Pular para o conteúdo principal

Um doce e aquecido Natal



OS ENFEITES:

Natal era época de procurar um galho seco de árvore e gastar nele todo o pacote de algodão da gaveta. As bolinhas, luzentes e coloridas, eram geralmente compradas na Loja do Seu Arnaldo. Era simples e trabalhoso, mas ficava bonito.

A RELIGIÃO:

Meu Pai insistia em dizer que os presentes eram “dados pelo Papai do céu, não pelo Papai Noel”. Talvez seja por isso que desacredito naquele que voa em trenó e em toda mídia que se forma em torno dele e acredito muito mais no Papai do céu que na figura de menino fica esquecido na sua humilde manjedoura.

AS AUSÊNCIAS:

Meu avô já não estava mais por ali, arrastando seus chinelos pelo corredor. Minha avó já doía na lembrança e eu enfrentava a eternidade de um muro que me separava da solidão de ser eu.

AS GULOSEIMAS:

Na geladeira, os doces esperavam por nós. Pudim de pão amanhecido, arroz doce e manjar. Dava pra ver também algumas garrafas destinadas aos adultos. O forno do fogão estava sempre aquecido. Minha mãe passava o dia todo preparando aquelas delícias que meu Pai havia comprado no Armazém do Titica. Um dinheiro extra sanava sua conta na folha da caderneta. Seu nome vinha limpo para o ano novo.
os símbolos

OS SÍMBOLOS:

No caminho até a Basílica, vaga-lumes se confundiam com as luzes das sacadas e janelas. Em casa não tinha essas luzes todas pra economizar na conta da Light. Mas em casa não havia escuridão. A Missa do Galo demorava muito porque o Bispo falava bastante pra todo mundo. Era muita gente. De tanto bocejar, eu acabava dormindo encostado a meu Pai. Minha Mãe não largava o terço. Até hoje é assim.

OS PRESENTES:

Camiseta nova da Hering, sapato Alpargatas, calça Lee. Eu acordava de um sonho e ainda estava bonito.
Papai ia registrando tudo na velha máquina de retrato. Uma vitrola de válvulas tocava os discos de um tal “Carlos Galhardo” que cantava bonito. Mas a vitrola tinha que ser desligada toda hora, pois as válvulas esquentavam muito.
Que casa quente era a nossa. Dormíamos esperando os presentes do Papai do céu...
No dia seguinte, eu encontrava um “Volks” de plástico feito por um tal “Zé Badú”. As bonecas de minha irmã não sei de onde vinham. Acho que era o tal Zé Badú que fazia também. Foi assim também quando ganhei meu primeiro relógio de pulso. Mal sabia meu velho Pai que iria me prender pra sempre naquele tempo.


A CEIA:

A ceia prometia conversas e risos. Meu Pai repousava os olhos em minha Mãe e sempre pedia uma “bicota”. Nós contemplávamos o beijo e batíamos palmas. Eles estavam envelhecendo em paz e nem sabíamos disso. Um Pai completamente vivo e uma Mãe jovem.
Uma vez, Mamãe começou a preparar um delicioso “frango assado regado à cerveja e orégano”, prato que ela sempre fazia no Natal a pedido de meu Pai.
A meia noite em ponto o banquete foi servido. Mas como era de costume, o frango não estava com o sabor de sempre. Mesmo assim nada foi falado pra não chatear a Mamãe.
Não se contendo, com toda simplicidade do mundo, meu Pai falou à mesa:
-O frango hoje parece que está meio “doce”...
Aquilo soou como elogio e seguimos comendo o famoso frango.
Depois, minha mãe foi dar uma pequena geral na cozinha quando encontrou um pacote de “erva-doce” ao lado da panela no fogão. A erva-doce foi confundida com o orégano e colocada por engano no frango. Depois de contar sobre o engano demos muita risada do fato.
A partir daquele Natal, por recomendação de meu Pai, Mamãe começou a fazer “frango assado regado à cerveja e ‘erva-doce’ ”.

