Pular para o conteúdo principal

Passado, presente e futuro: A dinastia Wendling em Aparecida.



Na lista de eleitores no ano de 1900 em Aparecida é possível subtrair entre outros o nome do Sr. Carlos Wendling. Homem representativo da época que, muito provavelmente, participou dos movimentos de emancipação do nosso município entre 1895 a 1898.
Através do livro Nossas Origens número 3 do historiador mestre Benedicto Lourenço podemos saber que Carlos Wendling, nascido em Petrópolis/RJ em 1875, era conhecido pelo comércio de ervas medicinais. Emancipacionista de Aparecida em 1928 apoiou financeiramente o movimento.
84 anos depois, a história política de Aparecida se confunde de novo com outro “Wendling”. Aclamado nas últimas eleições com 1391 votos, o mais votado candidato a vereador, Carlos Rodrigo Assis Wendling, ou simplesmente “Diguinho” vem de uma forma notória tentar mudar o rumo da Câmara Municipal de Aparecida. Colocar rédeas neste sistema político defasado, embasado na humildade, coragem, competência e acima de tudo: honestidade. 
Bisneto de Carlos Wendling, ele é puro coração. Quem o conhece sabe do que falo...
Uma pessoa de caráter definido, de amizade límpida. A diferença que faltava.
Este ano, o meu camarada Diguinho acabou me emocionando por três vezes.
A primeira foi quando no carnaval uma proibição em realizar um jogo beneficente em prol da Santa Casa com os masters do Corinthians deixou certa evidência de como funcionava a “politicagem” por aqui.  Castrado de alegria por ser da oposição, o vi em prantos quando embargaram o evento onde as autoridades disseram que as estruturas das arquibancas do estádio Penidão estavam condenadas. Mesmo assim, triste, porém absoluto, o Bloco da Fiel saiu...
Depois disso, foi quando trocávamos mensagens pela internet e ele estava na Argentina esperando para assistir o primeiro jogo na Bombonera entre Corinthians e Boca Jrs. pelas finais da Libertadores. Admirei a coragem dele em estar lá enfrentando um clima hostil. Tudo pela fidelidade sem igual que exala deste corinthianismo.
A outra finalmente foi quando a repórter da Rádio Aparecida começou a dar os nomes dos vereadores eleitos no último dia 04 de outubro. O nome dele encabeçava a lista sendo o mais votado. Expressiva presença que fez extravasar a alegria composta de muito suor e muita luta. Uma luta desigual, sem dinheiro, sem influência importante. Uma luta travada contra coronéis que agora estão derrotados.
Candidatos que estiveram por anos no poder apenas pela compra descarada de votos. Que nada fizeram de importante e só assinaram leis de interesses próprios e obscuros para a população.
Essa é a força da juventude aparecidense. Uma juventude que deixa a condição desencontrada dos tempos de antes e que assinala agora a responsabilidade. Que direciona Aparecida aos rumos da modernidade e do dinamismo.
É uma pena que a história ainda desenhe lacunas de mais de oitenta anos para colocar no caminho do progresso de nossa cidade pessoas como “os Wendlings”.
Mas é deveras honroso poder ser contemporâneo de uma dessas pessoas que nasceram pra brilhar.
Parabéns Diguinho pelo feito memorável na história política de Aparecida. Que sua competência reescreva com letras garrafais a importância dessa sua dinastia no nosso tempo. Presente e futuro... 

  

Postagens mais visitadas deste blog

O chifre

Por conta de minha filha Larissa estar tendo febre há uns três dias, uma tia de minha esposa, em conversa por telefone, foi sucinta em seu comentário: “Essa menina está assustada ou aguada por alguma coisa”... De fato, em duas idas ao pronto socorro, os pediatras não conseguiram detectar nenhum problema mais grave. Não era garganta, ouvido ou algum dentinho nascendo, o que estava causando estranheza pela febre decorrente. Além de dar o “diagnóstico”, a tia foi logo dizendo o “antídoto” para a cura: chá de hortelã com raspas de chifre de carneiro. Vivi entre as crendices populares típicas de cidades do interior. Convivi com todos os meus avós e minha mãe, nos arautos dos seus 78 anos, ainda prega essa cultura popular de usar plantas e métodos pouco convencionais para curar algum mal. Assim sendo, mesmo cético para algumas coisas na vida, lá fui eu tentar encontrar o tal chifre... Não me aventurei em outro lugar sem antes passar pelo mercadão de Guaratinguetá. A minha intuição estava a…

A Padroeira do Brasil, Nossa Senhora Aparecida

Segundo o relato daquelas humildes pessoas, foram tantos peixes logo conseguido, depois de “aparecida” a imagem, que a canoa ficou cheia. Até ameaçava afundar. Alegraram-se muito com o ocorrido e foram levar o pescado à Câmara Municipal de Santo Antonio de Guaratinguetá, mas primeiro passaram pela casa de Felipe Pedroso e deixaram a preciosa encomenda confiada aos cuidados de Silvana da Rocha, mãe de João, esposa de Domingos e irmã de Felipe. Puseram-na dentro de um baú, enrolada em panos, separada uma parte da outra.
A casa de Silvana foi o primeiro oratório que teve aquela imagem e ficou com ela cerca de nove anos, até 1726, data provável de seu falecimento. Assim tornou-se herdeiro da imagem seu irmão, Felipe Pedroso, o único sobrevivente da milagrosa pescaria.
Sua casa foi o segundo oratório, por seis anos, perto da Ponte do Ribeirão do Sá (proximidade da atual Estação Ferroviária) e também o terceiro, por mais sete anos, na Ponte Alta, para onde se mudara. Em 1739, Felipe Pedroso …

“Heart and Soul”, homenagem ao Nicolau Samahá.

Mesmo mais de trinta anos após sua morte, sempre ouvimos falar de que “Elvis não morreu”. Contudo, Elvis é ainda “o morto que mais vende discos em todo mundo” até hoje. O branco que tinha voz de negro. Elvis deixou este plano no dia 16 de agosto de 1977.
Quando criança, todo dia eu subia à Praça da Igreja Velha pra levar almoço pro meu irmão Roberto Dias que trabalhava no Foto JK. Subia distraído e ficava encantado com os brinquedos dependurados nas portas das muitas lojas que supriam o caminho que levava até à praça. Mas era uma loja em especial que me fazia chegar atrasado ao meu destino: a Loja do Nicolau Samahá. O dia inteiro o ele ficava tocando na vitrola as músicas inesquecíveis do Elvis Presley que me deixavam encantado. Fora isso, as paredes de sua loja eram forradas com pôsteres gigantes do Rei do Rock por todos os cantos. Ele também se fazia parecer muito com o ídolo: Alto, cabelos com topete e costeletas enormes. Camisas chamativas e de golas altas. Parecia o próprio Rei do…