Pular para o conteúdo principal

O inexpugnável José.


O lançamento sai longo. O zagueiro parece que vai cortar e de repente tropeça e a bola sobra limpa para o atacante adversário. Agora é só lamentar e torcer.
O atacante chuta forte e num lance de puro reflexo e agilidade o camisa 1 faz um milagre. E aí que você se lembra que tem goleiro. Aliás, todo goleiro persegue este dia em que parece “sobre-humano”, inexpugnável, superior aos outros pobres mortais jogadores que se esmeram em pontarias, efeitos e força para tentar inutilmente vencê-lo.
Nos meus tempos juvenis na Escola Sólon Pereira, pude apreciar um desses “imortais” jogar. Toda turma o queria sempre jogando a favor, pois sua segurança embaixo das traves era sinal de vitória fácil. Para ele, o momento de conclusão da jogada equivalia a uma eternidade da qual a missão era ir sempre além. Para nós, o desafio durava os segundos de um chute.
Enquanto a história ia imortalizando as lendas de Iashin, Gilmar dos Santos Neves, Manga, Gordon Banks e outros goleiros, o privilégio maior era ver nosso “Zé Domingos” jogar. De estatura baixa, ele provava que o melhor momento do jogo nem sempre era o gol. Mero detalhe. Defesas difíceis, daquelas que causam ódio e admiração, tinham mais valor.
Eu, que nem sempre fui bom de bola, fiz meus “golzinhos” no Zé Domingos. Nem me lembro quantos foram. Mais marcou às vezes em que suas “acrobacias” debaixo das traves impediram o “artilheiro” de sorrir e mandar beijos pra torcida feminina que ficava por lá. Zé Domingos era um predestinado.
O grande goleiro uruguaio Mazurkiewicz ficou famoso mais pelo gol que não tomou do Pelé na copa de 70, quando levou um “drible” de corpo do rei que mandou a bola caprichosamente pra fora. Com o inglês Gordon Banks foi diferente. Apareceu para o mundo quando defendeu uma cabeçada a queima roupa do rei naquela mesma copa.
Diz a lenda que “onde goleiro pisa nem grama nasce” de tão azarado que é.
Por fim, Gilmar dos Santos Neves um dia definiu bem essa “profissão” de ser goleiro dizendo que sua carreira teve “22 nos de solidão”.
Mas o maior de todos foi o Zé Domingos. Ele não se definia por padrões comuns.
Um jogo que eu não esqueço foi quando o professor Cabrita decidiu jogar um pouco com a gente pra dar uma “suada” e desenferrujar um pouco as canelas. Craque que foi, deu um baile na turma com sua habilidade e jogadas de efeito.
O Zé Domingos, abusado que era, pediu pra jogar contra o professor só pra ver se ele era bom mesmo como diziam por aí.
Durante o jogo o Zé defendeu tanto chute do professor Cabrita que já estava deixando o mestre “nervoso”. Eu chutei umas quinhentas bolas que o danado do Zé ia lá e pegava. Era uma atrás da outra. O cara era de outro mundo. Mas, água mole em pedra dura...
Numa jogada de efeito, o professor Cabrita ajeitou a bola com a esquerda e “de letra”, com as pernas cruzadas mandou pro gol. A bola fez uma curva impressionante e entrou no ângulo. O Zé Domingos pulou, mas não teve jeito. A “muralha” estava em fim derrubada e de uma forma clássica.
À noite, na sala de aula, todo mundo só comentava do gol do professor Cabrita. O Zé não falava nada sabendo que nem mesmo suas defesas poderiam apagar o belo gol.
Ele só perdeu mesmo a linha quando eu cheguei dizendo que ele não teve culpa no gol e que a culpa tinha sido minha pelo passe de gênio que eu dei para o professor Cabrita guardar “de letra”, num mero detalhe...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O chifre

Por conta de minha filha Larissa estar tendo febre há uns três dias, uma tia de minha esposa, em conversa por telefone, foi sucinta em seu comentário: “Essa menina está assustada ou aguada por alguma coisa”... De fato, em duas idas ao pronto socorro, os pediatras não conseguiram detectar nenhum problema mais grave. Não era garganta, ouvido ou algum dentinho nascendo, o que estava causando estranheza pela febre decorrente. Além de dar o “diagnóstico”, a tia foi logo dizendo o “antídoto” para a cura: chá de hortelã com raspas de chifre de carneiro. Vivi entre as crendices populares típicas de cidades do interior. Convivi com todos os meus avós e minha mãe, nos arautos dos seus 78 anos, ainda prega essa cultura popular de usar plantas e métodos pouco convencionais para curar algum mal. Assim sendo, mesmo cético para algumas coisas na vida, lá fui eu tentar encontrar o tal chifre... Não me aventurei em outro lugar sem antes passar pelo mercadão de Guaratinguetá. A minha intuição estava a…

A Padroeira do Brasil, Nossa Senhora Aparecida

Segundo o relato daquelas humildes pessoas, foram tantos peixes logo conseguido, depois de “aparecida” a imagem, que a canoa ficou cheia. Até ameaçava afundar. Alegraram-se muito com o ocorrido e foram levar o pescado à Câmara Municipal de Santo Antonio de Guaratinguetá, mas primeiro passaram pela casa de Felipe Pedroso e deixaram a preciosa encomenda confiada aos cuidados de Silvana da Rocha, mãe de João, esposa de Domingos e irmã de Felipe. Puseram-na dentro de um baú, enrolada em panos, separada uma parte da outra.
A casa de Silvana foi o primeiro oratório que teve aquela imagem e ficou com ela cerca de nove anos, até 1726, data provável de seu falecimento. Assim tornou-se herdeiro da imagem seu irmão, Felipe Pedroso, o único sobrevivente da milagrosa pescaria.
Sua casa foi o segundo oratório, por seis anos, perto da Ponte do Ribeirão do Sá (proximidade da atual Estação Ferroviária) e também o terceiro, por mais sete anos, na Ponte Alta, para onde se mudara. Em 1739, Felipe Pedroso …

“Heart and Soul”, homenagem ao Nicolau Samahá.

Mesmo mais de trinta anos após sua morte, sempre ouvimos falar de que “Elvis não morreu”. Contudo, Elvis é ainda “o morto que mais vende discos em todo mundo” até hoje. O branco que tinha voz de negro. Elvis deixou este plano no dia 16 de agosto de 1977.
Quando criança, todo dia eu subia à Praça da Igreja Velha pra levar almoço pro meu irmão Roberto Dias que trabalhava no Foto JK. Subia distraído e ficava encantado com os brinquedos dependurados nas portas das muitas lojas que supriam o caminho que levava até à praça. Mas era uma loja em especial que me fazia chegar atrasado ao meu destino: a Loja do Nicolau Samahá. O dia inteiro o ele ficava tocando na vitrola as músicas inesquecíveis do Elvis Presley que me deixavam encantado. Fora isso, as paredes de sua loja eram forradas com pôsteres gigantes do Rei do Rock por todos os cantos. Ele também se fazia parecer muito com o ídolo: Alto, cabelos com topete e costeletas enormes. Camisas chamativas e de golas altas. Parecia o próprio Rei do…