista”. Este escudeto foi também usado em 1999 quando foi campeão paulista, junto do escudo da CBF, como o campeão brasileiro de 1998. O escudeto caiu em desuso com o tempo e a camisa virou coisa rara entre colecionadores.
A “Corinthians Third” foi Sem dúvida uma das “terceiras” camisa mais raras do Corinthians. Reza a lenda que essa camisa foi usada uma única vez, na Copa Mercosul de 1999, na derrota para o Independiente da Argentina, por 2x1 em São Paulo. Tinha detalhes em cinza nas mangas e ficou marcada como uma camisa azarada.

Para a disputa do Campeonato Mundial de Clubes realizado pela FIFA em 2000 as camisas, exclusivamente feitas pela Topper, também marcou pela primeira vez na história o fato do escudo passar para o meio da camisa.

Em 2005 o Corinthians acabou sendo Tetracampeão do Brasil usando uma camisa sem patrocínio.

Para a disputa da Libertadores da América em 2006, o Corínthians lança uma bela camisa, onde as listras brancas são substituídas pela cor dourada. Outra vez, não deu sorte no torneio continental.

Em 2008, a criação da polêmica camisa roxa trouxe protestos por parte da torcida que alegava que o time alvinegro se transformara num time “tricolor”. O que se seguiu foi a criação de uma série de camisas com estilos modernos, mas que não agradou muito a torcida.

Em 2009, na estréia de Ronaldo com a camisa corintiana, contra o Palmeiras, teve também a estréia do “Patch” na manga em homenagem ao “Derby” paulista. A camisa também trazia o logotipo do “Jogando pelo meio ambiente” que consiste em plantar 100 arvores a cada jogo e a cada gol marcado pelo Corinthians.

Também em 2008, no jogo final contra o Avaí onde o Corinthians foi campeão da Série B retornando ao grupo de elite do futebol brasileiro, a equipe entrou em campo com uma camisa do projeto “Timão é a sua cara”, que consistia na comercialização de espaços na camisa oficial do jogo onde o torcedor poderia inserir sua foto, recebendo uma réplica da mesma e entrando para história do clube.

Em 2009, numa partida contra o São Paulo no Morumbi, o Timão ofereceu gratuitamente o espaço destinado na camisa aos patrocinadores para a AACD, entidade filantrópica sem fins lucrativos, que trabalha ajudando pessoas portadoras de deficiência física. Ao final da partida, as camisas utilizadas foram todas autografadas e leiloadas, com a renda obtida sendo revertida à AACD.

Em março de 2011 teve início a série de homenagens do time mais popular do Brasil quando num jogo contra o Americana no Pacaembu a equipe entrou em campo com as camisas tendo os nomes dos jogadores escritos em japonês e com a bandeira do Japão no peito, além da inscrição “Força Japão”, lembrando as vítimas do terremoto e do tsunami.

Aliás, essa não foi a primeira vez que a camisa do timão estampou dizeres em japonês. Em 1994 o Corinthians usou a camisa em dois amistosos feitos no Japão. Alguns dizem que a inscrição em japonês na camisa dizia “Corinthians”, outros “Kalunga”.

Em abril, num jogo contra o São Caetano, a lembrança foi em relação às vítimas da tragédia de Realengo, na qual 12 crianças foram assassinadas por um atirador que invadiu a Escola Municipal Tasso da Silveira, em Realengo no Rio de Janeiro. Cada jogador do time titular utilizou o nome de uma das vítimas estampados na camisa.

Entre as muitas homenagens que o Ronaldo Fenômeno recebeu quando pendurou as chuteiras, a no jogo contra o Santos pelo primeiro turno do paulistão foi a mais criativa: Todos os jogadores do Corinthians vestiram uma camisa que tivesse o número 9. O time do Parque São Jorge abandonou a numeração tradicional, de “1 a 11”, e colocou o “9” de Ronaldo em todas as camisas, incluindo os dizeres “#PRA SEMPRE FENOMENO”.

Devido a concentração total para o jogo da final do paulistão contra o Santos em maio de 2011, os jogadores do Corinthians não puderam passar o Dia das Mães ao lado da família. Mesmo assim o elenco não se esqueceu da data e trouxe na camisa uma homenagem às respectivas mães. Cada jogador teve o nome da sua mãe estampado na parte de trás do uniforme, abaixo do número, substituindo os seus nomes.

Na partida contra o Coritiba pelo Brasileirão deste ano o Corinthians estreou o terceiro uniforme da temporada 2011, na cor grená, homenageando o time do Torino dizimado por um acidente aéreo em 1949. Uma deferência feita pelo clube paulista à equipe italiana também há 62 anos. Em 8 de maio de 49, o Corinthians deixou o preto e branco de lado e enfrentou a Portuguesa, pelo Campeonato Paulista, com um uniforme grená. A camisa grená, que também causou protestos por parte da torcida, trás às costas, na altura da gola, a inscrição “1949” e a estampa estilizada de São Jorge na altura do peito.

Em setembro, na partida contra o Grêmio no Pacaembu, o Timão entrou no gramado com a frase: “força Ricardo”, estampada na camisa, homenageando o técnico do Vasco que havia sofrido um acidente vascular cerebral e se submetido a uma cirurgia.

