Pular para o conteúdo principal

Retratos de nós mesmos.


Por Célio Luis Batista Leite (Celinho)

O cinema italiano está para o mundo da sétima arte assim com o futebol brasileiro está para o mundo da bola. Giuseppe Tornatore não chega a ser um Pelé, mas pode ser considerado um Garrincha. No filme “O Homem das Estrelas” (1995), este fantástico diretor conta a história de um charlatão que percorre a Sicília, nos anos 40, filmando e retratando pessoas para se tornarem estrelas de cinema, cobrando 1.500 liras por isso.
Impressionante ver como rostos simples se transformam diante de câmeras: verdadeiras estrelas daquele momento.
Quando assisti ao filme pela primeira vez, foi impossível não me lembrar das cenas que eu via, quando criança, na Praça Nossa Senhora Aparecida. Os “retratistas”, postados em frente à Matriz Basílica, com suas “caixas mágicas”, registrando nas chapas o rosto dos romeiros que vinham rezar aos pés de Nossa Senhora. As fotografias, muitas vezes, retratavam gerações. Eram vários componentes de uma mesma família que, às vezes, não cabia na foto. Da minha família mesmo, há várias versões destes momentos nostálgicos.
Gostaria de convidar o leitor deste texto a refletir o quanto de memória existe nestes registros. Não dá nem para imaginar quantas chapas foram batidas ao longo de anos ali naquela praça. Experimente imaginar!
Se estas fotografias resgatam a história da vida privada de milhões de pessoas, imagina o quanto de memória e história estão guardados na mente dos retratistas.
Tenho a felicidade de ser amigo de Lúcio Mauro Dias, filho do Sr. Joaquim Dias, que foi um destes profissionais que um dia clicaram um momento para eternizá-lo.
Lúcio Mauro, em seu livro “Os Guardiões da Santa: Histórias dos Retratistas Lambe-Lambe de Aparecida”, sugere que façamos esta viagem ao universo destes profissionais: as origens, a linguagem própria, os dramas, as formas de organização, a luta pelo ganha-pão, os apelidos cômicos, os desafios diante do moderno. Tudo isso registrado pelas letras deste grande escritor.
Assim, parece que estamos diante de uma câmera, registrando quadro a quadro a história de Aparecida. Recheado de fotografias, o livro nos convida à lembrança de como a cidade se transformou. A opinião se “para bem” ou “para mal” fica por conta de cada um.
Nas páginas deste belo livro, o autor nos deixa um legado: de que é importante resgatar sempre a memória e a história de um local, mesmo que seja pela simples lente deste singelo profissional, que parece resistir aos tempos da máquina digital e ao Instagram.

Obrigado por este presente Lúcio!


Célio Luis Batista Leite é Sociólogo (USP) e Secretário de Turismo da cidade de Guaratinguetá/SP

Postagens mais visitadas deste blog

O chifre

Por conta de minha filha Larissa estar tendo febre há uns três dias, uma tia de minha esposa, em conversa por telefone, foi sucinta em seu comentário: “Essa menina está assustada ou aguada por alguma coisa”... De fato, em duas idas ao pronto socorro, os pediatras não conseguiram detectar nenhum problema mais grave. Não era garganta, ouvido ou algum dentinho nascendo, o que estava causando estranheza pela febre decorrente. Além de dar o “diagnóstico”, a tia foi logo dizendo o “antídoto” para a cura: chá de hortelã com raspas de chifre de carneiro. Vivi entre as crendices populares típicas de cidades do interior. Convivi com todos os meus avós e minha mãe, nos arautos dos seus 78 anos, ainda prega essa cultura popular de usar plantas e métodos pouco convencionais para curar algum mal. Assim sendo, mesmo cético para algumas coisas na vida, lá fui eu tentar encontrar o tal chifre... Não me aventurei em outro lugar sem antes passar pelo mercadão de Guaratinguetá. A minha intuição estava a…

A Padroeira do Brasil, Nossa Senhora Aparecida

Segundo o relato daquelas humildes pessoas, foram tantos peixes logo conseguido, depois de “aparecida” a imagem, que a canoa ficou cheia. Até ameaçava afundar. Alegraram-se muito com o ocorrido e foram levar o pescado à Câmara Municipal de Santo Antonio de Guaratinguetá, mas primeiro passaram pela casa de Felipe Pedroso e deixaram a preciosa encomenda confiada aos cuidados de Silvana da Rocha, mãe de João, esposa de Domingos e irmã de Felipe. Puseram-na dentro de um baú, enrolada em panos, separada uma parte da outra.
A casa de Silvana foi o primeiro oratório que teve aquela imagem e ficou com ela cerca de nove anos, até 1726, data provável de seu falecimento. Assim tornou-se herdeiro da imagem seu irmão, Felipe Pedroso, o único sobrevivente da milagrosa pescaria.
Sua casa foi o segundo oratório, por seis anos, perto da Ponte do Ribeirão do Sá (proximidade da atual Estação Ferroviária) e também o terceiro, por mais sete anos, na Ponte Alta, para onde se mudara. Em 1739, Felipe Pedroso …

“Heart and Soul”, homenagem ao Nicolau Samahá.

Mesmo mais de trinta anos após sua morte, sempre ouvimos falar de que “Elvis não morreu”. Contudo, Elvis é ainda “o morto que mais vende discos em todo mundo” até hoje. O branco que tinha voz de negro. Elvis deixou este plano no dia 16 de agosto de 1977.
Quando criança, todo dia eu subia à Praça da Igreja Velha pra levar almoço pro meu irmão Roberto Dias que trabalhava no Foto JK. Subia distraído e ficava encantado com os brinquedos dependurados nas portas das muitas lojas que supriam o caminho que levava até à praça. Mas era uma loja em especial que me fazia chegar atrasado ao meu destino: a Loja do Nicolau Samahá. O dia inteiro o ele ficava tocando na vitrola as músicas inesquecíveis do Elvis Presley que me deixavam encantado. Fora isso, as paredes de sua loja eram forradas com pôsteres gigantes do Rei do Rock por todos os cantos. Ele também se fazia parecer muito com o ídolo: Alto, cabelos com topete e costeletas enormes. Camisas chamativas e de golas altas. Parecia o próprio Rei do…