Pular para o conteúdo principal

Despertai, Carlucho, despertai!


Perdi um hábito a algum tempo de não comparecer mais em velório. Acho muito desgastante. Por conta de uma complexidade cada vez maior dentro da minha cabeça, esse ato de “sepultar” algum ente querido faz desordem na minha compreensão. Assim, sempre me pego brincando de que “velório, só vou ao meu”. Isso, lógico, se a patroa liberar.
Mas no dia 12 de novembro deu certa vontade de espiar um desses derradeiros encontros (ou seria desencontro?).
Foi bem de manhã, quando levei o maior susto lendo numa placa dependura na grade do Cemitério dos Passos em Guaratinguetá o nome daquele que se despedia, seguido de seu inconfundível apelido: Carlucho.
Ensaiei. Olhava pela janela do local onde trabalho que fica bem em frente. Fabricava subsídios para enfrentar aquela despedia. Hesitei.
Nem mesmo diante dessa tela incomensurável do computador fui capaz de despojar palavras para essa ausência.
Via muita gente entrando lá, assim como flores. Flores e mais flores teimando em deixar o extinto mais feliz.
Sim, porque, o Carlucho só combinava com isso: alegria.
Na cabeça, uma forma inusitada de saudade fazia reverências aquela figura emblemática que comandou a parte mais feliz dos carnavais de Guaratinguetá por mais de 35 anos.
Foi uma figura nostálgica. Foi assim que criou a legendária Banda Mole, a fim de resgatar os velhos carnavais de outrora.
Logo disparava a memória: “Ai, ai, ai, ai...tá chegando a hora”...
Houve a promessa de que um bumbo ia tocar. Fiquei na expectativa. Fiz promessa também de que se a banda tocasse, eu iria. Tinha de ir. Embora eu não fosse capaz de rever o Carlucho ali, inerte. Sem sorriso, sem samba. Não combinava Carlucho rodeado de lágrimas e de uma saudade incurável. Essa saudade deveras forte, de disseminação prolongada. Saudade de fato inegável revigorada pela quantidade de iniciativas da memória em lembrar. Saudade capaz de mudar o roteiro e o trajeto da Banda Mole, que a partir de agora, teria que obrigatoriamente passar em frente ao portão do Cemitério Senhor dos Passos e parar por um minuto. Mas não um minuto de silêncio como se fazem ao simples mortais não. E sim um minuto de intensa baderna, sem aspas e sem a metódica repressão dos costumes. Quem sabe assim ele desperte...
E para não ser reconhecido no meio da folia, sair de peruca loira, batom vermelho carmim e lantejoulas na bochecha pra sumir depois na apoteose de um sonho e no brilho triunfal do carnaval...



Postagens mais visitadas deste blog

O chifre

Por conta de minha filha Larissa estar tendo febre há uns três dias, uma tia de minha esposa, em conversa por telefone, foi sucinta em seu comentário: “Essa menina está assustada ou aguada por alguma coisa”... De fato, em duas idas ao pronto socorro, os pediatras não conseguiram detectar nenhum problema mais grave. Não era garganta, ouvido ou algum dentinho nascendo, o que estava causando estranheza pela febre decorrente. Além de dar o “diagnóstico”, a tia foi logo dizendo o “antídoto” para a cura: chá de hortelã com raspas de chifre de carneiro. Vivi entre as crendices populares típicas de cidades do interior. Convivi com todos os meus avós e minha mãe, nos arautos dos seus 78 anos, ainda prega essa cultura popular de usar plantas e métodos pouco convencionais para curar algum mal. Assim sendo, mesmo cético para algumas coisas na vida, lá fui eu tentar encontrar o tal chifre... Não me aventurei em outro lugar sem antes passar pelo mercadão de Guaratinguetá. A minha intuição estava a…

A Padroeira do Brasil, Nossa Senhora Aparecida

Segundo o relato daquelas humildes pessoas, foram tantos peixes logo conseguido, depois de “aparecida” a imagem, que a canoa ficou cheia. Até ameaçava afundar. Alegraram-se muito com o ocorrido e foram levar o pescado à Câmara Municipal de Santo Antonio de Guaratinguetá, mas primeiro passaram pela casa de Felipe Pedroso e deixaram a preciosa encomenda confiada aos cuidados de Silvana da Rocha, mãe de João, esposa de Domingos e irmã de Felipe. Puseram-na dentro de um baú, enrolada em panos, separada uma parte da outra.
A casa de Silvana foi o primeiro oratório que teve aquela imagem e ficou com ela cerca de nove anos, até 1726, data provável de seu falecimento. Assim tornou-se herdeiro da imagem seu irmão, Felipe Pedroso, o único sobrevivente da milagrosa pescaria.
Sua casa foi o segundo oratório, por seis anos, perto da Ponte do Ribeirão do Sá (proximidade da atual Estação Ferroviária) e também o terceiro, por mais sete anos, na Ponte Alta, para onde se mudara. Em 1739, Felipe Pedroso …

“Heart and Soul”, homenagem ao Nicolau Samahá.

Mesmo mais de trinta anos após sua morte, sempre ouvimos falar de que “Elvis não morreu”. Contudo, Elvis é ainda “o morto que mais vende discos em todo mundo” até hoje. O branco que tinha voz de negro. Elvis deixou este plano no dia 16 de agosto de 1977.
Quando criança, todo dia eu subia à Praça da Igreja Velha pra levar almoço pro meu irmão Roberto Dias que trabalhava no Foto JK. Subia distraído e ficava encantado com os brinquedos dependurados nas portas das muitas lojas que supriam o caminho que levava até à praça. Mas era uma loja em especial que me fazia chegar atrasado ao meu destino: a Loja do Nicolau Samahá. O dia inteiro o ele ficava tocando na vitrola as músicas inesquecíveis do Elvis Presley que me deixavam encantado. Fora isso, as paredes de sua loja eram forradas com pôsteres gigantes do Rei do Rock por todos os cantos. Ele também se fazia parecer muito com o ídolo: Alto, cabelos com topete e costeletas enormes. Camisas chamativas e de golas altas. Parecia o próprio Rei do…