Minha glória é você Larissa

Dizem que o nome a obra imortaliza.
Ontem fui agraciado pela Câmara Municipal de Aparecida, junto com outros amigos e colegas de escrita,  com este diploma em comemoração ao Dia do Escritor que me designou como “Guardião das Tradições  Culturais” de Aparecida. Honraria concedida a um seleto grupo.
Me senti honrado. Levemente emocionado quando o orador da noite, ao ler meu humilde currículo literário, lembrou de meu pai Joaquim Dias, meu mentor espiritual na concepção do livro “Os Guardiões da Santa”.
Como disse o Escritor e amigo Wilson Gorj, somos “os mais jovens” nessa jornada literária da Terra da Padroeira do Brasil. Uma responsabilidade em tanto.
Paralelo àquela noite, àquela atmosfera sedenta de palavras, habitava o pensamento minha obra mais tênue e mais perfeita: a Larissa.
Deixei a Câmara Municipal à surdina...
Em meio ao coquetel primoroso oferecido aos presentes, muita gente importante diga-se de passagem, fui correndo rever minha florzinha regada a muitos sóis da minha vida.
Já em casa, fiz questão de eternizá-la junto ao Diploma conquistado na noite que veio coroar esses 10 anos de “escrivinhações” nos diversos jornais e revistas daqui.
No nosso banquete, especialmente preparado pela Bernadete, a medalha ficou um tanto esquecida diante da bochecha rosada da Larissa que esperava pela mamadeira quentinha enquanto tentava com a mãozinha pegar meu pão com mortadela.
Que noite! Careço de glórias não.

Completo a felicidade no olhar de Larissa...