Pular para o conteúdo principal

As iguarias


Em tempos atrás, comer bem ainda era tabu. Era muito raro alguma lanchonete ou restaurante de renome ancorado na busca suprema de agradar com um toque de classe os mais apurados paladares.
Com o tempo, passaram a existir em Aparecida muitos bares e lanchonetes que inseriram no mercado iguarias distintas, fazendo que a petrificação de fregueses aumentasse com isso.
Quem não se lembra do Restaurante do seu Luizinho “pé de porco”? Como o próprio apelido dizia “ele era capaz de fazer o melhor feijão com pé de porco do Vale do Paraíba”. Vale lembrar que o toque final disso tudo era da saudosa Dona Mercedes. Era sempre no domingo a noite que meu pai ia ao restaurante do Seu Luizinho para comprar o também famoso “Frango com Batata” que ele fazia. Era algo divino.
Depois, a conotação em que o “Sanduíche de Pernil” do Bar do Ananias tomou era algo de paralelo muito próximo ao mágico. Diziam as más línguas que o segredo estava na frigideira do bar que o Nanias nunca lavava. Algo folclórico que virou uma lenda.
Lembro-me bem dos “Ovos Coloridos” que ficavam expostos na vitrine de salgados do Bar e Lanchonete “Tchan”. Os ovos eram algo misterioso que eu nunca soube como desvendar.
Falar da “Parmegianna” do Bar do João Donaldo é relembrar um passado de histórias impagáveis. Ninguém tem a idéia exata de quantas dessas parmegiannas eram feitas por noite. Muitos artistas, a maioria levados pelo vereador Wadê, saborearam o prato e sempre que podiam voltavam. Com o tempo, a Lanchonete Phumbika passou a oferecer uma parmegianna muito requintada. Mas nada comparável a famosa do Bar do João Donaldo na Santa Rita.
O Phumbika acabou sendo referência em lanches e destacou como carro chefe em seu cardápio o famoso “Bauru”.
Aliás, no final da década de 80, os famosos carrinhos de lanche do “Ticão e do Merchet” foram as novidades gastronômicas em Aparecida. Eles foram os primórdios em fazer lanches que tinha no “Doguinho” a maior notoriedade. O Hot-Dog e o X-Salada eram muito disputados nas noites aparecidenses.
Na minha época também outra iguaria de muita saída era o famoso “Kibe” do Bar da Binda. O bar lotava toda tarde e cada pessoa acabava comendo três ou quatro desses kibes, fora os que levavam pra casa.
Hoje, quem resiste ainda na forma artesanal de agradar o paladar alheio é o amigo João Gordo, que há mais de trinta anos comercializa seu pastel frito na hora ali, bem em frente ao cemitério velho.
Em tempos de carnaval, a “Canja” do Bar da Zizi na Ponte Alta é algo insuperável há mais de 50 anos. Após as noites de folia é a forma mais gostosa de restabelecer as forças para continuar “pulando” carnaval. O Bar da Zizi é também ponto de referência para os apreciadores de uma “Traíra frita” que ela faz como poucos.
No inverno, comer a mais gostosa “Feijoada” da cidade é no Bar do Zé Maria, que também encanta pelos petiscos “sagrados” que só a Dona Terezinha é capaz de fazer.
Passando pela “Polenta Frita” do Jaiminho, relembro o “Pastel do Jurandir”, a “Pizza” do Bar do Ponto, o “Torresmo” do Bar do Tião, a “Casquinha de Siri” do Augusto, a “Empada” do Luiz Empadeiro, a “Sopa” do Ouro Fino, a “Esfiha” da Tenda Árabe, o “Frango” do João Dalló, o “Espetinho” do Baiano, a “Porção de Bucho” no Bar do Ditão, o “Prato Feito” do Bar Ponto Certo do Mineiro, a “Salada de Frutas” do Bar do Luizão, o “Pão com Mortadela” do Ganha Pouco, a “Torta de Frango” do Restaurante Leid’s e o “Amendoim Torrado” de um rapaz que percorria toda a cidade com uma lata cheia de brasa e que a gente chamava de “Torrado”.
Hoje, essa saudade gastronômica refaz um espaço vazio que começa na lembrança e vai parar no estômago. Insuperáveis gostos que iluminavam o paladar de tantos e sentenciava a importância de muitos.
Ainda é raro comer bem, embora o empenho de alguns supere as expectativas. Os remanescentes desta humilde lista escrevem a lisura da boa comida como dom a ser perpetuado. Isso é dar qualidade no que fazem.
Mas por enquanto, na raridade de agradar o paladar, indico e faço questão de frisar que, no momento, não há coisa mais gostosa na região que a “Empada” da Dona Silvana, mãe da minha amiga Áthila Maia.
Estas eternas manhãs de novembro que o digam...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O chifre

