Pular para o conteúdo principal

Os Apelidos Aparecidenses – Parte 2

João Sirí
Apelido normalmente é uma coisa que ninguém gosta. Todos já tiveram algum nos tempos do colégio, mas a maioria se perde pelo tempo.
Em quase todos os casos, o apelido fica quando a pessoa se sente incomodada ou atingida em cheio por ele. Em tempos de “bullying”, o apelido acabou se tornando um vilão.
Mas notamos que muitas das pessoas “rebatizadas” em seus apelidos acabaram se incorporando de tal forma com a denominação que suas verdadeiras identidades corriam paralelas sendo usadas somente no cumprimento civil.
Os apelidos mais populares em Aparecida atravessaram o tempo. Com eles, vinham antes os nomes ou parte deles numa nítida expressão que fosse capaz de “separar” um Zé de outro ou um João de outro João.
Aqui, alguns apelidos que ainda fazem história e outros que ficaram na memória do lugar:
Hitler, Hélio Bolinho, Henrique Tripa, il, ipê, ica, iê, ico, itu, iti, iéié, inhame, Índio do Brasil, Itaguaçú, Indião, Jóca, Juca, Japa, Jura, Jejeco, Jabuca, Juquinha, João Cabecinha, João Banana, João Mascote, João Sim Sinhô, João Linguiça, João Tabuínha, Joaquim do Rio Manso, João Mãozinha, João Terninho, João Fominha, João Loló, João Major, Jorge Aritana, Jair Socó, Júlio Morto, João Barbeiro, João Cabelinho, João Bigode, João Sordado, Joaquim Preto, João Terrão, Jacó do Gesso, João da Cianorte, Juro por Deus, Jota Jota, João Leitão, João Grilo, João Siri, João Leão, João Minhoca, João Pisirico, Jorge Capenga, Júlio Passarinho, Joinha, João Boi, Jaracuçú, Jacaré, Juba, Kurú, Kéu, Kiko, Kurt, Kibinho, Kim Jóia, Ki Suco, Kekão, Keké, Kéco, Kito, Kid Amora, Lô, Lica, Léla, Leco, Leca, Lico, Lola, Lia, Lila, Lelé, Lili, Lulu, Lalá, Lilico, Larico, Limpinho, Luiz Xaxá, Luiz Quadrado, Luiz Lojinha, Luis Matriz, Luiz Funga Funga, Luiz Japonês, Luis de Óculos, Luiz Turco, Luiz Barbeiro, Luiz Empada, Luiz Fumaça, Lipão, Luiz Paiol, Lamparina, Lindo, Lobão, Lobinho, Lagarto, Loro, Lambari, Lula, Ligeirinho, Mi, Mil, Mel, Miro, Mica, Majú, Maçã, Meia, Milão, Memé, Massa, Magal, Malão, Mazola, Major, Mazito, Maneco, Maninho, Milinho, Merinho, Micarmo, Manteguinha, Mazinho, Marzinho, Moranguinho, Mundinho, Mané Gago, Mané Gordo, Mané Cunheiro, Marlon Muleta, Mané Mané, Marcelo A Lenda, Mané Maior, Milton Flores, Maestro, Monzala, Meio Quilo, Marcha Lenta, Manelão, Marreta, Mengo, Marrom, Maguila, Mãe de Todas, Mancha, Marmita, Mironga, Maria Cascavel, Monêgo, Macaquinho, Marquinho Tiziu, Marco Onça, Mané Escorpião, Marreco, Marcelo Beronha, Marimbondo, Mortadela, Mandi, Mamute, Musquito, Marquinho Pardal, Mudinho, Nê, Nil, Nel, Neu, Nica, Nico, Neco, Nêno, Nilo, Nhão, Nila, Nina, Nenê, Nonô, Naná, Nâna, Nhóla, Ninita, Niquinho, Nhá Brisa, Neguito, Necão, Ninão, Nê Curintiano, Nanêga, Netão, Nei Lebrinha, Oto, Oreia, Orito, Oscar Fiscal, Orlando Perigoso, Pê, Peí, Piu, Pajé, PTB, Pila, Paiá, Pêpa, Pépe, Pidi, Pita, Piri, Pipa, Paco, Popó, Pepê, Pinho, Prica, Pingo, Padre, Pirica, Pelado, Pituca, Piu piu, Pingó, Pipoca, Pepino, Paçoca, Pintor, Parmerinha, Pimenta, Paquinha, Pinguinha, Pãozinho, Peneirinha, Padrinho, Paquinho, Peninha, Paulo Xuxa, Pedro Querosene, Pedro Saquinho, Paulinho Feroz, Pedro Bicheiro, Pedro Bala, Paulinho Paíca, Paulo Perna Aberta, Paulinho da Renovação, Paulinho Biscuí, Paulinho Moligato, Pai Jorge, Paulinho Costela, Piquira, Panchito, Paquito, Portuga, Paiakan, Pelé Bocão, Peito Seco, Pezão, Picão, Pururuca, Panchico, Pedra Roxa, Panca, Pança, Pão Doce, Promessa, Pão Mucho, Parafuso, Pastel, Pelego, Preto Rico, Paradinha Licença, Preto, Pelúcia, Pacal, Pedro Bode, Pão com Carne, Purguinha, Pardal, Peru Branco, Peru Preto, Porco, Purgão, Peito de Pomba,  Piaba, Porcão, Pantera, Piriquito, Pintinho, Paulo Carita, Perereca, Pinóquio, Peroba, Queijo, Quick, Quinho, Quebra Mio, Quendien, Quijarra, Quer Vender a Fazenda?, Quentão, Queijada...


