Pular para o conteúdo principal

Distância.


O poeta Lenine disse uma vez que “a distância não é mais que um cálculo”. E era assim que a gente subia a Rua Pe. Gebardo e seguia a estrada dos Motas rumo ao Bar do João Dalló.
O bar, rústico por excelência, ia de encontro ao sublime numa metáfora desvendada logo na chegada. Ali, a natureza impunha seu poder diante das mentes céticas que passavam a acreditar que a distância era realmente nada. Uma busca baseada na simplicidade e cortesia de um homem impoluto capaz de adivinhar pelo paladar. Paladar aguçado pelo poder magnético do balcão que induzía-nos a degustar aquela cerveja.
A poeira do tempo, sorridentemente levantada pelos carros que iam e vinham se confundia com o pó da estrada. Cavaleiros, em suas rédeas, marchavam pra lá ignorando qualquer entreposto, num ritual de estranho comando. O dia parecia parado...
Mas o seu João Dalló não parava um só minuto. Largava as suas panelas apenas pra cumprimentar quem chegava. Notório, com seu pano de pratos aos ombros, ia ajeitando seus óculos entre os olhos e parecia que conhecia um por um de longa data. Era a simpatia a senha que qualquer um carecia para se sentir em casa.
Quantas vezes a gente “amarrava um fogo” danado ali esquecidos do tempo...
O violão do Nivaldo ia aniquilando a tristeza enquanto o banquete não era servido. E as garrafas iam se empilhando como se empilham os sonhos. Sonhos não envelhecem.
A curtição maior era elogiar o tempero do seu João Dalló. Todo mundo dizia que “era coisa de outro mundo”. O auge disso era quando a panela que trazia o saboroso frango chegava. Com a colher de madeira a gente ia encontrando duas, três, cinco coxas do frango entre aquele caldo simplesmente maravilhoso. Ele vinha esfregando as mãos no pano de pratos e falava que não era só o tempero que era de outro mundo, o frango também. Era um “frango extraterrestre com mais de duas pernas”. Ele dizia e ria copiosamente disso.
Fartos, víamos que o limiar da tarde ia tecendo a hora de ir embora pela estrada que se desenhava ainda mais longa. Seu João Dalló desaparecia dali talvez não gostando muito de despedidas. A noite, o silêncio e o frio típico da mata do lugar iam chegando vagarosamente e recolhendo os passarinhos pra dentro dos seus cantos. Ele, depois de mais um dia de labuta, ia areando suas panelas e se confundindo com aquele brilho.
Buscando outro bar para beber a tradicional “saideira”, paramos certa vez no Bar do Firino, ao lado do Penidão. Um camarada que pegou carona com a gente, já travado pelas cervejas e pingas do sábado inteiro, contava ao balcão que antes da gente chegar lá no João Dalló, ele quase tinha sido atropelado por um cavalo doido que havia escapado de algum lugar por ali:
-“O pangaré parecia louco e veio bem na minha direção. Dei um pulo pra dentro da cerca e quebrei até a garrafa que estava cheia, me arranhando todo no arame farpado”...
Abrindo outra cerveja pra gente no balcão que também ostentava um pratinho cheio de torresmo frio e com a porta do bar já meio arriada, o Firino autorizadamente lambeta na conversa falou:
-“Também, com essa cara de égua, você queria o quê?”...
E a distância é isso mesmo, um cálculo, por vezes, muito difícil de se percorrer. Piora tudo isso o adeus de certas pessoas incondicionalmente inesquecíveis que habitavam, além de outros lugares mais, a eternidade do outro lado do balcão.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O chifre

Por conta de minha filha Larissa estar tendo febre há uns três dias, uma tia de minha esposa, em conversa por telefone, foi sucinta em seu comentário: “Essa menina está assustada ou aguada por alguma coisa”... De fato, em duas idas ao pronto socorro, os pediatras não conseguiram detectar nenhum problema mais grave. Não era garganta, ouvido ou algum dentinho nascendo, o que estava causando estranheza pela febre decorrente. Além de dar o “diagnóstico”, a tia foi logo dizendo o “antídoto” para a cura: chá de hortelã com raspas de chifre de carneiro. Vivi entre as crendices populares típicas de cidades do interior. Convivi com todos os meus avós e minha mãe, nos arautos dos seus 78 anos, ainda prega essa cultura popular de usar plantas e métodos pouco convencionais para curar algum mal. Assim sendo, mesmo cético para algumas coisas na vida, lá fui eu tentar encontrar o tal chifre... Não me aventurei em outro lugar sem antes passar pelo mercadão de Guaratinguetá. A minha intuição estava a…

A Padroeira do Brasil, Nossa Senhora Aparecida

Segundo o relato daquelas humildes pessoas, foram tantos peixes logo conseguido, depois de “aparecida” a imagem, que a canoa ficou cheia. Até ameaçava afundar. Alegraram-se muito com o ocorrido e foram levar o pescado à Câmara Municipal de Santo Antonio de Guaratinguetá, mas primeiro passaram pela casa de Felipe Pedroso e deixaram a preciosa encomenda confiada aos cuidados de Silvana da Rocha, mãe de João, esposa de Domingos e irmã de Felipe. Puseram-na dentro de um baú, enrolada em panos, separada uma parte da outra.
A casa de Silvana foi o primeiro oratório que teve aquela imagem e ficou com ela cerca de nove anos, até 1726, data provável de seu falecimento. Assim tornou-se herdeiro da imagem seu irmão, Felipe Pedroso, o único sobrevivente da milagrosa pescaria.
Sua casa foi o segundo oratório, por seis anos, perto da Ponte do Ribeirão do Sá (proximidade da atual Estação Ferroviária) e também o terceiro, por mais sete anos, na Ponte Alta, para onde se mudara. Em 1739, Felipe Pedroso …

“Heart and Soul”, homenagem ao Nicolau Samahá.

Mesmo mais de trinta anos após sua morte, sempre ouvimos falar de que “Elvis não morreu”. Contudo, Elvis é ainda “o morto que mais vende discos em todo mundo” até hoje. O branco que tinha voz de negro. Elvis deixou este plano no dia 16 de agosto de 1977.
Quando criança, todo dia eu subia à Praça da Igreja Velha pra levar almoço pro meu irmão Roberto Dias que trabalhava no Foto JK. Subia distraído e ficava encantado com os brinquedos dependurados nas portas das muitas lojas que supriam o caminho que levava até à praça. Mas era uma loja em especial que me fazia chegar atrasado ao meu destino: a Loja do Nicolau Samahá. O dia inteiro o ele ficava tocando na vitrola as músicas inesquecíveis do Elvis Presley que me deixavam encantado. Fora isso, as paredes de sua loja eram forradas com pôsteres gigantes do Rei do Rock por todos os cantos. Ele também se fazia parecer muito com o ídolo: Alto, cabelos com topete e costeletas enormes. Camisas chamativas e de golas altas. Parecia o próprio Rei do…