Por conta de minha filha Larissa estar tendo febre há uns três dias, uma tia de minha esposa, em conversa por telefone, foi sucinta em seu comentário: “Essa menina está assustada ou aguada por alguma coisa”... De fato, em duas idas ao pronto socorro, os pediatras não conseguiram detectar nenhum problema mais grave. Não era garganta, ouvido ou algum dentinho nascendo, o que estava causando estranheza pela febre decorrente. Além de dar o “diagnóstico”, a tia foi logo dizendo o “antídoto” para a cura: chá de hortelã com raspas de chifre de carneiro. Vivi entre as crendices populares típicas de cidades do interior. Convivi com todos os meus avós e minha mãe, nos arautos dos seus 78 anos, ainda prega essa cultura popular de usar plantas e métodos pouco convencionais para curar algum mal. Assim sendo, mesmo cético para algumas coisas na vida, lá fui eu tentar encontrar o tal chifre... Não me aventurei em outro lugar sem antes passar pelo mercadão de Guaratinguetá. A minha intuição estava a…

A Padroeira do Brasil, Nossa Senhora Aparecida

Segundo o relato daquelas humildes pessoas, foram tantos peixes logo conseguido, depois de “aparecida” a imagem, que a canoa ficou cheia. Até ameaçava afundar. Alegraram-se muito com o ocorrido e foram levar o pescado à Câmara Municipal de Santo Antonio de Guaratinguetá, mas primeiro passaram pela casa de Felipe Pedroso e deixaram a preciosa encomenda confiada aos cuidados de Silvana da Rocha, mãe de João, esposa de Domingos e irmã de Felipe. Puseram-na dentro de um baú, enrolada em panos, separada uma parte da outra.
A casa de Silvana foi o primeiro oratório que teve aquela imagem e ficou com ela cerca de nove anos, até 1726, data provável de seu falecimento. Assim tornou-se herdeiro da imagem seu irmão, Felipe Pedroso, o único sobrevivente da milagrosa pescaria.
Sua casa foi o segundo oratório, por seis anos, perto da Ponte do Ribeirão do Sá (proximidade da atual Estação Ferroviária) e também o terceiro, por mais sete anos, na Ponte Alta, para onde se mudara. Em 1739, Felipe Pedroso …

“Heart and Soul”, homenagem ao Nicolau Samahá.

Mesmo mais de trinta anos após sua morte, sempre ouvimos falar de que “Elvis não morreu”. Contudo, Elvis é ainda “o morto que mais vende discos em todo mundo” até hoje. O branco que tinha voz de negro. Elvis deixou este plano no dia 16 de agosto de 1977.
Quando criança, todo dia eu subia à Praça da Igreja Velha pra levar almoço pro meu irmão Roberto Dias que trabalhava no Foto JK. Subia distraído e ficava encantado com os brinquedos dependurados nas portas das muitas lojas que supriam o caminho que levava até à praça. Mas era uma loja em especial que me fazia chegar atrasado ao meu destino: a Loja do Nicolau Samahá. O dia inteiro o ele ficava tocando na vitrola as músicas inesquecíveis do Elvis Presley que me deixavam encantado. Fora isso, as paredes de sua loja eram forradas com pôsteres gigantes do Rei do Rock por todos os cantos. Ele também se fazia parecer muito com o ídolo: Alto, cabelos com topete e costeletas enormes. Camisas chamativas e de golas altas. Parecia o próprio Rei do…