Postagens mais visitadas deste blog

O chifre

Por conta de minha filha Larissa estar tendo febre há uns três dias, uma tia de minha esposa, em conversa por telefone, foi sucinta em seu comentário: “Essa menina está assustada ou aguada por alguma coisa”... De fato, em duas idas ao pronto socorro, os pediatras não conseguiram detectar nenhum problema mais grave. Não era garganta, ouvido ou algum dentinho nascendo, o que estava causando estranheza pela febre decorrente. Além de dar o “diagnóstico”, a tia foi logo dizendo o “antídoto” para a cura: chá de hortelã com raspas de chifre de carneiro. Vivi entre as crendices populares típicas de cidades do interior. Convivi com todos os meus avós e minha mãe, nos arautos dos seus 78 anos, ainda prega essa cultura popular de usar plantas e métodos pouco convencionais para curar algum mal. Assim sendo, mesmo cético para algumas coisas na vida, lá fui eu tentar encontrar o tal chifre... Não me aventurei em outro lugar sem antes passar pelo mercadão de Guaratinguetá. A minha intuição estava a…

A Padroeira do Brasil, Nossa Senhora Aparecida

Segundo o relato daquelas humildes pessoas, foram tantos peixes logo conseguido, depois de “aparecida” a imagem, que a canoa ficou cheia. Até ameaçava afundar. Alegraram-se muito com o ocorrido e foram levar o pescado à Câmara Municipal de Santo Antonio de Guaratinguetá, mas primeiro passaram pela casa de Felipe Pedroso e deixaram a preciosa encomenda confiada aos cuidados de Silvana da Rocha, mãe de João, esposa de Domingos e irmã de Felipe. Puseram-na dentro de um baú, enrolada em panos, separada uma parte da outra.
A casa de Silvana foi o primeiro oratório que teve aquela imagem e ficou com ela cerca de nove anos, até 1726, data provável de seu falecimento. Assim tornou-se herdeiro da imagem seu irmão, Felipe Pedroso, o único sobrevivente da milagrosa pescaria.
Sua casa foi o segundo oratório, por seis anos, perto da Ponte do Ribeirão do Sá (proximidade da atual Estação Ferroviária) e também o terceiro, por mais sete anos, na Ponte Alta, para onde se mudara. Em 1739, Felipe Pedroso …

“Heart and Soul”, homenagem ao Nicolau Samahá.

Mesmo mais de trinta anos após sua morte, sempre ouvimos falar de que “Elvis não morreu”. Contudo, Elvis é ainda “o morto que mais vende discos em todo mundo” até hoje. O branco que tinha voz de negro. Elvis deixou este plano no dia 16 de agosto de 1977.
Quando criança, todo dia eu subia à Praça da Igreja Velha pra levar almoço pro meu irmão Roberto Dias que trabalhava no Foto JK. Subia distraído e ficava encantado com os brinquedos dependurados nas portas das muitas lojas que supriam o caminho que levava até à praça. Mas era uma loja em especial que me fazia chegar atrasado ao meu destino: a Loja do Nicolau Samahá. O dia inteiro o ele ficava tocando na vitrola as músicas inesquecíveis do Elvis Presley que me deixavam encantado. Fora isso, as paredes de sua loja eram forradas com pôsteres gigantes do Rei do Rock por todos os cantos. Ele também se fazia parecer muito com o ídolo: Alto, cabelos com topete e costeletas enormes. Camisas chamativas e de golas altas. Parecia o próprio Rei do…