Os 60 anos da Rádio Aparecida





“Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo” e “Salve Maria”...
Com estas palavras o Bispo Auxiliar de São Paulo Dom Antonio Alves de Siqueira inaugurava a Rádio Aparecida, ás 9 horas da manhã do dia 8 de setembro de 1951, coroando um trabalho iniciado em 1937 seguindo até 1950 quando o Pe. Antonio Ferreira de Macedo obteve permissão do Cardeal Motta para pleitear a concessão de uma emissora de rádio para a Basílica Nacional.
Foram cumpridas todas as exigências legais e encaminhadas em oficio ao Presidente Eurico Gaspar Dutra com o pedido de instalação da Rádio aparecida Limitada. A autorização foi publicada no Diário oficial da União em 13 de dezembro de 1950.
A partir de 1952 iniciaram-se as incontáveis viagens à capital federal, Rio de Janeiro, para conseguir junto ao Ministério de Viação e Obras Públicas a obtenção de freqüência de Ondas Curtas, concessão que saiu em maio de 1953. Em 1954 a rádio passou a ser ouvida em todo território nacional.
Em 1955 a emissora passou a funcionar em um prédio novo ao lado da Basílica Velha. De Sociedade Anônima passou a ser Fundação Nossa Senhora Aparecida em 1964.
Em maio de 1968 foi inaugurada uma nova Onda de 60 metros, cujo intuito era cobrir o raio deixado neutro pela onda de 310 metros.
No dia 7 de setembro de 1955 foi fundado o Clube dos Sócios e em 1956 foi criado a figura do Representante pelo PE. Rubem Leme Galvão.
Em 5 de setembro de 1975 foi inaugurado o novo prédio da emissora, ao lado da Basílica Nova, onde funciona até os dias de hoje.
Em 1976 a emissora de Onda Média muda a freqüência, passando a transmitir em 820 KHz com uma potencia de 5 Kw e programação independente das Ondas Curtas e Tropical.
A Rádio Aparecida FM 90, 9 megahertz foi inaugurada no dia 18 de setembro de 1977 tendo sido inclusive a primeira emissora da região a trabalhar com CDs, a partir do Natal de 1983.
Na véspera do Natal de 1983 foi inaugurada a Onda de 25m na freqüência de 11.855 KHz. Em 28 de outubro de 1984 entrou no ar a Onda de 49 m, em 6.135 KHz.
Em novembro de 1988 a Rádio Aparecida foi a primeira emissora a transmitir oficialmente pelo sistema SCA, uma freqüência paralela a da FM, somente recebida por aparelhos especiais.
A partir da década de 1990 a emissora passou a transmitir seu sinal Via Satélite, oq eu possibilitou o surgimento da Rede Católica de Rádio em 10 de novembro de 1994, com som digital da melhor qualidade.
Para coroar os 50 anos de existência da emissora, o Ministro das Comunicações Pimenta da Veiga, assinou no dia 5 de maio de 2011 o processo de concessão de um canal de TV para a Fundação Nossa Senhora Aparecida.
Em 2002 foram inaugurados a nova antena e o novo transmissor da FM.
Nos primeiros anos eram utilizados discos de vinil e fitas de rolo na execução das musicas e toda locução era gravada em cartuchos de fita.
Na década de 90 passou a ser usado o MD (mini disc), um CD em miniatura regravável e com capacidade para até 75 minutos. Em 1998 foi instalado o sistema computadorizado virtual rádio que permitiu a automatização total da programação e substituiu não só os CDs e MDs como também aposentou de vez os Lps e compactos de vinil.
Nos primeiros anos, a emissora ficava no ar das 7 da manhã à meia noite. Nos anos 80 passou a entrar no ar às 6 horas. Com o advento do computador, em 1998, foi possível manter a FM da rádio no ar 24 horas por dia.
Na década de 80, a Rádio Aparecida foi uma das primeiras emissoras em FM a apresentar um especial sertanejo bem antes que o gênero virasse moda.
O jornalismo da FM, antes apresentado em pequenos “drops” noticiosos, foi com o tempo aumentando espaço e, a partir da década de 80, passou a transmitir um programa das 7 às 8 da manhã. Em 1998 passa a transmitir de segunda a sexta a segunda edição às 17h30. Em 2000 a FM passou a transmitir também o “Jornal Regional”.
No setor religioso eram vinculadas no início dos anos crônicas do Pe. Orlando Gambi. Em 1982 foram criadas a “Oração da Manhã”, a “Oração da Noite”, “Saudação Angélica”, a leitura do “Evangelho de Jesus” ao meio dia e “Momentos com Maria”, às seis da tarde. Virou legenda o programa “Os Ponteiros Apontam Para o Infinito”, transmitido ao meio dia pelo Pe. Victor Coelho de Almeida.
Algumas das melhores vozes da Rádio Aparecida eternizaram-se e se confundiram com a história da emissora: Silvoney José, Regina Maria, Nunes Filho, Nelize Costa, Hermando Noronha, Eduardo José, Danuza Rio, Eriberto Carvalho e Souza Filho, entre outros...

Fonte Revista da Rádio Aparecida 2006

Comentários

Getulio José de Araújo Silva disse…
Belíssimo texto histórico da Rádio Aparecida. Parabéns Lúcio Mauro Dias.
Obrigado Professor pelos elogios e por estar navegando nas memórias desta província!
Abçs Lúcio