Pular para o conteúdo principal

Eu vi um santo.


Era 4 de julho de 1980.
Naquele dia meus pais saíram bem cedo de casa.
Credenciados, eles ficariam num lugar especifico para assistir a missa celebrada pelo Papa. Papai conseguiu essas credenciais por trabalhar na Editora Santuário onde era repórter fotográfico do Jornal Santuário.
Eu, criança, continuei dormindo e sonhando com aquele grande dia onde nossa cidade iria receber o “João de Deus” que era cantado por todo povo.
Acordei radiante e ao mesmo tempo meio entristecido por não encontrá-los mais em casa. Eu teria que ficar sob os cuidados de uma vizinha naquele dia histórico.
Na hora combinada saímos rumo à Avenida Getúlio Vargas e paramos bem em frente à Rádio Aparecida. O povo se apertava na calçada bem atrás de um batalhão de soldados, que de mãos dadas, formavam um cordão. Pequeno, eu fiquei entre eles com a visão bem privilegiada diante da avenida.
Bandeirolas eram agitadas. O povo unia a fé ao instante elevando ainda mais a grandeza daquela manhã. Ele vinha “em missão de paz”, como dizia a música.
Logo o alvoroço aumentou. A notícia de que o “Servo de Deus” se aproximava levava a multidão ao delírio. O “empurra-empurra” me colocava ainda mais à frente do cordão de policiais que nem se preocupavam comigo. A vizinha de minha mãe também. Ela estava pelas pontas dos pés gritando e cantando feito uma maluca.
O carro do Papa se aproximou daquele lugar passando um tanto quanto apressado por nós. Eu consegui então vê-lo: Rosto de fisionomia forte e bem corado, acenando sorridente para todos os lados possíveis.
O carro, tendo aquelas motos Amazonas como batedores, seguiu até a rotatória que fica em baixo da passarela e virou pra entrar no pátio da Basílica. Em sua homenagem, a esplanada onde ele celebrou a missa recebeu o nome de Papa João Paulo II.
Após a missa de Sagração do Altar, o Papa fez a consagração à Nossa Senhora Aparecida e deu a bênção final com a imagem original de Nossa Senhora Aparecida. Ao final da celebração, João Paulo II surpreendeu a todos ao informar que concedia à nova Igreja o título de Basílica Menor, consagrando a Basílica como o maior Santuário Mariano do mundo e revigorou a fé do povo brasileiro em Nossa Senhora Aparecida, ao conceder ao Santuário Nacional o título de “Casa da Mãe de Deus”.
Em 2004, ano do centenário da coroação da Santa Aparecida, o Santuário Nacional recebeu um decreto do Papa João Paulo II concedendo indulgências a todas as pessoas que participarem de peregrinações, missas e orações naquele ano do Centenário da Coroação da Padroeira do Brasil dentro do Santuário Mariano de Aparecida e em todas as igrejas ou oratórios sob o título de Virgem Aparecida situados dentro dos limites do Brasil. Em junho deste mesmo ano, o hoje Cardeal Raymundo Damasceno, em visita a Roma, presenteou o Papa João Paulo II com uma réplica perfeita da imagem de Nossa Senhora Aparecida.
O polonês Karol Josef Wojtyla, eleito Papa em 1978 e que liderou a Igreja Católica Romana por 26 anos faleceu em 02 de abril de 2005.
Logo após esta data o Santuário de Aparecida resumiu em uma exposição toda a história da visita do Papa João Paulo II à Basílica Nacional de Aparecida que completava 25 anos reunindo fotografias e objetos usados pelo Papa, bem como os documentos emitidos pelo pontífice à igreja na ocasião da consagração da Basílica. Na mostra, os visitantes puderam ver a cadeira e a mesa que o pontífice usou no dia em que celebrou a missa em Aparecida e a caneta com a qual assinou o documento da consagração do templo.
No dia 1º de maio de 2011, seis anos apenas depois de sua morte, o Papa João Paulo II será beatificado pelo Papa Bento XVI no Vaticano em Roma. Um tempo recorde em todos os processos de beatificação da Igreja católica.
O mais carismático de todos os papas da história segue agora a passos largos rumo a sua canonização.
E pensar que o menino, naquele distante 1980, esteve tão perto de um Santo e sua inocência nem pôde perceber...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O chifre

Por conta de minha filha Larissa estar tendo febre há uns três dias, uma tia de minha esposa, em conversa por telefone, foi sucinta em seu comentário: “Essa menina está assustada ou aguada por alguma coisa”... De fato, em duas idas ao pronto socorro, os pediatras não conseguiram detectar nenhum problema mais grave. Não era garganta, ouvido ou algum dentinho nascendo, o que estava causando estranheza pela febre decorrente. Além de dar o “diagnóstico”, a tia foi logo dizendo o “antídoto” para a cura: chá de hortelã com raspas de chifre de carneiro. Vivi entre as crendices populares típicas de cidades do interior. Convivi com todos os meus avós e minha mãe, nos arautos dos seus 78 anos, ainda prega essa cultura popular de usar plantas e métodos pouco convencionais para curar algum mal. Assim sendo, mesmo cético para algumas coisas na vida, lá fui eu tentar encontrar o tal chifre... Não me aventurei em outro lugar sem antes passar pelo mercadão de Guaratinguetá. A minha intuição estava a…

A Padroeira do Brasil, Nossa Senhora Aparecida

Segundo o relato daquelas humildes pessoas, foram tantos peixes logo conseguido, depois de “aparecida” a imagem, que a canoa ficou cheia. Até ameaçava afundar. Alegraram-se muito com o ocorrido e foram levar o pescado à Câmara Municipal de Santo Antonio de Guaratinguetá, mas primeiro passaram pela casa de Felipe Pedroso e deixaram a preciosa encomenda confiada aos cuidados de Silvana da Rocha, mãe de João, esposa de Domingos e irmã de Felipe. Puseram-na dentro de um baú, enrolada em panos, separada uma parte da outra.
A casa de Silvana foi o primeiro oratório que teve aquela imagem e ficou com ela cerca de nove anos, até 1726, data provável de seu falecimento. Assim tornou-se herdeiro da imagem seu irmão, Felipe Pedroso, o único sobrevivente da milagrosa pescaria.
Sua casa foi o segundo oratório, por seis anos, perto da Ponte do Ribeirão do Sá (proximidade da atual Estação Ferroviária) e também o terceiro, por mais sete anos, na Ponte Alta, para onde se mudara. Em 1739, Felipe Pedroso …

“Heart and Soul”, homenagem ao Nicolau Samahá.

Mesmo mais de trinta anos após sua morte, sempre ouvimos falar de que “Elvis não morreu”. Contudo, Elvis é ainda “o morto que mais vende discos em todo mundo” até hoje. O branco que tinha voz de negro. Elvis deixou este plano no dia 16 de agosto de 1977.
Quando criança, todo dia eu subia à Praça da Igreja Velha pra levar almoço pro meu irmão Roberto Dias que trabalhava no Foto JK. Subia distraído e ficava encantado com os brinquedos dependurados nas portas das muitas lojas que supriam o caminho que levava até à praça. Mas era uma loja em especial que me fazia chegar atrasado ao meu destino: a Loja do Nicolau Samahá. O dia inteiro o ele ficava tocando na vitrola as músicas inesquecíveis do Elvis Presley que me deixavam encantado. Fora isso, as paredes de sua loja eram forradas com pôsteres gigantes do Rei do Rock por todos os cantos. Ele também se fazia parecer muito com o ídolo: Alto, cabelos com topete e costeletas enormes. Camisas chamativas e de golas altas. Parecia o próprio Rei do…