A SAUDADE:

O amor tinha ritmos que desembocavam na saudade. A serenidade dos retratos amarelecidos pelo tempo confirma isso, assim como as batidas das lembranças no peito.
Minha casa, aquecida e doce, não tinha jardim. Mas era como se flores existissem e alegrassem certos Natais. Só faltavam mesmo anjos voando de lá pra cá.
E era de anjos que Papai e Mamãe chamava por nós quando era hora de dormir. Hora de sonhar outros sonhos inesquecíveis de Natal...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O chifre

Por conta de minha filha Larissa estar tendo febre há uns três dias, uma tia de minha esposa, em conversa por telefone, foi sucinta em seu comentário: “Essa menina está assustada ou aguada por alguma coisa”... De fato, em duas idas ao pronto socorro, os pediatras não conseguiram detectar nenhum problema mais grave. Não era garganta, ouvido ou algum dentinho nascendo, o que estava causando estranheza pela febre decorrente. Além de dar o “diagnóstico”, a tia foi logo dizendo o “antídoto” para a cura: chá de hortelã com raspas de chifre de carneiro. Vivi entre as crendices populares típicas de cidades do interior. Convivi com todos os meus avós e minha mãe, nos arautos dos seus 78 anos, ainda prega essa cultura popular de usar plantas e métodos pouco convencionais para curar algum mal. Assim sendo, mesmo cético para algumas coisas na vida, lá fui eu tentar encontrar o tal chifre... Não me aventurei em outro lugar sem antes passar pelo mercadão de Guaratinguetá. A minha intuição estava a…

A Padroeira do Brasil, Nossa Senhora Aparecida

Segundo o relato daquelas humildes pessoas, foram tantos peixes logo conseguido, depois de “aparecida” a imagem, que a canoa ficou cheia. Até ameaçava afundar. Alegraram-se muito com o ocorrido e foram levar o pescado à Câmara Municipal de Santo Antonio de Guaratinguetá, mas primeiro passaram pela casa de Felipe Pedroso e deixaram a preciosa encomenda confiada aos cuidados de Silvana da Rocha, mãe de João, esposa de Domingos e irmã de Felipe. Puseram-na dentro de um baú, enrolada em panos, separada uma parte da outra.
A casa de Silvana foi o primeiro oratório que teve aquela imagem e ficou com ela cerca de nove anos, até 1726, data provável de seu falecimento. Assim tornou-se herdeiro da imagem seu irmão, Felipe Pedroso, o único sobrevivente da milagrosa pescaria.
Sua casa foi o segundo oratório, por seis anos, perto da Ponte do Ribeirão do Sá (proximidade da atual Estação Ferroviária) e também o terceiro, por mais sete anos, na Ponte Alta, para onde se mudara. Em 1739, Felipe Pedroso …

“Heart and Soul”, homenagem ao Nicolau Samahá.

Mesmo mais de trinta anos após sua morte, sempre ouvimos falar de que “Elvis não morreu”. Contudo, Elvis é ainda “o morto que mais vende discos em todo mundo” até hoje. O branco que tinha voz de negro. Elvis deixou este plano no dia 16 de agosto de 1977.
Quando criança, todo dia eu subia à Praça da Igreja Velha pra levar almoço pro meu irmão Roberto Dias que trabalhava no Foto JK. Subia distraído e ficava encantado com os brinquedos dependurados nas portas das muitas lojas que supriam o caminho que levava até à praça. Mas era uma loja em especial que me fazia chegar atrasado ao meu destino: a Loja do Nicolau Samahá. O dia inteiro o ele ficava tocando na vitrola as músicas inesquecíveis do Elvis Presley que me deixavam encantado. Fora isso, as paredes de sua loja eram forradas com pôsteres gigantes do Rei do Rock por todos os cantos. Ele também se fazia parecer muito com o ídolo: Alto, cabelos com topete e costeletas enormes. Camisas chamativas e de golas altas. Parecia o próprio Rei do…