Pular para o conteúdo principal

Horizontes on-line.


Há sete anos fui convidado a escrever um artigo que pudesse posteriormente ser publicado num jornal local. Naquela época eu ainda não tinha nem computador.
Aquele texto foi então escrito a punho, driblando o medo de correção e temendo a ausência de palavras condizentes à nobre chance.
Por algumas edições que se seguiram eu fiz da mesma forma, gastando folhas e folhas de papel até atingir a ideia. E a velha mania de escrever foi dando lugar ao poder do computador. Nele fui aprimorando a escrita e me familiarizando com a nova tecnologia que em atraso eu começava a admirar. Fui aprendendo na raça, praticamente sozinho, tendo aulas básicas num curso feito na Associação Comercial de Aparecida e grandes ensinamentos vindos do meu camarada e amigo Maurílio Reis.
Foram se sucedendo então os assuntos abordados com bom humor, saudade, coração, verdade e homenagens a grandes personagens do nosso cotidiano. Dentre tudo, foram surgindo também algumas polêmicas. Criei vários amigos através disso e alguns poucos e insignificantes desafetos. Dividi o espaço das páginas palmo a palmo com “monstros consagrados” como Dona Zilda Ribeiro, Benedicto Lourenço, Luizão Freitas, Marco Reis, Wilson Gorj, Reinaldo Cabral, Alexandre Lourenço, Dona Cidinha Alcântara, Chico Sanini, Getúlio Martins e Benedito Dubsk Coupé entre outros. Papéis amarelados, arquivados no peito e numa gaveta com valor incalculável.
Com o passar do tempo pessoas me paravam pelas ruas para comentar, elogiar e desferir algumas críticas pelo texto publicado na quinzena. Outros foram recortando e colecionando meus artigos e assim “montando” seus próprios livretes.
Dessa maneira, fui evoluindo a busca dessa literatura urbana em relembrar fatos acontecidos neste lugar. Dentro dessa mania em juntar palavras, consegui ser premiado quatro vezes no Concurso de Contos da Biblioteca Municipal de Aparecida, obtendo um Bicampeonato em 2005 e 2009. E assim os textos e artigos foram tomando conta do cotidiano de muita gente.
Hoje, depois de colaborar com oito jornais e duas revistas, sou publicado apenas no Jonal O Lince. Mas é no blog “Memórias de uma Província”, com mais de 2.220 acessos, que venho tendo a grande oportunidade em emergir de um anonimato e criar responsabilidade. Pois, como já me disse muita gente importante, “há peso no que escrevo”. Com muita humildade, absorvo cada frase e vou mudando muito para continuar sendo eu mesmo. Pois, não adianta ter a alcunha de escritor, ter mil palavras a dizer quando se tem um nó na garganta.
Eternizar a nossa escrita fundamentada em ideias concebidas de verdade e coração é que poderá ampliar nossos horizontes. Sejam nossas memórias registradas a lápis ou em páginas virtuais na internet. Isso é história.
E nesse universo atual, nada tem mais importância que meus leitores. Eu também os coleciono, guardando a todos com valor de diamantes. Diamantes que com o peso e o quilate de seu cotidiano poderão me ajudar a eternizar e difundir essa literatura.
Pra tanto, peço que meus seguidores entrem em contato para que possamos nos conhecer, trocando idéias e opiniões que são ostentadas por este horizonte sem fim chamado internet.
Bem mais que antes, hoje, navegar é preciso...

Um abraço a todos!

Lúcio Mauro Dias
E-mail: luciomjornalista@gmail.com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O chifre

Por conta de minha filha Larissa estar tendo febre há uns três dias, uma tia de minha esposa, em conversa por telefone, foi sucinta em seu comentário: “Essa menina está assustada ou aguada por alguma coisa”... De fato, em duas idas ao pronto socorro, os pediatras não conseguiram detectar nenhum problema mais grave. Não era garganta, ouvido ou algum dentinho nascendo, o que estava causando estranheza pela febre decorrente. Além de dar o “diagnóstico”, a tia foi logo dizendo o “antídoto” para a cura: chá de hortelã com raspas de chifre de carneiro. Vivi entre as crendices populares típicas de cidades do interior. Convivi com todos os meus avós e minha mãe, nos arautos dos seus 78 anos, ainda prega essa cultura popular de usar plantas e métodos pouco convencionais para curar algum mal. Assim sendo, mesmo cético para algumas coisas na vida, lá fui eu tentar encontrar o tal chifre... Não me aventurei em outro lugar sem antes passar pelo mercadão de Guaratinguetá. A minha intuição estava a…

A Padroeira do Brasil, Nossa Senhora Aparecida

Segundo o relato daquelas humildes pessoas, foram tantos peixes logo conseguido, depois de “aparecida” a imagem, que a canoa ficou cheia. Até ameaçava afundar. Alegraram-se muito com o ocorrido e foram levar o pescado à Câmara Municipal de Santo Antonio de Guaratinguetá, mas primeiro passaram pela casa de Felipe Pedroso e deixaram a preciosa encomenda confiada aos cuidados de Silvana da Rocha, mãe de João, esposa de Domingos e irmã de Felipe. Puseram-na dentro de um baú, enrolada em panos, separada uma parte da outra.
A casa de Silvana foi o primeiro oratório que teve aquela imagem e ficou com ela cerca de nove anos, até 1726, data provável de seu falecimento. Assim tornou-se herdeiro da imagem seu irmão, Felipe Pedroso, o único sobrevivente da milagrosa pescaria.
Sua casa foi o segundo oratório, por seis anos, perto da Ponte do Ribeirão do Sá (proximidade da atual Estação Ferroviária) e também o terceiro, por mais sete anos, na Ponte Alta, para onde se mudara. Em 1739, Felipe Pedroso …

“Heart and Soul”, homenagem ao Nicolau Samahá.

Mesmo mais de trinta anos após sua morte, sempre ouvimos falar de que “Elvis não morreu”. Contudo, Elvis é ainda “o morto que mais vende discos em todo mundo” até hoje. O branco que tinha voz de negro. Elvis deixou este plano no dia 16 de agosto de 1977.
Quando criança, todo dia eu subia à Praça da Igreja Velha pra levar almoço pro meu irmão Roberto Dias que trabalhava no Foto JK. Subia distraído e ficava encantado com os brinquedos dependurados nas portas das muitas lojas que supriam o caminho que levava até à praça. Mas era uma loja em especial que me fazia chegar atrasado ao meu destino: a Loja do Nicolau Samahá. O dia inteiro o ele ficava tocando na vitrola as músicas inesquecíveis do Elvis Presley que me deixavam encantado. Fora isso, as paredes de sua loja eram forradas com pôsteres gigantes do Rei do Rock por todos os cantos. Ele também se fazia parecer muito com o ídolo: Alto, cabelos com topete e costeletas enormes. Camisas chamativas e de golas altas. Parecia o próprio Rei do…