Pular para o conteúdo principal

Porque certas coisas ficam...


A vida sempre nos proporciona momentos de surpresa. Agradáveis ou não, acompanham o ritmo da gente recheando a extrema procura de fatos que podem virar estórias, contos e artigos que escrevem sutilmente parte de um cotidiano rico, escondido pelo tempo ou pela ineficácia da nossa curiosidade.
A fim de fazer uma “limpeza” na estante da sala da minha casa, comecei a separar papéis que nada valiam e revistas velhas que já tinham perdido seus valores de entretenimento tendo agora somente o valor confortável para o repouso e alimento de baratas e traças que se escondem da gente nas frestas do dia.
Entre tanta coisa “inútil” uma revista me chamou a atenção. Ela já circulava em casa há muito tempo e eu nunca tinha me detido em suas páginas para conhecer seu conteúdo. Não sei por que transmitia uma coisa de que “eu não poderia jogá-la fora” como muitas outras.
Sem dar muita importância àquele “oculto instinto”, separei-a para depois folhear. A pequena parcela de curiosidade que me detinha era o fato da revista ser um “Boletim para artes gráficas”, editado como um informativo do Departamento de Artes Gráficas da Kodak do Brasil. Revista datada do ano de 1975. Sem tanto interesse comecei a folheá-la e as primeiras linhas que me chamaram a atenção foram algumas letras minúsculas no canto da primeira página que diziam: “Revista registrada no Serviço de Censura do Departamento de Polícia Federal do Estado de São Paulo”. Era tempo de repressão. O militarismo ainda corroia a liberdade principalmente de imprensa. E assim, como quase tudo que era publicado no país, aquela revista não fugiu a regra e teve que passar por essa inspeção dos militares na época.
Na medida em que as páginas iam virando pude perceber que elas basicamente abrangiam em seu conteúdo critérios rigorosos para compra de equipamentos e a utilização de materiais gráficos considerados “revolucionários” para a época. Hoje, logicamente, ultrapassados. Já pregava o “fim da alquimia” no processamento de fotolitos para acabar com “os problemas na revelação nos métodos convencionais”. Destacava já naquela época a “eminente inserção da mulher nos serviços de artes gráficas” que predominantemente era comandado por homens. Percebi então que aquela revista informativa já era uma revolução para aquele tempo.
Quase no final das páginas havia um edital que mostrava o sucesso que foi os cursos de “Branco & Preto e de Seleção de Cores” oferecidos pelo Centro Educacional de Marketing da Kodak do Brasil na cidade de São Paulo entre novembro de 74 a abril de 75, onde profissionais de todo o Brasil puderam conhecer as “últimas técnicas empregadas na fotografia de artes gráficas”, ficando habilitados para um melhor exercício da profissão. Junto de um breve texto seguiam as fotos das turmas concluintes dos cursos realizados. Ainda meio “absorto” com a matéria vi de repente um rosto conhecido e levei o maior susto: era o de meu pai, num curso realizado entre 03 e 07 de dezembro de 1974. O velho Joaquim Dias estava lá, eternizado entre pessoas do Brasil todo. O caractere, entre outros nomes dizia: “... Joaquim Dias da Editora Santuário, Aparecida-SP”...
Tenho certeza que esta revista, agora uma relíquia, ficou “rondando” por aqui até hoje segura por suas mãos daí de onde está, meu velho.
É assim que cada vez lhe encontro e me surpreendo com essa vida que se segue e com o cálculo que se transformou essa distância entre nós.
É assim meu velho fotógrafo que aprendo cada vez mais porque certas coisas permanecem sem nunca desaparecerem com o tempo e nem se perdem de repente por aí como a bestialidade de coisas comuns.
Feliz dia dos Pais...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O chifre

Por conta de minha filha Larissa estar tendo febre há uns três dias, uma tia de minha esposa, em conversa por telefone, foi sucinta em seu comentário: “Essa menina está assustada ou aguada por alguma coisa”... De fato, em duas idas ao pronto socorro, os pediatras não conseguiram detectar nenhum problema mais grave. Não era garganta, ouvido ou algum dentinho nascendo, o que estava causando estranheza pela febre decorrente. Além de dar o “diagnóstico”, a tia foi logo dizendo o “antídoto” para a cura: chá de hortelã com raspas de chifre de carneiro. Vivi entre as crendices populares típicas de cidades do interior. Convivi com todos os meus avós e minha mãe, nos arautos dos seus 78 anos, ainda prega essa cultura popular de usar plantas e métodos pouco convencionais para curar algum mal. Assim sendo, mesmo cético para algumas coisas na vida, lá fui eu tentar encontrar o tal chifre... Não me aventurei em outro lugar sem antes passar pelo mercadão de Guaratinguetá. A minha intuição estava a…

A Padroeira do Brasil, Nossa Senhora Aparecida

Segundo o relato daquelas humildes pessoas, foram tantos peixes logo conseguido, depois de “aparecida” a imagem, que a canoa ficou cheia. Até ameaçava afundar. Alegraram-se muito com o ocorrido e foram levar o pescado à Câmara Municipal de Santo Antonio de Guaratinguetá, mas primeiro passaram pela casa de Felipe Pedroso e deixaram a preciosa encomenda confiada aos cuidados de Silvana da Rocha, mãe de João, esposa de Domingos e irmã de Felipe. Puseram-na dentro de um baú, enrolada em panos, separada uma parte da outra.
A casa de Silvana foi o primeiro oratório que teve aquela imagem e ficou com ela cerca de nove anos, até 1726, data provável de seu falecimento. Assim tornou-se herdeiro da imagem seu irmão, Felipe Pedroso, o único sobrevivente da milagrosa pescaria.
Sua casa foi o segundo oratório, por seis anos, perto da Ponte do Ribeirão do Sá (proximidade da atual Estação Ferroviária) e também o terceiro, por mais sete anos, na Ponte Alta, para onde se mudara. Em 1739, Felipe Pedroso …

“Heart and Soul”, homenagem ao Nicolau Samahá.

Mesmo mais de trinta anos após sua morte, sempre ouvimos falar de que “Elvis não morreu”. Contudo, Elvis é ainda “o morto que mais vende discos em todo mundo” até hoje. O branco que tinha voz de negro. Elvis deixou este plano no dia 16 de agosto de 1977.
Quando criança, todo dia eu subia à Praça da Igreja Velha pra levar almoço pro meu irmão Roberto Dias que trabalhava no Foto JK. Subia distraído e ficava encantado com os brinquedos dependurados nas portas das muitas lojas que supriam o caminho que levava até à praça. Mas era uma loja em especial que me fazia chegar atrasado ao meu destino: a Loja do Nicolau Samahá. O dia inteiro o ele ficava tocando na vitrola as músicas inesquecíveis do Elvis Presley que me deixavam encantado. Fora isso, as paredes de sua loja eram forradas com pôsteres gigantes do Rei do Rock por todos os cantos. Ele também se fazia parecer muito com o ídolo: Alto, cabelos com topete e costeletas enormes. Camisas chamativas e de golas altas. Parecia o próprio Rei do…