Pular para o conteúdo principal

De outros Carnavais...


A bagunça que se formava no dia em que o bloco “Sai que é rolo, deita e rola” desfilava era intensa.
Desde a tarde, a concentração nos botecos da Rua Santa Rita tinha clima de apoteose. Quem não gostava muito da bagunça era o Sãopaulino Ananias. Apesar de faturar uns Cruzeiros extras, ele detestava aqueles bêbados que só entravam no seu bar nessa época de carnaval e folgavam no ambiente como se fossem velhos freguêses do buteco.
Mas o Nanias ficava na dele. Fritando seu pernil pra colocar no pão quando alguém pedia e lavando seus copos na pia. Fazia questão de tratar todos com o devido respeito. Os mais engraçadinhos, eram servidos com uma “Antarctica morna”, pra tomar só aquela e sumir dali. Era sua tática pra selecionar melhor a criantela.
Deu azar quando naquela noite entrou um “curintiano” embriagado no bar e foi logo metendo a mão na estufa que abrigava alguns torresmos fritos. O bacana pediu uma pinga, uma cerveja e foi tirando do bolso uma nota de 100 Cruzeiros, a mais alta da época.
-Eu gosto de beber e pagar pra não dar chance pro dono do bar errar na conta.
Foi o que o Nanias ouviu do camarada que já “trançava as pernas” apoiado no balcão.
Querendo mostrar sua autoridade, o dono do bar retrucou:
-Olha a, a, a, aqui, “cê” bebe quieto no seu ca, a, anto viu meu amigo pra nã, ã, ão complicar pra nóis viu?
Ele nem deu muito ouvido pro Nanias e continuou fazendo sua farra. Outra cerveja, outra pinga e tome nota de 100 Cruzeiros...
A bagunça aumentava assim que as horas da noite arrastavam os ponteiros do relógio. Uma concentração de foliões que bebiam sem se importar com o tempo. Vez ou outra uma discussão e logo o lendário “Brinjela” fazia nascer novamente a alegria.
Nessas auturas, o bacana cheio da grana não estava mais conseguindo parar de pé. Aconselhado por um amigo acabou indo lavar o rosto na pia do banheiro do Bar do Nanias.
Mas a demora do bebum que se trancara lá dentro foi irritando o Nanias que já não conseguia nem falar mais, gaguejando de tão nervoso.
Sem ter o que fazer, já que o balcão estava lotado, com uma caneta ele escreveu numa folha de papel de pão a frase: “banheiro estragado”, e colou o cartaz na porta do banheiro. Assim ele não se irritaria mais com a “gentarada” querendo usar o banheiro sem poder fazê-lo
O “Bloco Sai que é rolo, deita e rola” desceu enfim a Rua Floriano Peixoto pra ganhar a praça de São Benedito. Foguetes anunciavam a apotesose regada a muita cachaça. Um enorme garrafão, confeccionado pelo Tó Buttignon, era o carro abre alas da festa. Muita gente cantando e dançando se arrastando atrás do bloco comandado pela Binda, pelo Neguito e o Chico Batata.
Em pouco tempo, a Rua Santa Rita acomodou-se num eminente silêncio, trazendo só o velho cemitério como testemunha. Ao longe ainda se podia ouvir os fogos espocando lá no céu da praça.
Varrendo as bitas pelo chão do bar, o velho Nanias levou o maior susto quando o bebum saiu de repente do banheiro acordando de um sono profundo. O Nanias tinha até esquecido dele lá dento.
A pergunta dele foi inevitável e inesperada:
-Ei senhor, dono do bar, que dia que vai sair o bloco “sai que é rolo, deita e rola”?
Apesar de chato, o bacana tinha gasto bem naquela noite. E para não perder aquele “belo” freguês, o Nanias respondeu:
-É amanhã meu a, a, a, a amigo. Já vou colocar agora as cerve, ve, ve, vejas na geladeira pra estar bem ge, e, e, elada pra festa. Amanhã “cê” volta viu...
Ainda cambetiando pela calçada e sem a noção exata do tempo, com o polegar direito ele fez um sinal de positivo pro Nanias. Nem lembrava que o “amanhã” era quarta-feira de cinzas.
Antes de abaixar a porta de aço do buteco, Nanias foi conferir se o bebum não tinha deixado cair nenhuma nota no chão do banheiro.
O único barulho então foi do “Corcelzinho” verde levando o velho Nanias pra casa com o bolso cheio de notas de cem. Nunca havia faturado tanto.
Nem em outros carnavais...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O chifre