Na partida contra o Flamengo, também em setembro, a barra da camisa alvinegra teve a inscrição “Doutor Sócrates” em solidariedade ao ex-jogador, que voltava a ser internado depois de sofrer uma nova hemorragia digestiva. Sócrates acabou falecendo em 04 de dezembro deste ano, mesmo dia em que o Corinthians se sagrou pentacampeão brasileiro.

Em 12 outubro, na partida entre Corinthians e Botafogo havia na camisa a inscrição “é dia de ler”, em alusão ao dia da criança.

Em 2011 é também informado que o Corinthians teria marca de camisinha como patrocínio no uniforme. A marca Jontex, estampada na camisa corintiana, segundo o marketing, seria uma forma de divulgar a linha de produtos do Grupo Hypermarcas e estimular a prática do sexo seguro.

Contra o Atlético Paranaense pelo segundo turno do brasileirão no Pacaembu o timão trouxe a mensagem FORÇA LULA na camisa, em homenagem ao ex-presidente diagnosticado com tumor maligno na garganta.

Já contra o Atlético Mineiro a camisa trouxe estampada a frase “Maria da Penha”, em alusão a lei de violência contra a mulher.

Por ser considerado um símbolo de fator coletivo gigantesco, esse manto sagrado une a criatividade à simbologia de um tempo, resgatando a memória e homenageando quem sempre mereceu.
Desde o distante ano de 1980 até hoje, muita coisa mudou. O time que não conseguia patrocínio em suas camisas naquela época é hoje referência no setor de marketing esportivo onde fatura milhões todos os anos.

Postagens mais visitadas deste blog

O chifre

Por conta de minha filha Larissa estar tendo febre há uns três dias, uma tia de minha esposa, em conversa por telefone, foi sucinta em seu comentário: “Essa menina está assustada ou aguada por alguma coisa”... De fato, em duas idas ao pronto socorro, os pediatras não conseguiram detectar nenhum problema mais grave. Não era garganta, ouvido ou algum dentinho nascendo, o que estava causando estranheza pela febre decorrente. Além de dar o “diagnóstico”, a tia foi logo dizendo o “antídoto” para a cura: chá de hortelã com raspas de chifre de carneiro. Vivi entre as crendices populares típicas de cidades do interior. Convivi com todos os meus avós e minha mãe, nos arautos dos seus 78 anos, ainda prega essa cultura popular de usar plantas e métodos pouco convencionais para curar algum mal. Assim sendo, mesmo cético para algumas coisas na vida, lá fui eu tentar encontrar o tal chifre... Não me aventurei em outro lugar sem antes passar pelo mercadão de Guaratinguetá. A minha intuição estava a…

A Padroeira do Brasil, Nossa Senhora Aparecida

Segundo o relato daquelas humildes pessoas, foram tantos peixes logo conseguido, depois de “aparecida” a imagem, que a canoa ficou cheia. Até ameaçava afundar. Alegraram-se muito com o ocorrido e foram levar o pescado à Câmara Municipal de Santo Antonio de Guaratinguetá, mas primeiro passaram pela casa de Felipe Pedroso e deixaram a preciosa encomenda confiada aos cuidados de Silvana da Rocha, mãe de João, esposa de Domingos e irmã de Felipe. Puseram-na dentro de um baú, enrolada em panos, separada uma parte da outra.
A casa de Silvana foi o primeiro oratório que teve aquela imagem e ficou com ela cerca de nove anos, até 1726, data provável de seu falecimento. Assim tornou-se herdeiro da imagem seu irmão, Felipe Pedroso, o único sobrevivente da milagrosa pescaria.
Sua casa foi o segundo oratório, por seis anos, perto da Ponte do Ribeirão do Sá (proximidade da atual Estação Ferroviária) e também o terceiro, por mais sete anos, na Ponte Alta, para onde se mudara. Em 1739, Felipe Pedroso …

“Heart and Soul”, homenagem ao Nicolau Samahá.

Mesmo mais de trinta anos após sua morte, sempre ouvimos falar de que “Elvis não morreu”. Contudo, Elvis é ainda “o morto que mais vende discos em todo mundo” até hoje. O branco que tinha voz de negro. Elvis deixou este plano no dia 16 de agosto de 1977.
Quando criança, todo dia eu subia à Praça da Igreja Velha pra levar almoço pro meu irmão Roberto Dias que trabalhava no Foto JK. Subia distraído e ficava encantado com os brinquedos dependurados nas portas das muitas lojas que supriam o caminho que levava até à praça. Mas era uma loja em especial que me fazia chegar atrasado ao meu destino: a Loja do Nicolau Samahá. O dia inteiro o ele ficava tocando na vitrola as músicas inesquecíveis do Elvis Presley que me deixavam encantado. Fora isso, as paredes de sua loja eram forradas com pôsteres gigantes do Rei do Rock por todos os cantos. Ele também se fazia parecer muito com o ídolo: Alto, cabelos com topete e costeletas enormes. Camisas chamativas e de golas altas. Parecia o próprio Rei do…