Pular para o conteúdo principal

As ruínas da nossa história (01)


Pior do que as sombras que escurecem parte do patrimônio de um lugar é o descaso que deixa em ruínas e põe abaixo a História.
Um caso passado quase despercebido à época foi a demolição de um enorme casarão que ficava na antiga Praça Kennedy, local onde hoje acontece a feira livre. Segundo informações, este casarão era de propriedade da Fabrica de Papel Nossa Senhora Aparecida.
Outra cicatriz que também ficou foi a demolição da Casa dos Barretos, que ficava na Rua Barão do Rio Branco, símbolo de uma família de músicos e heróis. O museólogo César Maia, ainda teve a perspicácia em recolher, com familiares, duas maçanetas antigas de louça que hoje estão expostas no quase esquecido Museu José Luiz Pasin.
Há poucos dias, a notícia da iminente demolição do antigo prédio que há 88 anos abriga o conhecido Hotel Recreio, na Praça Nossa Senhora Aparecida, fez surgir uma dileta discussão sobre o Tombamento de alguns prédios históricos.
Num rápido, mas importante levantamento do amigo Renato Philippini, descobriu-se que, pelo CONDEPHAAT, existem apenas 3 tombamentos a nível estadual em Aparecida: A Imagem de Nossa Senhora, a Basílica Velha e o Prédio da Escola Chagas Pereira, quase centenário.
Houve um questionamento sobre a Estação Ferroviária. Renato Philippini também postou um link onde é possível saber que a Estação de Aparecida fazia parte do patrimônio da extinta RFFSA e ficou sob a responsabilidade do município através de um programa de destinação de patrimônio em apoio ao desenvolvimento local.
Na esfera federal, tendo como órgão o IPHAN, não existe nenhum tombamento relacionado ao nosso município. Renato ainda estuda sobre os tombamentos na esfera municipal.
Os ventos de demolição ainda não atingiram um antigo casarão, que ostenta o ano de sua construção – 1896 – e que fica na Rua Dr. Lycurgo Santos, a antiga Rua da Estação.
Na Rua Vereador Oswaldo Elache, antiga Rua Major Martiniano, resiste também a arquitetura do Palace Hotel, que ostenta a inscrição “1916 E.M.”. Nesse palacete, uma espécie de quartel das forças paulistas na Revolução de 1932, foi assinado o Armistício que colocou fim aos combates na frente norte. Outra informação esquecida nessa amnésia histórica de Aparecida, revelando que o desprezo pela memória persiste.
Resiste ainda a antiga casa da Família Azen, construído pelo avô do Sr. Fernando Rangel, Rachid Azen, na Rua Barão do Rio Branco. Na Rua Oliveira Braga se encontram a casa da Família Chagas Maciel, dos amigos Dora e Maurício e o Casarão da Família Braga. O antigo Hotel Globo, que fica atrás da Basílica Velha, também resiste, tendo a Família Marzano como a mais antiga a ser lembrada dessa propriedade.
Quando se tem uma decisão para uma obra sair, os órgãos técnicos, como o IPHAN, muitas vezes não conseguem impedir que ela vá adiante. Pouco resta do nosso Centro Histórico. Casarões foram demolidos deixando muita memória enterrada pra sempre. 
Ao manter a fachada do Hotel Recreio intacta, os responsáveis pelo novo empreendimento conseguirão preservar uma parte dessa história perdida.
A nossa inércia, aliada à incapacidade e inoperância da nossa municipalidade, sempre encontra a desculpa na palavra “progresso”.
Lidamos com coisas que estão continuamente desaparecendo e, uma vez desaparecidas, não há mecanismo no mundo capaz de trazê-las de volta.


Postagens mais visitadas deste blog

O chifre

Por conta de minha filha Larissa estar tendo febre há uns três dias, uma tia de minha esposa, em conversa por telefone, foi sucinta em seu comentário: “Essa menina está assustada ou aguada por alguma coisa”... De fato, em duas idas ao pronto socorro, os pediatras não conseguiram detectar nenhum problema mais grave. Não era garganta, ouvido ou algum dentinho nascendo, o que estava causando estranheza pela febre decorrente. Além de dar o “diagnóstico”, a tia foi logo dizendo o “antídoto” para a cura: chá de hortelã com raspas de chifre de carneiro. Vivi entre as crendices populares típicas de cidades do interior. Convivi com todos os meus avós e minha mãe, nos arautos dos seus 78 anos, ainda prega essa cultura popular de usar plantas e métodos pouco convencionais para curar algum mal. Assim sendo, mesmo cético para algumas coisas na vida, lá fui eu tentar encontrar o tal chifre... Não me aventurei em outro lugar sem antes passar pelo mercadão de Guaratinguetá. A minha intuição estava a…

A Padroeira do Brasil, Nossa Senhora Aparecida

Segundo o relato daquelas humildes pessoas, foram tantos peixes logo conseguido, depois de “aparecida” a imagem, que a canoa ficou cheia. Até ameaçava afundar. Alegraram-se muito com o ocorrido e foram levar o pescado à Câmara Municipal de Santo Antonio de Guaratinguetá, mas primeiro passaram pela casa de Felipe Pedroso e deixaram a preciosa encomenda confiada aos cuidados de Silvana da Rocha, mãe de João, esposa de Domingos e irmã de Felipe. Puseram-na dentro de um baú, enrolada em panos, separada uma parte da outra.
A casa de Silvana foi o primeiro oratório que teve aquela imagem e ficou com ela cerca de nove anos, até 1726, data provável de seu falecimento. Assim tornou-se herdeiro da imagem seu irmão, Felipe Pedroso, o único sobrevivente da milagrosa pescaria.
Sua casa foi o segundo oratório, por seis anos, perto da Ponte do Ribeirão do Sá (proximidade da atual Estação Ferroviária) e também o terceiro, por mais sete anos, na Ponte Alta, para onde se mudara. Em 1739, Felipe Pedroso …

“Heart and Soul”, homenagem ao Nicolau Samahá.

Mesmo mais de trinta anos após sua morte, sempre ouvimos falar de que “Elvis não morreu”. Contudo, Elvis é ainda “o morto que mais vende discos em todo mundo” até hoje. O branco que tinha voz de negro. Elvis deixou este plano no dia 16 de agosto de 1977.
Quando criança, todo dia eu subia à Praça da Igreja Velha pra levar almoço pro meu irmão Roberto Dias que trabalhava no Foto JK. Subia distraído e ficava encantado com os brinquedos dependurados nas portas das muitas lojas que supriam o caminho que levava até à praça. Mas era uma loja em especial que me fazia chegar atrasado ao meu destino: a Loja do Nicolau Samahá. O dia inteiro o ele ficava tocando na vitrola as músicas inesquecíveis do Elvis Presley que me deixavam encantado. Fora isso, as paredes de sua loja eram forradas com pôsteres gigantes do Rei do Rock por todos os cantos. Ele também se fazia parecer muito com o ídolo: Alto, cabelos com topete e costeletas enormes. Camisas chamativas e de golas altas. Parecia o próprio Rei do…