Pular para o conteúdo principal

Fugindo da realidade.


Quando o time da gente não anda bem das pernas falam de tudo e acontece de tudo. Mesmo assim, o corinthiano segue acreditando em dias melhores. Sofrendo o diabo em cada esquina, em cada emprego, em cada boteco da vida afora onde o porre fica amargo demais para gente voltar a sorrir.
Após uma dessas rotineiras derrotas, quando eu ainda trabalhava na Santa Casa de Aparecida, numa madrugada fria, eis que chega ao pronto socorro a ambulância do Potim trazendo um rapaz totalmente desacordado. A ingestão demasiada de álcool fez com que o cidadão desmaiasse e desse o maior trabalho para a enfermagem retirá-lo do carro. Encaminhado ao leito, o médico de plantão já prescreveu pela experiência a “milagrosa” glicose na veia do cidadão que seguiu dormindo sob observação.
Ás seis horas da manhã um membro da enfermagem pediu meu auxilio pra que puséssemos o “bebum” debaixo do chuveiro, pois, durante seu sono, havia o cidadão feito suas necessidades fisiológicas na cama onde estava. Sujou-se todo.
Antes de adentrar ao quarto já senti um cheiro forte. Mas narinas, já acostumadas com certos odores, não estranharam tanto.
O estado do indivíduo era deplorável. Coloquei luvas e, enquanto o outro ligava o chuveiro eu falava com o cidadão:
-Acorda cara. Já são seis da manhã. Sua família deve estar preocupada contigo...
Ele me entreolhava e tentava resmungar alguma coisa. Eu seguia falando:
-Levanta então pra tomar um banho e colocar roupas limpas pra você ir pra casa.
Nesse instante, num impulso ele me desferiu um palavrão dizendo:
-Não me enche o saco! Me deixa dormir seu filho da puta...
Haja paciência.
Por muito custo e de tanto eu ficar chamando ele se levantou. Ainda “cambetiando” me falou coisas sem nexo. Eu o segurava pelo braço pra evitar alguma queda.
No banheiro a situação piorou. O cidadão começou a "encrespar" e quem disse que alguém o fazia entrar em baixo do chuveiro?
Aí a minha ladainha recomeçava:
-Vai amigo, ajuda. Tira essa roupa suja e entra na água vai.
Já “fulo” da vida eu tive que gritar com ele:
-Vai irmão, colabora pô. Tira logo essa roupa suja “parmerênse”. Chega de graça...
Foi aí que ele ficou furioso e resmungando me respondeu:
-Palmeirense não seu filho da puta, olha só...
Num só golpe ele levantou sua blusa embebida em urina e mostrou a sua camisa que estava sob o agasalho com a inscrição “Gaviões da Fiel”.
Sua resistência começou a ruir quando eu lhe perguntei me fingindo bravo:
-E o nosso “curíntia” ontem hein amigo? Nosso time tava de brincadeira.
Ele menos intransigente concordava e parou de dar trabalho.
Hoje posso afirmar que cada porre representa muito mais que o esquecimento de alguma coisa que nos magoa. Caracteriza-se ás vezes numa brutal superação diante dessa cruel realidade alternada em tristezas e alegrias. Sóbrias filosofias que paulatinamente vão se transformando em bêbadas teorias que nos colocam inconscientes por instantes eternos. Mágica relutância diante de momentos ruins que superam a derrota. Milhões de motivos pra continuar acreditando e seguir tomando “de vez em sempre” outro porre pra tentar esquecer o bendito “Tolima” e a nossa eterna sina na Libertadores da América...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O chifre

Por conta de minha filha Larissa estar tendo febre há uns três dias, uma tia de minha esposa, em conversa por telefone, foi sucinta em seu comentário: “Essa menina está assustada ou aguada por alguma coisa”... De fato, em duas idas ao pronto socorro, os pediatras não conseguiram detectar nenhum problema mais grave. Não era garganta, ouvido ou algum dentinho nascendo, o que estava causando estranheza pela febre decorrente. Além de dar o “diagnóstico”, a tia foi logo dizendo o “antídoto” para a cura: chá de hortelã com raspas de chifre de carneiro. Vivi entre as crendices populares típicas de cidades do interior. Convivi com todos os meus avós e minha mãe, nos arautos dos seus 78 anos, ainda prega essa cultura popular de usar plantas e métodos pouco convencionais para curar algum mal. Assim sendo, mesmo cético para algumas coisas na vida, lá fui eu tentar encontrar o tal chifre... Não me aventurei em outro lugar sem antes passar pelo mercadão de Guaratinguetá. A minha intuição estava a…

A Padroeira do Brasil, Nossa Senhora Aparecida

Segundo o relato daquelas humildes pessoas, foram tantos peixes logo conseguido, depois de “aparecida” a imagem, que a canoa ficou cheia. Até ameaçava afundar. Alegraram-se muito com o ocorrido e foram levar o pescado à Câmara Municipal de Santo Antonio de Guaratinguetá, mas primeiro passaram pela casa de Felipe Pedroso e deixaram a preciosa encomenda confiada aos cuidados de Silvana da Rocha, mãe de João, esposa de Domingos e irmã de Felipe. Puseram-na dentro de um baú, enrolada em panos, separada uma parte da outra.
A casa de Silvana foi o primeiro oratório que teve aquela imagem e ficou com ela cerca de nove anos, até 1726, data provável de seu falecimento. Assim tornou-se herdeiro da imagem seu irmão, Felipe Pedroso, o único sobrevivente da milagrosa pescaria.
Sua casa foi o segundo oratório, por seis anos, perto da Ponte do Ribeirão do Sá (proximidade da atual Estação Ferroviária) e também o terceiro, por mais sete anos, na Ponte Alta, para onde se mudara. Em 1739, Felipe Pedroso …

“Heart and Soul”, homenagem ao Nicolau Samahá.

Mesmo mais de trinta anos após sua morte, sempre ouvimos falar de que “Elvis não morreu”. Contudo, Elvis é ainda “o morto que mais vende discos em todo mundo” até hoje. O branco que tinha voz de negro. Elvis deixou este plano no dia 16 de agosto de 1977.
Quando criança, todo dia eu subia à Praça da Igreja Velha pra levar almoço pro meu irmão Roberto Dias que trabalhava no Foto JK. Subia distraído e ficava encantado com os brinquedos dependurados nas portas das muitas lojas que supriam o caminho que levava até à praça. Mas era uma loja em especial que me fazia chegar atrasado ao meu destino: a Loja do Nicolau Samahá. O dia inteiro o ele ficava tocando na vitrola as músicas inesquecíveis do Elvis Presley que me deixavam encantado. Fora isso, as paredes de sua loja eram forradas com pôsteres gigantes do Rei do Rock por todos os cantos. Ele também se fazia parecer muito com o ídolo: Alto, cabelos com topete e costeletas enormes. Camisas chamativas e de golas altas. Parecia o próprio Rei do…