Pular para o conteúdo principal

Líder extinto



A surpresa causada pela renúncia veio acompanha de algumas incertezas, embora todos jurassem que era um episódio contornável na história.
Perdiam-se muitos fiéis (ou seriam infiéis?). Escândalos de pedofilia. Uma crise rondava as portas daquele ministério.
Reunidos os cardeais, e após alguns dias, o conclave decidiu com certa unanimidade. A fumaça branca saída da chaminé anunciava um novo líder agora negro pela primeira vez na história.
Era um período de transição extraordinária que representava o deslocamento do poder. Mazelas espirituais perdiam a nitidez. Preconceitos humanos pareciam varridos. Um momento único e histórico.
O líder vinha agora nascido num país miserável da África onde a fome e moléstias sacrificavam muitos inocentes. A AIDS era a que mais matava. Dizimava adultos e crianças que eram muitas.
Num decreto considerado insano por seus seguidores, tomou uma decisão espantosa e inédita: ia transferir a sede do ministério para seu país de origem por dois meses.
O mundo ficou perplexo. O Vaticano ficou ás moscas.
Mas o líder seguia firme sua caminhada quebrando paradigmas arcaicos.
Publicamente começou a defender o uso de preservativos, caçou como bruxas os pedófilos e os entregou à justiça civil. Defendia a pílula anticoncepcional para maior controle da natalidade. Uniu forças com outras religiões para acabar com a fome no mundo. Fez com que inimigos históricos se rendessem ao ecumenismo amplo. Despiu-se de suas riquezas e repartiu terras sagradas aos miseráveis, exercendo um papel mais ativo nesse sentido. Desaconselhou o pagamento do dizimo e supôs uma discussão mais ampla sobre o concubinato e o celibato. Decretou que a eutanásia era pseudônimo de Deus e que as experiências feitas com células tronco eram suas mãos agindo.
Fez longas pregações contra a homofobia e defendeu vorazmente o casamento entre pessoas do mesmo sexo além de colocar em tese o benefício da pena de morte para a sociedade.
Usou e abusou da tecnologia para delatar as injustiças contra as minorias numa intervenção humanitária jamais vista. Foi insultado e adorado quando começou a achar válidas as opiniões de pagãos e leigos revoltosos. Repudiou governos que faziam o que bem entendiam de seu povo. Lutou com galhardia pregando a moral e não se importou se as suas ações teriam chances razoáveis de sucesso.
O povo, em poucos meses, aclamava seu santo nome. Surgiam pelos quatro cantos do mundo marchas de movimentos civis em massa. Era a chamada “revolução”.
Havia rumores de traidores entre os seus. Especulações que o líder não deixava influenciar na autoridade da fé.
Num dia incomum, não foi visto na janela do seu quarto como fazia todas as manhãs.
A preocupação não precisou arrombar a porta do quarto que sempre permanecia entreaberta.
Foi encontrado inerte em seus aposentos com um pedaço de pão em um das mãos que desaparecera de forma misteriosa antes que os paramédicos chegassem.
Ele havia jejuado alguns dias antes, mobilizado de orações diante de uma suposta crise em seu ministério. Mas alguns sabiam que não tinha sido a fome a causa de sua morte.
Na capela, entre a correria da notícia, alguém pedia perdão pelo ato cometido na madrugada insone.

Iniciava-se assim a convocação do segundo conclave em menos de um ano para se escolher outro líder...

Postagens mais visitadas deste blog

O chifre

Por conta de minha filha Larissa estar tendo febre há uns três dias, uma tia de minha esposa, em conversa por telefone, foi sucinta em seu comentário: “Essa menina está assustada ou aguada por alguma coisa”... De fato, em duas idas ao pronto socorro, os pediatras não conseguiram detectar nenhum problema mais grave. Não era garganta, ouvido ou algum dentinho nascendo, o que estava causando estranheza pela febre decorrente. Além de dar o “diagnóstico”, a tia foi logo dizendo o “antídoto” para a cura: chá de hortelã com raspas de chifre de carneiro. Vivi entre as crendices populares típicas de cidades do interior. Convivi com todos os meus avós e minha mãe, nos arautos dos seus 78 anos, ainda prega essa cultura popular de usar plantas e métodos pouco convencionais para curar algum mal. Assim sendo, mesmo cético para algumas coisas na vida, lá fui eu tentar encontrar o tal chifre... Não me aventurei em outro lugar sem antes passar pelo mercadão de Guaratinguetá. A minha intuição estava a…

A Padroeira do Brasil, Nossa Senhora Aparecida

Segundo o relato daquelas humildes pessoas, foram tantos peixes logo conseguido, depois de “aparecida” a imagem, que a canoa ficou cheia. Até ameaçava afundar. Alegraram-se muito com o ocorrido e foram levar o pescado à Câmara Municipal de Santo Antonio de Guaratinguetá, mas primeiro passaram pela casa de Felipe Pedroso e deixaram a preciosa encomenda confiada aos cuidados de Silvana da Rocha, mãe de João, esposa de Domingos e irmã de Felipe. Puseram-na dentro de um baú, enrolada em panos, separada uma parte da outra.
A casa de Silvana foi o primeiro oratório que teve aquela imagem e ficou com ela cerca de nove anos, até 1726, data provável de seu falecimento. Assim tornou-se herdeiro da imagem seu irmão, Felipe Pedroso, o único sobrevivente da milagrosa pescaria.
Sua casa foi o segundo oratório, por seis anos, perto da Ponte do Ribeirão do Sá (proximidade da atual Estação Ferroviária) e também o terceiro, por mais sete anos, na Ponte Alta, para onde se mudara. Em 1739, Felipe Pedroso …

“Heart and Soul”, homenagem ao Nicolau Samahá.

Mesmo mais de trinta anos após sua morte, sempre ouvimos falar de que “Elvis não morreu”. Contudo, Elvis é ainda “o morto que mais vende discos em todo mundo” até hoje. O branco que tinha voz de negro. Elvis deixou este plano no dia 16 de agosto de 1977.
Quando criança, todo dia eu subia à Praça da Igreja Velha pra levar almoço pro meu irmão Roberto Dias que trabalhava no Foto JK. Subia distraído e ficava encantado com os brinquedos dependurados nas portas das muitas lojas que supriam o caminho que levava até à praça. Mas era uma loja em especial que me fazia chegar atrasado ao meu destino: a Loja do Nicolau Samahá. O dia inteiro o ele ficava tocando na vitrola as músicas inesquecíveis do Elvis Presley que me deixavam encantado. Fora isso, as paredes de sua loja eram forradas com pôsteres gigantes do Rei do Rock por todos os cantos. Ele também se fazia parecer muito com o ídolo: Alto, cabelos com topete e costeletas enormes. Camisas chamativas e de golas altas. Parecia o próprio Rei do…