Pular para o conteúdo principal

Despacho.


Morar na rua vizinha ao velho cemitério Santa Rita proporciona momentos eternos dignos de documentário. Um privilégio que a memória redesenha por anos perpetuando o imaginário como forma sublime de rotular a saudade de um tempo.
A movimentação naquela manhã afetou o cotidiano com impacto. Também pudera: bem no pequeno portão que dava passagem aos restos que vinham do cemitério, uma senhora mulata, toda vestida de branco, espalhava pela calçada em frente seus apetrechos totalmente alheia ao burburinho de quem passava. Alguns, atrasados para a expansão de suas necessidades, olhavam atônitos o desenrolar da velha senhora diante de seu oficio incomum para àquela hora da manhã.
Velhas beatas, espiando pelas janelas, repetiam solenemente o sinal da cruz diante daquela cena. Uma delas debruçou-se ao parapeito colocando uma imagem de santo para que o gesso abençoado protegesse a casa de alguma forma. A fumaça dos charutos espalhados pelo chão subia ao céu sem nenhuma culpa indiferente às palavras desferidas dos curiosos que abanavam a frente do nariz como quem sentia certo nojo daquilo que nem entendiam.
As mães, escoltando as crianças sonolentas que iam para a escola, tapavam seus rostinhos curiosos, com medo que a mandinga desconhecida lhes enchesse de algum quebranto.
E a velha senhora, sentada entre suas cumbucas de barro, se perdia concentrada e solene no seu misticismo um tanto colorido. Mexia uma farofa, baforava outro charuto e jogava cachaça de uma garrafa numa caneca de louça. Virava bifes sangrando de um lado para outro. Espalhava pipocas doces e salgadas pelo redor. Separava algumas folhas de arruda e acendia velas de cores múltiplas. Balbuciava palavras embaralhadas que mais parecia um dialeto perante seus orixás. Beijava seu patuá dependurado no pescoço tentando afastar qualquer mandinga ou desfazer algum feitiço ou vudu.
Anonimamente, alguém ligara para o número da polícia que logo enviou uma “veraneio vascaína” a qual vomitou carrancudos meganhas dispostos a acabar com o despacho da velha mulata. Um deles decidiu apenas recolher a senhora para o interior do camburão e não mexer, por respeito, nos seus apetrechos. Fosse hoje, acho que haveria alguma sensata intervenção para que a velha continuasse com sua servidão ao babalaô.
Das janelas das beatas ainda deu pra se ouvir o “credo”, entoado diante do fim daquilo. O santo exposto foi recolhido de forma vã, pois parecia ter dado mostras de seu poder.
Um senhor pobretão que vivia mexendo nas latas de lixo foi o responsável por recolher os bifes das cumbucas de barro embrulhando-os em papel de pão.
Benzeu-se com uma das mãos e encheu a boca com um gole de cachaça deixada no local, atrapalhando o gari, que com a vassoura, tentava juntar com certo medo os restos de farofa olhada de longe por alguns pardais famintos...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O chifre

Por conta de minha filha Larissa estar tendo febre há uns três dias, uma tia de minha esposa, em conversa por telefone, foi sucinta em seu comentário: “Essa menina está assustada ou aguada por alguma coisa”... De fato, em duas idas ao pronto socorro, os pediatras não conseguiram detectar nenhum problema mais grave. Não era garganta, ouvido ou algum dentinho nascendo, o que estava causando estranheza pela febre decorrente. Além de dar o “diagnóstico”, a tia foi logo dizendo o “antídoto” para a cura: chá de hortelã com raspas de chifre de carneiro. Vivi entre as crendices populares típicas de cidades do interior. Convivi com todos os meus avós e minha mãe, nos arautos dos seus 78 anos, ainda prega essa cultura popular de usar plantas e métodos pouco convencionais para curar algum mal. Assim sendo, mesmo cético para algumas coisas na vida, lá fui eu tentar encontrar o tal chifre... Não me aventurei em outro lugar sem antes passar pelo mercadão de Guaratinguetá. A minha intuição estava a…

A Padroeira do Brasil, Nossa Senhora Aparecida

Segundo o relato daquelas humildes pessoas, foram tantos peixes logo conseguido, depois de “aparecida” a imagem, que a canoa ficou cheia. Até ameaçava afundar. Alegraram-se muito com o ocorrido e foram levar o pescado à Câmara Municipal de Santo Antonio de Guaratinguetá, mas primeiro passaram pela casa de Felipe Pedroso e deixaram a preciosa encomenda confiada aos cuidados de Silvana da Rocha, mãe de João, esposa de Domingos e irmã de Felipe. Puseram-na dentro de um baú, enrolada em panos, separada uma parte da outra.
A casa de Silvana foi o primeiro oratório que teve aquela imagem e ficou com ela cerca de nove anos, até 1726, data provável de seu falecimento. Assim tornou-se herdeiro da imagem seu irmão, Felipe Pedroso, o único sobrevivente da milagrosa pescaria.
Sua casa foi o segundo oratório, por seis anos, perto da Ponte do Ribeirão do Sá (proximidade da atual Estação Ferroviária) e também o terceiro, por mais sete anos, na Ponte Alta, para onde se mudara. Em 1739, Felipe Pedroso …

“Heart and Soul”, homenagem ao Nicolau Samahá.

Mesmo mais de trinta anos após sua morte, sempre ouvimos falar de que “Elvis não morreu”. Contudo, Elvis é ainda “o morto que mais vende discos em todo mundo” até hoje. O branco que tinha voz de negro. Elvis deixou este plano no dia 16 de agosto de 1977.
Quando criança, todo dia eu subia à Praça da Igreja Velha pra levar almoço pro meu irmão Roberto Dias que trabalhava no Foto JK. Subia distraído e ficava encantado com os brinquedos dependurados nas portas das muitas lojas que supriam o caminho que levava até à praça. Mas era uma loja em especial que me fazia chegar atrasado ao meu destino: a Loja do Nicolau Samahá. O dia inteiro o ele ficava tocando na vitrola as músicas inesquecíveis do Elvis Presley que me deixavam encantado. Fora isso, as paredes de sua loja eram forradas com pôsteres gigantes do Rei do Rock por todos os cantos. Ele também se fazia parecer muito com o ídolo: Alto, cabelos com topete e costeletas enormes. Camisas chamativas e de golas altas. Parecia o próprio Rei do…