Pular para o conteúdo principal

O adeus ao Mestre

Estreitei meus laços com o Mestre em 2004, quando comecei a fazer parte do seleto grupo que escrevia para o Jornal Tranca e Gamela, recém criado.
Transitar palavras entre ele, Zilda Ribeiro, Alexandre Lourenço, Luiz de Moura e Luizão Freitas, ícones da cultura aparecidense, era algo inimaginável para o “escritor” novato. Um início literário que me marcou profundamente.
As dicas preciosas que ele me passou desde aquele tempo ainda carrego comigo. “Cutucadas” e conselhos. Críticas absolutamente construtivas. Simples e objetivas. Dizia-me sempre que “os jornais evitam a ditadura do conhecimento imposta por aqueles que detêm o poder”.  “Que era preciso escrever, continuar, fazer cada época prevalecer na memória”.
Foi presidente e fundador do MDB, diretório de Aparecida, em 1968 e encabeçou um grupo seleto de aparecidenses que ficou conhecido como um grupo de resistência democrática, fundando à época os Jornais A Verdade e O Lince, acreditando que política se faz com ideias em circulação. Com o Jornal O Lince, acompanhou a política local, tecendo simples e vigorosas “ponderações”. O Mestre Benedicto Lourenço foi candidato a prefeito de Aparecida pelo PTB em 1982, apoiado pelo ex-presidente Jânio Quadros.
Ao longo de seus escritos, também publicou em inúmeros jornais as dimensões do homem moderno e suas complexidades, em textos de teor magnífico sobre o ser. Falou sobre suas crenças e seus valores, além de registrar o levantamento genealógico de famílias tradicionais aparecidenses.
Mais que um estudioso do passado, o Mestre ainda era poeta, cronista e um desbravador. Sua preocupação pelas nossas origens culminou em 2007 na concepção da trilogia “Nossas Origens: Três Séculos de História de Aparecida”, que lançou novas perspectivas e interpretações sobre a fundação e construção de nossa cidade. 
Ainda é possível encontrar na Internet, especificamente no site do Jornal O Lince boa parte de seus textos que narra a Reconstituição da História de Aparecida, publicada até a 18ª parte pelo jornal.
Membro efetivo do Instituto de Estudos Valeparaibanos. Eleito imortal pela Academia Pindamonhangabense de Letras no ano de 2013.
Boêmio em essência. Seresteiro de alma. Caminheiro de sutileza imperial que comandou junto dos saudosos João Lourenço Barbosa, Manoel Ignácio de Moraes, David Martinho e Francisco Salles Souza, o Dinga, muitas caminhadas ao Bairro do Bonfim, Paraty, Santa Cabeça, Lagoinha, Santo Expedito (Rocinha) e Pedrinhas.
Em 2009 foi ele quem me encorajou e se empenhou para que eu pudesse requerer junto ao Ministério do Trabalho meu Registro de Jornalista, tamanho o volume de publicações em vários jornais da região. Assim como ele, tive meu Registro devidamente concedido.
A nossa “formatura”, acontecida em Roseira, junto com outros jornalistas que também entraram com o recurso e alguns baluartes, foi num dia 17 de dezembro, ao som da legendária Corporação Musical Aurora Aparecidense, sob a batuta do Amigo Tadeu Fonseca.
Também colhi dele conselhos e experiências ímpares quando escrevi e lancei meu livro “Os Guardiões da Santa”, em 2013. No dia do lançamento, ele compareceu, mesmo contrariado por estar em campo “inimigo”.
Esse breve apanhado não condiz com a importância e a representatividade do Mestre Benedicto Lourenço Barbosa na sociedade do Vale do Paraíba.
Muito vai se falar sobre a sua irreparável perda. Uma parte da história e da memória que se vai. Lacuna cultural e literária que dificilmente poderá ser preenchida.
Descanse em paz Mestre Dito Lourenço...

Postagens mais visitadas deste blog

O chifre

Por conta de minha filha Larissa estar tendo febre há uns três dias, uma tia de minha esposa, em conversa por telefone, foi sucinta em seu comentário: “Essa menina está assustada ou aguada por alguma coisa”... De fato, em duas idas ao pronto socorro, os pediatras não conseguiram detectar nenhum problema mais grave. Não era garganta, ouvido ou algum dentinho nascendo, o que estava causando estranheza pela febre decorrente. Além de dar o “diagnóstico”, a tia foi logo dizendo o “antídoto” para a cura: chá de hortelã com raspas de chifre de carneiro. Vivi entre as crendices populares típicas de cidades do interior. Convivi com todos os meus avós e minha mãe, nos arautos dos seus 78 anos, ainda prega essa cultura popular de usar plantas e métodos pouco convencionais para curar algum mal. Assim sendo, mesmo cético para algumas coisas na vida, lá fui eu tentar encontrar o tal chifre... Não me aventurei em outro lugar sem antes passar pelo mercadão de Guaratinguetá. A minha intuição estava a…

A Padroeira do Brasil, Nossa Senhora Aparecida

Segundo o relato daquelas humildes pessoas, foram tantos peixes logo conseguido, depois de “aparecida” a imagem, que a canoa ficou cheia. Até ameaçava afundar. Alegraram-se muito com o ocorrido e foram levar o pescado à Câmara Municipal de Santo Antonio de Guaratinguetá, mas primeiro passaram pela casa de Felipe Pedroso e deixaram a preciosa encomenda confiada aos cuidados de Silvana da Rocha, mãe de João, esposa de Domingos e irmã de Felipe. Puseram-na dentro de um baú, enrolada em panos, separada uma parte da outra.
A casa de Silvana foi o primeiro oratório que teve aquela imagem e ficou com ela cerca de nove anos, até 1726, data provável de seu falecimento. Assim tornou-se herdeiro da imagem seu irmão, Felipe Pedroso, o único sobrevivente da milagrosa pescaria.
Sua casa foi o segundo oratório, por seis anos, perto da Ponte do Ribeirão do Sá (proximidade da atual Estação Ferroviária) e também o terceiro, por mais sete anos, na Ponte Alta, para onde se mudara. Em 1739, Felipe Pedroso …

“Heart and Soul”, homenagem ao Nicolau Samahá.

Mesmo mais de trinta anos após sua morte, sempre ouvimos falar de que “Elvis não morreu”. Contudo, Elvis é ainda “o morto que mais vende discos em todo mundo” até hoje. O branco que tinha voz de negro. Elvis deixou este plano no dia 16 de agosto de 1977.
Quando criança, todo dia eu subia à Praça da Igreja Velha pra levar almoço pro meu irmão Roberto Dias que trabalhava no Foto JK. Subia distraído e ficava encantado com os brinquedos dependurados nas portas das muitas lojas que supriam o caminho que levava até à praça. Mas era uma loja em especial que me fazia chegar atrasado ao meu destino: a Loja do Nicolau Samahá. O dia inteiro o ele ficava tocando na vitrola as músicas inesquecíveis do Elvis Presley que me deixavam encantado. Fora isso, as paredes de sua loja eram forradas com pôsteres gigantes do Rei do Rock por todos os cantos. Ele também se fazia parecer muito com o ídolo: Alto, cabelos com topete e costeletas enormes. Camisas chamativas e de golas altas. Parecia o próprio Rei do…