Os Fotógrafos das Ruas


Embora a profissão de fotógrafo em Aparecida seja antiga, remontando ao ano de 1868, poucos destes profissionais tiveram na história seus nomes homenageados para designar logradouros daqui.
Num levantamento realizado em livros, jornais e mapas, além de uma minuciosa busca entre as leis digitalizadas do Site da Câmara Municipal de Aparecida, consegui enumerar 12 nomes de retratistas que nomeiam algumas ruas em nossa cidade.
O “photógrapho” Augusto Monteiro, conforme narra a lei Municipal nº 1056 de 1964, decretada e promulgada pelo Prefeito Aristeu Vieira Vilela, empresta seu nome para designar a rua, que até os dias atuais, todos chamam e conhecem como Rua Santos Dumont.
Ao longo do tempo, o nome de Augusto Monteiro passou a denominar também o Boulevard atrás da Matriz Basílica, no Centro Velho, que atualmente recebe o nome de Benedicto Moreira César – que já se chamou Euclides de Oliveira Figueiredo. O local se denomina Rua Augusto Monteiro até um certo ponto específico desse “escadão”.
O Retratista Aristeu Venerando, conforme decreta a Lei nº 2.270 de 1987, promulgada pelo Prefeito Márcio de Siqueira, empresta hoje seu nome para designar uma rua no alto do Bairro da Aroeira.
O popular fotógrafo Peneirinha – Benedito Pereira – idealizador e fundador do Sindicato dos Fotógrafos de Aparecida em 1968, empresta seu nome para designar uma Avenida no Bairro de Santa Terezinha.
Outro grande fotógrafo de Aparecida e vereador também em dois mandatos, Guilherme Bittencourt Ferraz, tem seu nome a designar uma rua no Bairro de São Geraldo a partir da Lei nº3322 de 2005, promulgada pelo Prefeito José Luiz Rodrigues.
Isaac Ferreira Encarnação, dono de um ateliê fotográfico na antiga Rua Major Martiniano, empresta hoje seu nome para designar uma rua no Bairro Jardim Paraíba desde 1958 como narra a Lei nº 459, promulgada pelo Prefeito José Geraldo Lemes Valadão.
Nas imediações da antiga Praça Kennedy – atual Praça Padre Vítor Coelho de Almeida – no chamado Bairro Jardim São Paulo, dois antigos fotógrafos denominam dois logradouros: João Abade, João Antônio de Oliveira – Lei nº 2.218 de 1986 promulgada pelo Prefeito Márcio de Siqueira - e João Maroun - Lei nº 327 de 1957, promulgada pelo Prefeito José Geraldo Lemes Valadão.
O Residencial Sonho Meu IV, no Bairro de Santa Luzia, homenageia em duas de suas ruas os Fotógrafos João Messias – João Sim Sinhô – e Júlio Freire de Moraes – Julião.
Uma pequena rua sem saída no Bairro de Santa Rita, em frente ao Convento das Irmãs Canisianas, recebe o nome do Retratista Marcílio dos Santos, que também foi Rei da Festa de São Benedito em 1963.
Negro Reis, photógrapho em Aparecida nos anos 50, empresta seu nome para designar uma rua no Bairro de Vila Mariana conforme a Lei nº 1.224 de 1966 promulgada pelo Prefeito Aristeu Vieira Vilela.
Falecido em acidente automobilístico na década de 1970, o Retratista Pedro Guarcino – Pedro Bicheiro – tem seu nome designando a travessa que existe como passagem entre as Ruas Floriano Peixoto e 1º de Maio, caminho atrás do Cemitério Santa Rita.
Outro Retratista muito popular em Aparecida, José dos Santos Promessa, acabou sendo homenageado tendo seu nome designando uma pequena travessa na Cidade de Potim.
Hoje, pouca gente considera ou entende que os nomes de ruas dizem mais sobre um lugar do que podemos imaginar. E a memória coletiva deste lugar há de passar por um nobre processo que, aos poucos, vai descortinando a história desses logradouros e seus personagens através dos tempos.





Postagens mais visitadas deste blog

O chifre

Conto: Os milagres da Grande Guerra - 2º Colocado no XXIX Concurso de Contos da Biblioteca Municipal de Aparecida 2018

Os 60 anos da Rádio Aparecida