Pular para o conteúdo principal

Tempos de Mordaça.


1979, ano em que eu entrei para a escola e me inseri pela primeira vez no mundo mágico das palavras.
“Escola Estadual de Primeiro Grau Prefeito Solon Pereira”, era a inscrição que eu carregava cheio de orgulho no bolso do “guarda-pó” impecavelmente branco.
Tempo em que se carregava o caderno, o lápis e a borracha num daqueles saquinhos de arroz e mesmo assim se tinha certa vaidade por isso. Tempo dos ensinamentos da professora Dona Zilda flutuando entre as páginas da cartilha “caminho suave”.
Pelas ruas ainda eram ouvidas algumas palavras de ordem devido aos restos de ditadura que iam aos poucos se enfraquecendo. Os telejornais passavam a retratar com mais coragem as manifestações á favor da anistia que decretaria o fim do exílio de muitos brasileiros mesmo tendo alguns optado pelo “exílio voluntário” para se promover.
A liberdade de expressão parecia finalmente emergir de um profundo abismo repressivo depois de muito tempo. O esgotamento do regime militar já sentia o peso de manifestações que lhe bloqueavam alternativas de sobrevida. As insatisfações que despontavam no empresariado influente no país cresciam também entre professores, na intelectualidade, nos artistas e parecia aflorar mesmo entre alguns políticos que faziam parte do “sistema” que sentiam a força da revolução e tentavam então pular de lado.
Nos colégios, a formação de filas e o uso obrigatório de uniformes davam ainda aspectos ditatoriais. Tudo, inclusive pratos e canecas plásticas onde eram servidas as merendas para os alunos tinha gravado a inscrição “Governo do Estado de São Paulo” num tom de exaltação ao regime imposto.
Na televisão era exibida uma advertência dizendo “terminou o horário livre”. Era hora da censura abrir espaços dentro das casas. Eu não sabia direito o que tudo aquilo significava, mas obedecia tudo o que meu pai dizia.
Meu pai, católico fervoroso, sempre tinha um pé atrás com assuntos aparentemente subversivos e comunistas. Além do mais, ele trabalhava junto aos padres redentoristas e tinha que zelar por uma postura e preservar a família sobre qualquer propósito.
Naquela época ainda repressiva ia acontecer uma série de apresentações no antigo Cine Aparecida e nós teríamos que formar um coral para cantar a música
“Pra não dizer que não falei das flores” do Geraldo Vandré, canção considerada subversiva pelos militares e tida como um hino de resistência daquela geração.
Alguns dias antes da apresentação Dona Zilda chamou cada aluno até sua mesa e entregou um papel mimeografado que teria que ser assinado pelo responsável autorizando o aluno a ir naquela apresentação.
Cheguei em casa radiante. Seria o primeiro ato cívico da minha vida. Enquanto esperava papai chegar da labuta, ia cantarolando a melodia, num modesto ensaio. Quando ele chegou fui logo entregando o papel. Depois de tanto analisar, de ler e reler me disse que eu não iria. Não entendi direito a razão, mas como sempre, obedeci. Tempos depois é que pude valorizar aquela sua atitude em querer me preservar.
Hoje, analisando bem aquele fato, entendo que o medo foi o maior aliado da ditadura militar naquela época de repressão. Muitos se rebelaram lutando contra aquela imposição e acabaram presos. Outros tantos foram obrigados a trocarar de país e até de mundo e nunca mais foram vistos. A busca da liberdade de expressão era a grande razão de toda uma geração.
Naquele distante 1979, mesmo sem saber “por que”, pude sentir o peso daquela mordaça que às vezes bate como um verdadeiro “coice” e que foi ficando pra sempre registrado na memória. Coisas que com o passar dos anos foram reforçando ainda mais a grande vontade de lutar e de mudar alguma coisa mesmo encontrando alguma resistência contrária ao nosso modo de pensar e agir. Só sei que aquela canção hoje, nada e ninguém pode agora me proibir de cantar.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O chifre

Por conta de minha filha Larissa estar tendo febre há uns três dias, uma tia de minha esposa, em conversa por telefone, foi sucinta em seu comentário: “Essa menina está assustada ou aguada por alguma coisa”... De fato, em duas idas ao pronto socorro, os pediatras não conseguiram detectar nenhum problema mais grave. Não era garganta, ouvido ou algum dentinho nascendo, o que estava causando estranheza pela febre decorrente. Além de dar o “diagnóstico”, a tia foi logo dizendo o “antídoto” para a cura: chá de hortelã com raspas de chifre de carneiro. Vivi entre as crendices populares típicas de cidades do interior. Convivi com todos os meus avós e minha mãe, nos arautos dos seus 78 anos, ainda prega essa cultura popular de usar plantas e métodos pouco convencionais para curar algum mal. Assim sendo, mesmo cético para algumas coisas na vida, lá fui eu tentar encontrar o tal chifre... Não me aventurei em outro lugar sem antes passar pelo mercadão de Guaratinguetá. A minha intuição estava a…

A Padroeira do Brasil, Nossa Senhora Aparecida

Segundo o relato daquelas humildes pessoas, foram tantos peixes logo conseguido, depois de “aparecida” a imagem, que a canoa ficou cheia. Até ameaçava afundar. Alegraram-se muito com o ocorrido e foram levar o pescado à Câmara Municipal de Santo Antonio de Guaratinguetá, mas primeiro passaram pela casa de Felipe Pedroso e deixaram a preciosa encomenda confiada aos cuidados de Silvana da Rocha, mãe de João, esposa de Domingos e irmã de Felipe. Puseram-na dentro de um baú, enrolada em panos, separada uma parte da outra.
A casa de Silvana foi o primeiro oratório que teve aquela imagem e ficou com ela cerca de nove anos, até 1726, data provável de seu falecimento. Assim tornou-se herdeiro da imagem seu irmão, Felipe Pedroso, o único sobrevivente da milagrosa pescaria.
Sua casa foi o segundo oratório, por seis anos, perto da Ponte do Ribeirão do Sá (proximidade da atual Estação Ferroviária) e também o terceiro, por mais sete anos, na Ponte Alta, para onde se mudara. Em 1739, Felipe Pedroso …

“Heart and Soul”, homenagem ao Nicolau Samahá.

Mesmo mais de trinta anos após sua morte, sempre ouvimos falar de que “Elvis não morreu”. Contudo, Elvis é ainda “o morto que mais vende discos em todo mundo” até hoje. O branco que tinha voz de negro. Elvis deixou este plano no dia 16 de agosto de 1977.
Quando criança, todo dia eu subia à Praça da Igreja Velha pra levar almoço pro meu irmão Roberto Dias que trabalhava no Foto JK. Subia distraído e ficava encantado com os brinquedos dependurados nas portas das muitas lojas que supriam o caminho que levava até à praça. Mas era uma loja em especial que me fazia chegar atrasado ao meu destino: a Loja do Nicolau Samahá. O dia inteiro o ele ficava tocando na vitrola as músicas inesquecíveis do Elvis Presley que me deixavam encantado. Fora isso, as paredes de sua loja eram forradas com pôsteres gigantes do Rei do Rock por todos os cantos. Ele também se fazia parecer muito com o ídolo: Alto, cabelos com topete e costeletas enormes. Camisas chamativas e de golas altas. Parecia o próprio Rei do…