Foto colorida


Fotografias coloridas artesanalmente
Era domingo.
Mesmo estando no início da quaresma, o movimento na Praça Nossa Senhora Aparecida já se desenhava com o vem e vai dos romeiros diante da igreja velha.
Os antigos retratistas já entravam em disputa para laçar seus fregueses que pudessem eternizar a estadia ali, de frente para a basílica. Ficavam enfileirados oferecendo seus postais fotográficos.
Encostado em sua velha tripé, o retratista Curimba se destacou entre os demais quando naquela manhã apareceu com uma placa feita de papelão onde estava escrito a oferta do serviço: “Foto a cores”. E dependurou a placa bem em frente à sua máquina.
O ambiente de descontração da velha praça logo percebeu a novidade. Em menos de cinco minutos veio um xereta e, tentando tirar uma casquinha com o Curimba, perguntou com ironia:
-Ô Curimba... é foto a cores ou foto em cores?
Humildade e simplicidade eram as mais notórias qualidades desses retratistas. Sem saber o que responder, e ainda por cima distraído conferindo o resultado de sábado do jogo de bicho, o velho Curimba deu de costas. Sabia que uma resposta errada logo de manhãzinha era o prato cheio pra virar piada pro resto da vida. E foi assim que ele foi ficando “encafifado” com a bendita placa: a cores ou em cores? E agora?
Logo a notícia da placa se espalhou. Mesmo atarefados laçando os romeiros, vinha um retratista, e mais outro, e outro mais, fazer a mesma pergunta pro Curimba que já estava a ponto de explodir. A piada já estava praticamente alinhavada: “Ô Curimba, vê meia dúzia de foto a cores pra mim”... E a turma ria copiosamente daquilo.
Quando o retratista Quinzinho, o mais famoso piadista da praça, veio também perguntar qual era a forma certa de escrever, antes da pergunta, o Curimba, com cara de poucos amigos, foi logo falando:
“Olha aqui Quinzinho, não é um nem outro, é foto colorida certo. E não me torra mais a paciência”...  E de supetão foi logo rasgando a placa de papelão em pedacinhos. 
Pra não perder a piada, o Quinzinho ainda retrucou: "Calma Curimba. Do que você está falando? Eu só "vim" aqui perguntar se deu pavão "a cores ou em cores" nos prêmios ontem sô"... 
No meio do riso que durou o dia todo, quem saiu ganhando mesmo foi o retratista Joaquim Dias, que coloria o retrato postal usando tintas de papel crepom e uma batata cortada, já que naquele tempo não eram feitas ainda pelos “lambe-lambes” foto a cores ou foto em cores.
Nem foto colorida também...