Pular para o conteúdo principal

De volta à Paraty.


Cresci ouvindo meu pai dizer das viagens feitas para Paraty nas épocas de Festa do Divino. Ele e alguns retratistas de Aparecida todo ano desciam a serra pra poder faturar alguns Cruzeiros tirando rtratos das muitas pessoas que se dirigiam até lá. As viagens eram sempre muito cansativas. A estrada Cunha-Paraty era naquela época péssima. Não havia se quer um metro que não fosse estrada de chão. Quando chovia era muito pior. A estrada ficava quase intransitável. Mas os retratistas sempre superaram essa dificuldade e todo ano embarbcavam num pequeno caminhão alugado. Iam todos espremidos entre as antigas máquina tripé “lambe-lambe”.
Foi numa dessas viagenas à Paraty que certa vez o caminhão que carregava a turma de fotógrafos virou na descida da serra. Um acidente onde meu pai fraturou aperna. Daquela vez, só seguiram viagem os que nada sofrerram. Os outros foram resgatados e voltaram para Aparecida, inclusive meu pai, com sua perna quebrada, que doeu pra sempre. Ele nunca mais voltou à Paraty.
Em maio de 99 eu e meu primo Luizão resolvemos descer a serra. Eu nunca tinha ido à Paraty. Chegamos na manhã de uma segunda-feira e nos hospedamos na “Pousada da Canoa”. Com posse de uma máquina fotográfica que ainda usava filmes, fui então percorrer aquelas ruas históricas. O casario antigo de Paraty transmitia algo místico. Eu estava vislumbrado com aquela arquitetura rica. As igrejas exalavam um cheiro específico. Um azul inexplicável no céu emoldurava e dava um contraste nos telhados escuros pelo limo do tempo. As pedras tortuosas dificultavam o caminhar que solenemente ia de encontro com o passado. Ruas por onde o ouro de outrora iluminou a corte com seu brilho. À noite, perambulando pelos bares, nos embrenhamos no famoso “Café paraty” onde o saudoso amigo “Foguinho” tocava magistralmente um piano de calda. Na prateleira, muitas garrafas de variadas marcas da famosa pinga de Paraty: Melado Rival, Branca do Fundão, Colonial Azulada, Pinga Azulada, fabricada de forma artesanal desde de 1803, Pinga Coqueiro, Pinga Corisco que tem vários sabores, atradicional Pinga de Paraty, a Fim de Século, a Caninha Labareda, a Maré Alta, com seus rótulos cheios de gravuras e fotos dos sasarões antigos, A Paratyense, Pé de Briga, Praiana, Serrana e a conhecida Vamos Nessa. Uma me chamou a atenção, pois trazia em seu rótulo um pequeno texto que dizia “Na agoa ardente tem progresso e sobre tudo na feitura que lhe assegura de aumento sete mil Réis em pipa sobre as demais. Os chimicos talvez descubram, examinando o causal da melhoria, se do terreno, das agoas ou das lenhas provém”...
De volta à Aparecida disse ao meu pai que Paraty era por si só um verdaeiro encanto. Ele estava muito curioso em ver as fotos que eu havia tirado por lá. Dois dias depois, meu pai sofreu um infarto e faleceu. Não houve tempo de rever Paraty pelas fotografias que tirei. Nunca mais voltei à Paraty.
Hije, por essas páginas do “Correio Paratyense”, de certa forma, vou perambulando por entre o casario inesquecível de Paraty. E meu pai, preso na eternidade de sua luminescência, empresta um pouco do brilho de seus olhos azuis àquele azul inexplicável que com certeza continua emoldurando em contrastes os telhados escuros daqueles velhos casarões...

Jornal Correio Paratyense, outubro de 2008

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O chifre

Por conta de minha filha Larissa estar tendo febre há uns três dias, uma tia de minha esposa, em conversa por telefone, foi sucinta em seu comentário: “Essa menina está assustada ou aguada por alguma coisa”... De fato, em duas idas ao pronto socorro, os pediatras não conseguiram detectar nenhum problema mais grave. Não era garganta, ouvido ou algum dentinho nascendo, o que estava causando estranheza pela febre decorrente. Além de dar o “diagnóstico”, a tia foi logo dizendo o “antídoto” para a cura: chá de hortelã com raspas de chifre de carneiro. Vivi entre as crendices populares típicas de cidades do interior. Convivi com todos os meus avós e minha mãe, nos arautos dos seus 78 anos, ainda prega essa cultura popular de usar plantas e métodos pouco convencionais para curar algum mal. Assim sendo, mesmo cético para algumas coisas na vida, lá fui eu tentar encontrar o tal chifre... Não me aventurei em outro lugar sem antes passar pelo mercadão de Guaratinguetá. A minha intuição estava a…

A Padroeira do Brasil, Nossa Senhora Aparecida

Segundo o relato daquelas humildes pessoas, foram tantos peixes logo conseguido, depois de “aparecida” a imagem, que a canoa ficou cheia. Até ameaçava afundar. Alegraram-se muito com o ocorrido e foram levar o pescado à Câmara Municipal de Santo Antonio de Guaratinguetá, mas primeiro passaram pela casa de Felipe Pedroso e deixaram a preciosa encomenda confiada aos cuidados de Silvana da Rocha, mãe de João, esposa de Domingos e irmã de Felipe. Puseram-na dentro de um baú, enrolada em panos, separada uma parte da outra.
A casa de Silvana foi o primeiro oratório que teve aquela imagem e ficou com ela cerca de nove anos, até 1726, data provável de seu falecimento. Assim tornou-se herdeiro da imagem seu irmão, Felipe Pedroso, o único sobrevivente da milagrosa pescaria.
Sua casa foi o segundo oratório, por seis anos, perto da Ponte do Ribeirão do Sá (proximidade da atual Estação Ferroviária) e também o terceiro, por mais sete anos, na Ponte Alta, para onde se mudara. Em 1739, Felipe Pedroso …

“Heart and Soul”, homenagem ao Nicolau Samahá.

Mesmo mais de trinta anos após sua morte, sempre ouvimos falar de que “Elvis não morreu”. Contudo, Elvis é ainda “o morto que mais vende discos em todo mundo” até hoje. O branco que tinha voz de negro. Elvis deixou este plano no dia 16 de agosto de 1977.
Quando criança, todo dia eu subia à Praça da Igreja Velha pra levar almoço pro meu irmão Roberto Dias que trabalhava no Foto JK. Subia distraído e ficava encantado com os brinquedos dependurados nas portas das muitas lojas que supriam o caminho que levava até à praça. Mas era uma loja em especial que me fazia chegar atrasado ao meu destino: a Loja do Nicolau Samahá. O dia inteiro o ele ficava tocando na vitrola as músicas inesquecíveis do Elvis Presley que me deixavam encantado. Fora isso, as paredes de sua loja eram forradas com pôsteres gigantes do Rei do Rock por todos os cantos. Ele também se fazia parecer muito com o ídolo: Alto, cabelos com topete e costeletas enormes. Camisas chamativas e de golas altas. Parecia o próprio Rei do…