Por conta de minha filha Larissa estar tendo febre há uns três dias, uma tia de minha esposa, em conversa por telefone, foi sucinta em seu comentário: “Essa menina está assustada ou aguada por alguma coisa”... De fato, em duas idas ao pronto socorro, os pediatras não conseguiram detectar nenhum problema mais grave. Não era garganta, ouvido ou algum dentinho nascendo, o que estava causando estranheza pela febre decorrente. Além de dar o “diagnóstico”, a tia foi logo dizendo o “antídoto” para a cura: chá de hortelã com raspas de chifre de carneiro. Vivi entre as crendices populares típicas de cidades do interior. Convivi com todos os meus avós e minha mãe, nos arautos dos seus 78 anos, ainda prega essa cultura popular de usar plantas e métodos pouco convencionais para curar algum mal. Assim sendo, mesmo cético para algumas coisas na vida, lá fui eu tentar encontrar o tal chifre... Não me aventurei em outro lugar sem antes passar pelo mercadão de Guaratinguetá. A minha intuição estava a…

A Padroeira do Brasil, Nossa Senhora Aparecida

Segundo o relato daquelas humildes pessoas, foram tantos peixes logo conseguido, depois de “aparecida” a imagem, que a canoa ficou cheia. Até ameaçava afundar. Alegraram-se muito com o ocorrido e foram levar o pescado à Câmara Municipal de Santo Antonio de Guaratinguetá, mas primeiro passaram pela casa de Felipe Pedroso e deixaram a preciosa encomenda confiada aos cuidados de Silvana da Rocha, mãe de João, esposa de Domingos e irmã de Felipe. Puseram-na dentro de um baú, enrolada em panos, separada uma parte da outra.
A casa de Silvana foi o primeiro oratório que teve aquela imagem e ficou com ela cerca de nove anos, até 1726, data provável de seu falecimento. Assim tornou-se herdeiro da imagem seu irmão, Felipe Pedroso, o único sobrevivente da milagrosa pescaria.
Sua casa foi o segundo oratório, por seis anos, perto da Ponte do Ribeirão do Sá (proximidade da atual Estação Ferroviária) e também o terceiro, por mais sete anos, na Ponte Alta, para onde se mudara. Em 1739, Felipe Pedroso …

“Heart and Soul”, homenagem ao Nicolau Samahá.

Mesmo mais de trinta anos após sua morte, sempre ouvimos falar de que “Elvis não morreu”. Contudo, Elvis é ainda “o morto que mais vende discos em todo mundo” até hoje. O branco que tinha voz de negro. Elvis deixou este plano no dia 16 de agosto de 1977.
Quando criança, todo dia eu subia à Praça da Igreja Velha pra levar almoço pro meu irmão Roberto Dias que trabalhava no Foto JK. Subia distraído e ficava encantado com os brinquedos dependurados nas portas das muitas lojas que supriam o caminho que levava até à praça. Mas era uma loja em especial que me fazia chegar atrasado ao meu destino: a Loja do Nicolau Samahá. O dia inteiro o ele ficava tocando na vitrola as músicas inesquecíveis do Elvis Presley que me deixavam encantado. Fora isso, as paredes de sua loja eram forradas com pôsteres gigantes do Rei do Rock por todos os cantos. Ele também se fazia parecer muito com o ídolo: Alto, cabelos com topete e costeletas enormes. Camisas chamativas e de golas altas. Parecia o próprio Rei do…