Oferenda


Já haviam se passado oito dias desde o desaparecimento.
No entanto, ele não arredara os pés da praia. Vigiava aquela imensidão feito um cão de guarda.
As buscas seguiram o protocolo e se encerraram depois de um tempo.
Ele não entendia direito tudo que acontecera. Seu olhar perdido no horizonte denunciava seu desespero silencioso. Teria sido suicídio ou um mero acidente? Chegou a pensar até mesmo na hipótese improvável de outro amor marujo. Assim talvez ela ainda existisse em algum outro porto.
Mas a quimera daquele desterro a engoliu sem mostrar pra onde os olhos pudessem procurar. Uma direção qualquer que fosse capaz de destruir aquela incerteza. Um ponto distante que descrevesse o final de uma angustiante busca.
No segundo dia do mês de fevereiro ele resolveu então pedir auxilio...
Numa folha de papel eternizou alguns escritos esparsos para lançar ao mar:
“Eu fui por dentro a profundidade do mar e uma tímida concha por fora.
E de tanto rimar a mania de amar, acabei virando o inverso agora.
A pequena concha o mar levou embora. Quanta rima o amor jogou fora...
Mas dentro da concha, do oceano que era solto, prendeu-se o barulho do imenso mar revolto ”...
Ele deixou assim que as ondas levassem o papel junto de algumas rosas.
Seus olhos seguiram tudo em total harmonia com a maresia insistente.
Um ritual sublime que culminou na proposta para que Iemanjá pudesse lhe devolver sua mais linda oferenda, já perdida há alguns dias naquela vasta imensidão...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O chifre

Conto: Os milagres da Grande Guerra - 2º Colocado no XXIX Concurso de Contos da Biblioteca Municipal de Aparecida 2018

Os 60 anos da Rádio Aparecida