Pular para o conteúdo principal

O amadurecimento do quase.


Trocar o fanatismo pela paixão. Isso aconteceu comigo.
Embora sabedor que muitos de meus colegas corinthianos terão a vontade de me “esganar”, eu torço mesmo querendo enterrar mitos e bobagens, confrontos e apelações que não levam a nada assim como a fúria de alguns torcedores protestando contra a nova camisa grená.
Diante dessas coisas corriqueiras, já como um mero aprendiz de escritor que se inicia nessa empreita em ser jornalista, pergunto: como não se encantar com o time do Santos e com a magia do moleque Neymar? Libero este meu particular encanto ignorando velhos paradoxos futebolísticos. Coisas que o fanatismo de muitos colegas desenha implacáveis, algo repugnante que cerca mentes pequenas.
Longe de mim, escritor menor, querer impor qualquer dinamismo intelectual. Mas foi-se o tempo onde apreciar um futebol bonito era crime. Antes, pobre de mim, era impossível associar qualquer conquista alheia a uma soberba satisfação onde eu poderia escrever uma crônica. Isso, como todos vêem, já não me soa mais como um tabu.
O colunista Chico Sá da Folha escreveu que “triste de quem pensa que uma partida de futebol só começa quando o juiz apita”. O jogo em si começa na véspera, na noite mal dormida, no medo da derrota. Depois, o jogo se arrasta até pra depois do apito final. Em épocas passadas, na curtição desmedida dos outros torcedores, nas piadas prontas, no riso alheio. Hoje, com mensagens no celular, emails, Twiter e a internet em geral. O torcedor maduro então vai se despindo desses trapos e coloca a fase de entendimento em dia com as circunstâncias, pois não há nada a ser feito.
Prestes a conquistar o tricampeonato da Taça Libertadores, o Santos levanta então a velha e amarga lembrança que restaura a inconsolável pergunta: E o Corinthians, quando irá vencer a Libertadores? Mesmo alguns especialistas em futebol não conseguem compor nenhuma plausível resposta, até porque, o futebol encanta por isso, pelo improvável. Na pauta piadista, seria mais fácil “o mar secar”.
E dentro dessa angústia, os mais fanáticos sempre delimitam esse “descuido dos deuses” dizendo que “quando o Corínthians vencer a Libertadores, o torneio não vai valer mais nada”. Explico: pela metafórica identidade assumida de “time caseiro”, o “desdém” vai dizer: “a Libertadores não vale nada, pois até o curíntia já tem”...
Hoje o futebol é muito mais místico que realidade e faz a gente pressentir que algo se desenha no âmago do desconhecido e que será capaz de implodir esta angústia um dia. Vencer este torneio sul-americano seria como vencer o torneio início contra a Catanduvense ou o XV de Jaú. Um troféu a mais na galeria, um simbolismo do comum.
Mas por enquanto vamos deixar que nos cerquem tudo de irônico. Tudo que nos rotule de derrotados e sofredores, pejorativo que já assumimos.
O torcedor maduro é capaz de assimilar a suposta derrota e a extasiante vitória como se tudo fosse uma coisa só. De cerveja em cerveja, o que realmente vale é a festa.
Mesmo que os cotovelos, em total segredo, doam um pouquinho e em silêncio diante de quem faz a farra no momento...

Postagens mais visitadas deste blog

O chifre

Por conta de minha filha Larissa estar tendo febre há uns três dias, uma tia de minha esposa, em conversa por telefone, foi sucinta em seu comentário: “Essa menina está assustada ou aguada por alguma coisa”... De fato, em duas idas ao pronto socorro, os pediatras não conseguiram detectar nenhum problema mais grave. Não era garganta, ouvido ou algum dentinho nascendo, o que estava causando estranheza pela febre decorrente. Além de dar o “diagnóstico”, a tia foi logo dizendo o “antídoto” para a cura: chá de hortelã com raspas de chifre de carneiro. Vivi entre as crendices populares típicas de cidades do interior. Convivi com todos os meus avós e minha mãe, nos arautos dos seus 78 anos, ainda prega essa cultura popular de usar plantas e métodos pouco convencionais para curar algum mal. Assim sendo, mesmo cético para algumas coisas na vida, lá fui eu tentar encontrar o tal chifre... Não me aventurei em outro lugar sem antes passar pelo mercadão de Guaratinguetá. A minha intuição estava a…

A Padroeira do Brasil, Nossa Senhora Aparecida

Segundo o relato daquelas humildes pessoas, foram tantos peixes logo conseguido, depois de “aparecida” a imagem, que a canoa ficou cheia. Até ameaçava afundar. Alegraram-se muito com o ocorrido e foram levar o pescado à Câmara Municipal de Santo Antonio de Guaratinguetá, mas primeiro passaram pela casa de Felipe Pedroso e deixaram a preciosa encomenda confiada aos cuidados de Silvana da Rocha, mãe de João, esposa de Domingos e irmã de Felipe. Puseram-na dentro de um baú, enrolada em panos, separada uma parte da outra.
A casa de Silvana foi o primeiro oratório que teve aquela imagem e ficou com ela cerca de nove anos, até 1726, data provável de seu falecimento. Assim tornou-se herdeiro da imagem seu irmão, Felipe Pedroso, o único sobrevivente da milagrosa pescaria.
Sua casa foi o segundo oratório, por seis anos, perto da Ponte do Ribeirão do Sá (proximidade da atual Estação Ferroviária) e também o terceiro, por mais sete anos, na Ponte Alta, para onde se mudara. Em 1739, Felipe Pedroso …

“Heart and Soul”, homenagem ao Nicolau Samahá.

Mesmo mais de trinta anos após sua morte, sempre ouvimos falar de que “Elvis não morreu”. Contudo, Elvis é ainda “o morto que mais vende discos em todo mundo” até hoje. O branco que tinha voz de negro. Elvis deixou este plano no dia 16 de agosto de 1977.
Quando criança, todo dia eu subia à Praça da Igreja Velha pra levar almoço pro meu irmão Roberto Dias que trabalhava no Foto JK. Subia distraído e ficava encantado com os brinquedos dependurados nas portas das muitas lojas que supriam o caminho que levava até à praça. Mas era uma loja em especial que me fazia chegar atrasado ao meu destino: a Loja do Nicolau Samahá. O dia inteiro o ele ficava tocando na vitrola as músicas inesquecíveis do Elvis Presley que me deixavam encantado. Fora isso, as paredes de sua loja eram forradas com pôsteres gigantes do Rei do Rock por todos os cantos. Ele também se fazia parecer muito com o ídolo: Alto, cabelos com topete e costeletas enormes. Camisas chamativas e de golas altas. Parecia o próprio Rei do…